Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

Crónica de uma avó à maneira antiga

 

 

Quando jovem achava as brincadeiras e conversas dos velhos com seus netos pura teatralidade, uma verdadeira chatice. Porém me intrigava ver a empatia que existia entre eles, os idosos e as criancinhas de tenra idade. Agora, bem menos jovem, na fase da vida que os psicólogos chamam da terceira idade, com meu neto vejo-me fazendo tudo aquilo que intimamente criticava nas pessoas da minha idade.

Ainda socialmente produtiva, quando Gabriel vai pra minha casa paro tudo. Nessa ocasião passamos a viver num mundo à parte, de inocência e fantasia . Curioso, logo me chama, com ar doce de quem espera tudo menos um não:

Vovó vamos para a varanda, vamos ver aonde moram as formigas? E lá vou eu para o jardim observar aqueles animaizinhos quase microscópicos que na nossa região são praga e que tantos dissabores trazem para os agricultores e suas plantações. Miolinhos de bolacha e de pão espalhamos pelo chão, e esperamos pouco tempo para ver as minúsculas criaturas aparecerem e carregarem uma coisa muito maior e mais pesada que elas, num verdadeiro milagre da natureza sem explicação.

Grandmother

Uma avó a dizer "não" faz o mesmo som que a dizer "sim".

 

 

Cansados de observar as formigas, que seguem um caminho entre elas pré-codificado, outra brincadeira se impõe. E logo meu neto pede para brincar com o macaco Tião. E  então vasculhamos o armário dos brinquedos e fantasias em busca de um simpático fantoche de rabinho comprido e calção de listras vermelhas, velho companheiro. Por “coincidência”, Tião tem seis anos, a mesma idade do Gabriel. O macaquinho faz pirraça e nas brincadeiras quer ser sempre o primeiro. Fala tudo que quer e, quando se vê enganado, ameaça deixar a brincadeira, coisa que faz Gabriel ceder e aceitar que o fantoche também tenha a sua vez. Jogos, corridas de tartaruga (a única que a avó consegue fazer), desenhos, pinturas, estórias, risos, pouco siso, e até futebol de dois, com vovó sempre perdendo para o maioral Gabriel. E assim passa a tarde de domingo, até a hora do banho e do lanche, após os quais ele parte e a casa volta ao normal.

São momentos de magia em que vivemos em total harmonia, onde dificilmente ele escuta a palavra não. Que diferença dos tempos em que eu mãe, educadora e provedora passava mais tempo corrigindo os meus filhos, que me divertindo com eles. Dizem os psicólogos e entendidos que esse relacionamento mágico entre o velho e a criança vem de encontro à fase da vida em que os dois estão. A criança procura alçar o mundo que ainda não conhece e não pode dominar. Enquanto para o velho esse mundo não tem mais a importância de outrora, já não lhe importa o poder, e a ele já está imune, achando graça na força que a criança faz para se afirmar quando diz EU faço, EU vou, EU quero, pensando que é um herói ou um valentão. É uma encenação, até nas forjadas brigas quando o avô corre atrás do neto, fingindo querer pegá-lo e ele na frente, correndo, rindo, fingindo que está com medo de ser apanhado.

Mas o tempo passa. O velho cada dia mais enfraquece e a criança ao contrário, ganha força, cresce. A magia entre eles aos poucos desaparece. Como um jovem potro, precisa ser com carinho, mas firmeza, educado. As regras de bom convívio é preciso aprender. .

Chega a adolescência, as amizades e os relacionamentos sociais tomam importância cada vez maior na vida do jovem. O velho é posto de lado, passa a ser visto como um inútil, ou um acomodado As estórias contadas à noite, tantas vezes repetidas, antes dele dormir, logo são esquecidas, até que um dia, no ciclo da vida, quando a vez dele chegar, estórias também ele vai contar.

 

Uberaba, 14/2/07

 

Maria Eduarda Fagundes

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D