Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CRÓNICAS DO BRASIL

O alimento e os hábitos alimentares cariocas no século XIX

 

Jean-Batiste Debret

Un dîner brésilien, 1827

 

Alimentar as pessoas, em todas as civilizações, sempre foi uma histórica preocupação. Mesmo com toda a tecnologia e conhecimentos aplicados na produção de alimentos, muitos países ainda passam fome, seja por falta de desenvolvimento ou por políticas económicas e agrícolas equivocadas.

No Brasil, a promessa de dar alimento à população mais carente foi algum tempo atrás, bandeira eleitoral que apregoava que todo o cidadão brasileiro teria direito a três refeições diárias. O milagre é conseguir isso, num país em que parte considerável da população está desempregada e a outra tem a maioria das pessoas ganhando salário mínimo, que mal dá para sobreviver, a não ser pela renda total familiar ou pela distribuição de cestas básicas, eivada por desvios políticos e corrupção.

 

O DIEESE (Departamento Internacional de Estatísticas e Estudos Sociais e Económicos) diz que o individuo para ter uma elementar alimentação precisa de 12 itens na sua cesta básica:

Carne, feijão, arroz, leite, farinha de trigo, batata, pão, café, banana, açúcar, ovos, banha ou manteiga. O mais incrível é saber-se que no tempo do Brasil Colónia, mais exactamente, no século XIX, o brasileiro, mesmo o mais pobre, comia três refeições por dia.

 

Com a chegada de D. João e da Corte portuguesa a 8 de Março de 1808 houve um grande passo no desenvolvimento da Colónia.   Hábitos e costumes europeus foram agregados aos da população e registados pelos artistas trazidos pelo rei. O Rio de Janeiro, base dessa recepção, progrediu, apesar do desconforto inicial com o desalojamento das pessoas, a “pedido” do rei, que punha na entrada das casas requeridas para os nobres, as letras PR (propriedade real) e a que os cariocas criticamente interpretavam como “Ponha-se na Rua”.

 

Certos luxos e refinamentos foram introduzidos pela nobreza e pelos negociantes ingleses, italianos, alemães e franceses. Saraus, passeios, o Rio passa a ter ares europeus num ambiente tropical.

 

Debret, Auguste Saint Hilaire, Eschwege, D’Allincourt e outros não pouparam elogios e criticas aos habitantes da Colónia portuguesa da América. O que sabemos dos usos e costumes da população do século XIX devemos às viagens, anotações e pinturas desses curiosos pesquisadores.

 

No quotidiano carioca da época joanina, a refeição principal era em geral do meio-dia às duas horas. A família reunia-se em torno de uma mesa para comer e conversar. A refeição durava mais ou menos duas horas.  Os escravos domésticos acomodavam-se no chão e comiam da mesa do patrão. Servir na casa era ambição de todo o escravo, pois teria comida mais à vontade.

 

Nas famílias pequenas, a senhora da casa tinha por hábito alimentar os negrinhos, filhos dos escravos, com guloseimas, enquanto o senhor ficava na outra extremidade da mesa, após a refeição, revendo papéis e anotações dos seus negócios diários.

A comida era farta. Legumes, frutas, carnes variadas, uma sopa com substância ou um escaldado de farinha de mandioca substituía o pão, não muito comum naquela região.

Galinha com arroz, quitute muito apreciado por D. João, salada de batatas e cebolas, sempre regadas ao bom azeite português, servida com peixes confeccionados das mais variadas maneiras, eram pratos bastante apreciados principalmente nos feriados santificados.

A feijoada, em geral feita com feijão preto e partes menos nobres do porco, era consumida com farinha de mandioca e frutas (laranja e banana) à vontade pelos mais pobres. Por isso não eram comuns as doenças de subnutrição na população.

Em certas regiões do Brasil era costume acrescentar-se na alimentação uma pasta de pimentas ardidas que era “rebatida” pelo chupar de uma laranja.

Iguarias mais exóticas e estrangeiradas como doces (de arroz com canela), vinhos e café após as refeições, geralmente eram consumidas em casas mais ricas e europeizadas.

As frutas como maracujás, mangas, ananases, pitangas, jambos, melancias, jabuticabas, cajás, fruta-do-conde, laranjas, bananas eram sempre fáceis de se encontrar na mesa dos brasileiros, pois quase todas as casas tinham quintais onde cresciam árvores frutíferas. A água era fresca e saborosa, principalmente nas regiões serranas.

 

Jean-Batiste Debret (1668-1848) francês contratado por D. João para retratar o Brasil e sua população, conta-nos que a hora da refeição era de maneira geral respeitada. A pequena burguesia não atendia fregueses ou pessoas nessa ocasião. Por isso os estrangeiros nesse horário evitavam procurá-la, pois sabiam que iram receber qualquer desculpa ou até mesmo a notícia que não havia a mercadoria procurada. No Rio o empregado comia às duas horas da tarde, após a saída do trabalho. A refeição principal era o jantar servido na casa do negociante brasileiro às 2 horas da tarde e o restante da população ao meio-dia. E havia uma sesta que durava umas 2 a 3 horas, que ninguém interrompia. Já o negociante inglês só jantava às 17 horas, quando fechava o negócio para voltar no outro dia.

O pequeno negociante, na sua casa, comia com os cotovelos na mesa e usava a faca para pegar os alimentos. Já a mulher comia como as crianças, à moda asiática, sem talheres, com os dedos e às vezes com o prato sobre os joelhos. As crianças nas esteiras, de cócoras, se lambuzavam.

 

Com a corte vieram os estrangeiros trazendo outros costumes e hábitos alimentares aos modos de vida do carioca. Surgiram estabelecimentos na Rua do Rosário, centro do Rio de Janeiro, que serviam alimentos. Padarias, confeitarias, hotéis importavam o luxo europeu. Novos produtos alimentares apareceram. Os nativos aprenderam a aprecia-los, a fazê-los e a servi-los. A sociedade com o tempo se refinou, fazia saraus, ia ao teatro. Nas confeitarias encontros de poetas e literatos. O Rio passou a ser a cidade gastronómica e cultural do Brasil.

 

Uberaba, 11 de Fevereiro de 2007

 

Maria Eduarda Fagundes

 

Dados bibliográficos

Crónica de Época. Antologia da Alimentação no Brasil. (Luís de C. Cascudo).

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D