Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A riqueza do Pico

vinhadoPico2

As vinhas do Pico

Terra periférica, reserva humana e religiosa de Portugal, os Açores sempre foram tratados com algum descaso pelas autoridades da metrópole portuguesa, a ponto de muitos continentais não saberem exactamente onde ficam e quem os colonizou. Apesar de sua localização estratégica, de vital importância nas rotas marítimas dos séculos passados e nos serviços de comunicação internacional, via cabos submarinos, essas nove ilhas vulcânicas de beleza invulgar, desde o seu descobrimento, lutaram com enormes dificuldades para conseguirem subsistir.

 

A exiguidade do solo do Pico, basicamente pedregoso, fez com que os primeiros habitantes dessa ilha tivessem que picar a pedra vulcânica para terem terra para plantar e viver. A cultura do trigo, mais exigente, quase não tinha terreno, por isso era na fronteiriça ilha do Faial que os picoenses buscavam a farinha para fazerem o pão. Mas se esse solo era ingrato para o grão, para a vinha era uma dádiva.

 

Foi da Ilha da Madeira que chegaram os primeiros bacelos. A parreira agradeceu o suado chão com muita uva e da boa. Daí para o vinho foi questão de pouco tempo, da colheita de uma primeira safra, com certeza.

 

Em pleno século XVI a produção de vinho já era tão abundante que foram necessárias medidas extra para aprovisioná-lo em vasilhames. Do solo vulcânico, negro, pedregoso e ressequido, que guardava o calor do sol, brotava com fartura a videira, repleta de cachos sumarentos e doces, como uma oferenda de Baco aos cestos daquela gente.

 Os vinhedos da Ilha Montanha se expandiam e era tamanha fartura que em 1649 chegou-se a colher oito mil pipas de vinho. Houve época que era tanto que encheram tanques e embarcações por falta de recipientes para guardá-lo.

O Pico produzia o néctar dos deuses e o Faial, ilha irmã na formação e administração, comercializava-o e exportava-o através do porto da Horta. Era o progresso que chegava para aqueles ilhéus que encontravam na tanoaria, na vindima, na trasfega, na alcoolização, no estufamento, nos serviços de transporte e armazenamento do vinho, trabalho e riqueza para a Terra.  

 

Os brasis nos armazéns da ilha aqueciam o ambiente para o amadurecimento do vinho (cinco anos).   Envelhecido, limpo e graduado (14 graus), era avaliado por provas. A alcoolização para a protecção e fortificação era feita com aguardente da terra ou estrangeira, em geral francesa, a preferida pelos compradores ingleses (Casa Scott Idle De Sobradello & Cª) que no século XVIII tinham representação no Faial e revendiam-no para as Antilhas e Martinica. Os americanos e os habitantes da Nova Escócia vendiam-nos madeira e peixe salgado e levavam de volta o vinho do Pico como pagamento. São Petersburgo e Hamburgo muito apreciavam o malvasia exportado pelo Faial, que consideravam como vinho doce, um dos melhores.

Gustave Lebbe, viajante sueco que passou no Faial em 1800 escreveu “... A experiência de alguns meses me tem provado quanto é salutar o uso do vinho do Faial e posso afirmar com fundamento que o tempo o torna muito melhor, de modo que, com cinquenta anos, seria um verdadeiro tesouro numa adega. É inútil dizer que só me refiro ao vinho de boa qualidade” – (Arquivo dos Açores).

 

Para protecção da qualidade do vinho do Pico era interditada a importação de outros vinhos dos Açores, apesar das várias tentativas para introduzi-los com o objectivo de aumentar a produção, em detrimento da sua qualidade, coisa que seria um desastre para o Pico e Faial.  Felizmente por certo tempo a Câmara da Horta entendeu o problema e protegeu o comércio vinícola picoense. Porém no ano de 1810, os comerciantes conseguiram do Governo uma provisão derrubando essa protecção. O vinho importado das outras ilhas foi tratado, misturado e pelos comerciantes promovido e vendido mais barato com prejuízo para o famoso vinho do Pico, que para manter a qualidade perdeu financeiramente a colocação. Daí para a frente disputas e decretos governamentais favoreciam alternadamente produtores, comerciantes e taberneiros, enfraquecendo o comercio do excelente vinho, que era muitas vezes comprado e adulterado nas ilhas ou mesmo no estrangeiro, na busca desonesta do lucro.

 

Em 1852 uma praga (oidium) se abateu sobre as vinhas dos Açores. Foi um desastre ambiental e comercial para aquelas pobres ilhas que tinham no vinho a sua maior riqueza. Os produtores viram com horror secarem os vinhedos sem nada poderem fazer. Acabaram-se os empregos. Era o fantasma da fome que mais uma vez rondava os lares picoenses, acarretando outra leva de emigrantes para o estrangeiro.   A família americana dos Dabney, que vivia naquele tempo no Faial, importou dos Estados Unidos um microscópio para ajudar no combate à doença. Todos olhavam o parasita pelas lentes de aumento do moderno aparelho, mas... tudo foi inútil, as preciosas cepas se perderam, e como no caso da laranja, mais uma vez faialenses e picoenses amargaram o descaso das autoridades portuguesas e a pobreza.

 

Anos depois por iniciativa particular do produtor e plantador de vinhedos faialense Manuel da Terra Brum, um longínquo meu parente, para o alento dos produtores de vinho, introduziu a uva americana Isabel, mais resistente às pragas, mas de qualidade inferior. Salvou-se a produção doméstica da uva, mas nunca mais Pico e Faial produziram o vinho doce de qualidade, que tanta importância teve para o comércio dessas ilhas centrais.

 

Na actualidade estão tentando com a ajuda da ciência e tecnologia melhorar a qualidade do vinho dessas ilhas Atlânticas. Quem sabe um dia o vinho do Pico volte a ter a fama que o fez apontado de forma elogiosa por Tolstoi em um dos seus livros?

 

Maria Eduarda Fagundes

Uberaba, 22 de Março de 2007.

 

Ref. bibliográfica

Anais do Município da Horta

Subsídios para a História da Ilha do Faial

Autor Marcelino Lima

1943 Vila Nova de Famalicão

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D