Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Crónica de uma avó à maneira antiga

 

 

Quando jovem achava as brincadeiras e conversas dos velhos com seus netos pura teatralidade, uma verdadeira chatice. Porém me intrigava ver a empatia que existia entre eles, os idosos e as criancinhas de tenra idade. Agora, bem menos jovem, na fase da vida que os psicólogos chamam da terceira idade, com meu neto vejo-me fazendo tudo aquilo que intimamente criticava nas pessoas da minha idade.

Ainda socialmente produtiva, quando Gabriel vai pra minha casa paro tudo. Nessa ocasião passamos a viver num mundo à parte, de inocência e fantasia . Curioso, logo me chama, com ar doce de quem espera tudo menos um não:

Vovó vamos para a varanda, vamos ver aonde moram as formigas? E lá vou eu para o jardim observar aqueles animaizinhos quase microscópicos que na nossa região são praga e que tantos dissabores trazem para os agricultores e suas plantações. Miolinhos de bolacha e de pão espalhamos pelo chão, e esperamos pouco tempo para ver as minúsculas criaturas aparecerem e carregarem uma coisa muito maior e mais pesada que elas, num verdadeiro milagre da natureza sem explicação.

Grandmother

Uma avó a dizer "não" faz o mesmo som que a dizer "sim".

 

 

Cansados de observar as formigas, que seguem um caminho entre elas pré-codificado, outra brincadeira se impõe. E logo meu neto pede para brincar com o macaco Tião. E  então vasculhamos o armário dos brinquedos e fantasias em busca de um simpático fantoche de rabinho comprido e calção de listras vermelhas, velho companheiro. Por “coincidência”, Tião tem seis anos, a mesma idade do Gabriel. O macaquinho faz pirraça e nas brincadeiras quer ser sempre o primeiro. Fala tudo que quer e, quando se vê enganado, ameaça deixar a brincadeira, coisa que faz Gabriel ceder e aceitar que o fantoche também tenha a sua vez. Jogos, corridas de tartaruga (a única que a avó consegue fazer), desenhos, pinturas, estórias, risos, pouco siso, e até futebol de dois, com vovó sempre perdendo para o maioral Gabriel. E assim passa a tarde de domingo, até a hora do banho e do lanche, após os quais ele parte e a casa volta ao normal.

São momentos de magia em que vivemos em total harmonia, onde dificilmente ele escuta a palavra não. Que diferença dos tempos em que eu mãe, educadora e provedora passava mais tempo corrigindo os meus filhos, que me divertindo com eles. Dizem os psicólogos e entendidos que esse relacionamento mágico entre o velho e a criança vem de encontro à fase da vida em que os dois estão. A criança procura alçar o mundo que ainda não conhece e não pode dominar. Enquanto para o velho esse mundo não tem mais a importância de outrora, já não lhe importa o poder, e a ele já está imune, achando graça na força que a criança faz para se afirmar quando diz EU faço, EU vou, EU quero, pensando que é um herói ou um valentão. É uma encenação, até nas forjadas brigas quando o avô corre atrás do neto, fingindo querer pegá-lo e ele na frente, correndo, rindo, fingindo que está com medo de ser apanhado.

Mas o tempo passa. O velho cada dia mais enfraquece e a criança ao contrário, ganha força, cresce. A magia entre eles aos poucos desaparece. Como um jovem potro, precisa ser com carinho, mas firmeza, educado. As regras de bom convívio é preciso aprender. .

Chega a adolescência, as amizades e os relacionamentos sociais tomam importância cada vez maior na vida do jovem. O velho é posto de lado, passa a ser visto como um inútil, ou um acomodado As estórias contadas à noite, tantas vezes repetidas, antes dele dormir, logo são esquecidas, até que um dia, no ciclo da vida, quando a vez dele chegar, estórias também ele vai contar.

 

Uberaba, 14/2/07

 

Maria Eduarda Fagundes

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D