Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CURTINHAS XXXIV

Reflexões sobre Democracia: Democracia e Modelo de Mercado

v     Tal como a democracia, também o modelo do mercado é uma forma de organização social que integra espontaneamente a diversidade (das preferências individuais à oferta de bens e serviços) e a mudança (na maneira como o produto é distribuído, e o excedente, orientado).

v     E tal como a democracia, também o modelo de mercado não conduz a nenhum óptimo (aqui, espero que os leitores mais devotos da teoria económica venham interpelar-me a propósito do óptimo paretiano).

 Vilfredo Pareto (1848 - 1923)

v     A virtude de ambos torna-se realidade quando evitam que situações indesejáveis se perpetuem: a todos iguais oportunidades; a cada um o seu resultado – e a convicção de que o novo dia trará oportunidades renovadas.

v     O modelo do mercado pouco tem a ver com o laissez faire ou com a ideia de que qualquer um, deixado a si próprio, acabará sempre por encontrar “o seu caminho” por entre os outros.

v     Pelo contrário, exige regras claras e universais – e exige-as a dois níveis: (a) a priori, para que cada um possa manifestar validamente, e com igual efeito, o sentido da mudança que deseja; (b) a posteriori, para corrigir a tendência centrífuga (principalmente, através da dinâmica das restrições monetárias) que vai empurrando continuamente uns quantos para fora do mercado (excluindo-os, por esse facto, de participar no processo produtivo e, consequentemente, na distribuição do produto social - depois de os ter afastado já das decisões sobre que orientação dar ao excedente).

v     Dito de outro modo, regras que assegurem a igualdade de oportunidades para todos (a level playing field, na feliz expressão anglo-saxónica), e regras destinadas a reintegrar sistematicamente os que ficarem marginalizados e excluídos (para manter intacto o produto potencial).

v     Na origem de tudo isto está a divisão do trabalho (e o consequente abandono da auto-suficiência familiar), que não é compatível com toda e qualquer forma de organização social. No limite, só dois modelos conseguem realmente sustentá-la: o modelo do mercado e o modelo do ditador iluminado.

v     Os pontos que tornam possível comparar estes dois modelos são: (a) o primado das preferências individuais (princípio eminentemente ideológico); (b) a variabilidade (ou diversidade) das preferências individuais (uma evidência empírica); (c) o facto de o ciclo real (produção/distribuição) ser um processo “no tempo” durante o qual as preferências individuais variam, ou podem variar (outra evidência empírica); (d) a inacessibilidade da informação completa sobre algumas condicionantes da produção - mas, acima de tudo, sobre as preferências individuais, em cada momento (uma racionalização a partir da experiência, e a diversidade, uma vez mais).

v     De alguma maneira, o modelo de mercado acolhe a incerteza e o risco como ingredientes essenciais (ou inevitáveis, tanto faz) da actividade económica - e com eles procura conviver, recorrendo às regras que referi mais acima. Daí ser ele frequentemente acusado de incentivar excessos de produção – de ser o modelo do desperdício.

v     O modelo do ditador iluminado, pelo contrário, ao pressupor a informação completa (ainda que desigualmente distribuída), mais do que ignorar a incerteza, rejeita-a – opondo-se activamente (apetecia-me escrever militantemente) a tudo o que considere ser fonte de risco (como a diversidade e a variabilidade das preferências individuais, por exemplo). Neste ponto, Salazar e tantos dos que mais acerrimamente se lhe opunham coincidiam.

v     É, por conseguinte, a atitude perante o risco (gerado, em larga media, pelas características das preferências individuais estimuladas pela inovação, mas podendo ter também causas naturais) a pedra de toque que distingue estes dois modelos um do outro.

v     Acontece que, quando se condiciona directamente as preferências individuais, “congelando-as”, para desse modo abolir o risco (ainda que sob a melíflua intenção de poupar as pessoas a consequências traumatizantes), é o modelo do ditador iluminado que está a falar mais alto.

v     E é ainda o modelo do ditador iluminado a prevalecer quando se exorciza a sujeição de cada um a restrições de natureza monetária (quem tem dinheiro, compra; quem não tem dinheiro, sonha) - sem as quais, bem vistas as coisas, não seria possível nunca compatibilizar produto disponível e somatório das preferências individuais espontaneamente manifestadas.

v     A alternativa ao constrangimento das restrições monetárias é, recordo, ou o desprezo pelas preferências individuais e pela livre escolha (pela diversidade, em suma), como faz o modelo do ditador iluminado, ou a apropriação violenta que estilhaça a divisão do trabalho.

v     A ironia é que o modelo do mercado também não dispensa um ditador iluminado na esfera nominal (do qual se espera que fixe, se não o volume, pelo menos a variação da liquidez em circulação e o preço de a emitir ou criar). Feitas as contas, lidar com a incerteza e o risco, afinal, não é tão fácil como à primeira vista parece. (cont.)

Lisboa, Fevereiro de 2007

a. palhinha machado

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D