Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CRÓNICAS DO BRASIL

Os ratos da montanha

 

Não vamos falar dos Lusitanos, que descendo das montanhas faziam razias sobre os romanos, nem dos talibans que, escondidos nas Hindu Kush, desnorteiam e desmoralizam as chamadas “forças de coalisão”, já mais que descoalisadas! Por ora vão só notícias desta terra “onde se plantando tudo dá”!

 

Nalguns aspectos dá até demais. No Carnaval, por exemplo, a grande festa nacional, onde as escolas de samba só do Rio gastam mais para se exibirem uma ou duas vezes nas passarelas, do que o orçamento nacional para a segurança!

 

No Recife, a terra do Frevo, música bonita, na semana alegre carnavalesca houve ­­­ 29 assassinatos e mais 41 no restante do Estado de Pernambuco, além de 295 ónibus depredados, 125 a mais do que no ano anterior. E o ilustre secretário de Defesa Social lá do pedaço declarando que a Operação Carnaval foi um sucesso! A matarem assim e a depredar os ónibus, a cidade do Recife, não tarda é um deserto!

 

FREVO, DANÇA TÍPICA DO GALO DA MADRUGADA

 

Salvador ficou-se com 21 míseros homicídios e 59 arrastões em ónibus e o Rio com os triviais duelos polícia-bandidos, assaltos a cariocas e turistas – 2 franceses, 2 chineses, um polonês e outros assim variegados – que nem entram nas estatísticas e nem dá para calcular o número de mortes. Até o ministro das finanças foi assaltado e mantido como refém enquanto os bandidos foram ao banco levantar uns “trocos”, mas... o ministro não deu queixa! Talvez por vergonha. É mesmo uma vergonha. O trivial.

 

De facto o Carnaval é uma alegria... permanente.

 

Entretanto, o congresso recebe milhares de propostas de ilustres deputados, como a de uma sobredita que quer consagrar um dia nacional ao Frevo, por ser uma musiquinha da terra dela, outro quer regulamentar a profissão de surfista, um terceiro propõe que os enteados possam adoptar o sobrenome dos padrastos, uma outra quer proibir que as bicicletas andem na contramão dos automóveis, etc., etc. Um afã legislativo de profundíssimo alcance nacional, moral, social, económico e outros encómios.

 

Entretanto continua a tratar-se da violência como pouco mais do que de caso social. E como os casos sociais não se resolvem em menos de uma a duas gerações, a discussão sobre o aperfeiçoamento das leis, das condições carcerárias, da redução da idade para que um de menor, que assalta com pistola automática calibre 45, utilizada pelos marines dos EUA, possa responder como adulto, vai sendo protelada.

 

Hoje, um preso, mesmo por crime considerado hediondo (e os outros não o serão?) basta-lhe cumprir 1/6 da pena para sair em liberdade. Alguns entram com 18 anos de idade e 20 de condenação e, se não fugirem, ou a justiça se enganar, situações ambas bastante comuns, no máximo ao fim de 3 anos e 4 meses voltam para o meio da “sociedade” praticando a sua profissão com muito mais hediondez, aprendidos novos e requintados métodos nas prisões.

 Não se discute a reforma fiscal porque..., a política porque... e muito menos a da segurança social, falida, como em quase todo o mundo, porque isso tira votos. Quem vai querer aprovar uma reforma, séria, da segurança social, quando há ladrões, repetindo, ladrões, que à sombra de leis que eles próprios criam, continuam na activa, por exemplo como deputados, recebendo além da enormidade com que se pagam mais duas aposentadorias integrais por terem sido governadores de um estado e substituto durante seis meses de outro, ou como o Nosso Grande Líder que nem de meia dúzia de anos trabalhou, cortou um dedo e continua a receber cerca de 12 salários mínimos por mês.

Tem militar que à sombra dessas leis em proveito próprio, chega a receber mais de 15.000 Euros por mês, em casa, descansadão, dando risada na cara dos bobos como eu e talvez 99% da população do país que trabalharam mesmo e de repente viram os seus proventos reduzidos a quase nada!

 

Leis para levarem este país onde “se plantando tudo daria”, ninguém faz. Dá trabalho e não dá votos.

 

As nossas montanhas legislativas e executivas só parem mesmo é ratos. De esgoto.

 E o Brasil já teve coisas maravilhosas!

Abram http://www.youtube.com/watch?v=sMd0Iw1t9Co e depois chorem de saudade e de alegria!

Rio de Janeiro, 24 de Fevereiro de 2007

 

Francisco Gomes de Amorim

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D