Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CURTINHAS XXXII

Reflexões sobre Democracia: Por onde nos leva a palavra “justo”

v      As palavras, goste-se ou não, enredam-nos. E quando se trata de enredar, nada supera em habilidade este adjectivo “justo”.

v      Antes do mais, “justo” tem uma fortíssima carga subjectiva, pressupõe sempre uma dada escala de valores – enfim, uma ideologia. Ora, em sociedades onde prevaleça o pluralismo ideológico (logo, nem dogmáticas, nem confessionais), haverá tantas situações “justas” (e, simetricamente, tantas situações “injustas”) quantos os pontos de vista que possam ser expressos livremente.

v      Existem, sem dúvida, “justos” relativamente aos quais a grande maioria coincidirá. Mas esses são as excepções, não a regra. E excepções que acontecem para, entre outras coisas de menor calibre, incutir um módico de humildade a quem, na circunstância, exerça os poderes de legislar e de governar – ou se encontre na oposição.

v      Num sentido ligeiramente diferente, “justo” pretende dar a entender que existe um cenário, uma situação, um preço (o famigerado “justo valor” dos nossos contabilistas) mais perfeito que os restantes, logo, insusceptível de ser melhorado – e que, uma vez atingido, a todos satisfará por igual.

v      É, ainda, uma escala de valores a querer impor-se. E que responde mal quando é confrontada com questões algo impertinentes, do estilo: E se alguém, mesmo assim, ousar manifestar desagrado? Trata-se-lhe da saúde como se fosse um insensato perigoso, um marginal? Ou reconhece-se que, bem vistas as coisas, a perfeição não morava ainda ali?

 O povo não concorda com o Soviete Supremo? Mudemos de povo!

v      Mas é também a convicção de que a informação completa sobre a realidade em causa está ao alcance da mão. Não está – e quem assim pensa presume de mais. Uma presunção que tem o enorme mérito de nos recordar que conviver com a incerteza (a pouca informação ou, mesmo, a falta dela) nunca é fácil – deixa invariavelmente uma sensação de incomodidade e um arrepio de insegurança.

v      Paradigma de tudo isto é o conceito de “justiça social” que pressupõe várias coisas: (a) que existe uma situação de onde todo o desagrado, toda a vontade de mudança desaparecem (um equilíbrio estacionário, diriam os matemáticos); (b) que essa situação é única (se houvesse duas, em alternativa e irreconciliáveis, a ideologia cindir-se-ia, e lá voltava a confrontação ideológica); (c) que há quem saiba, para lá de qualquer dúvida, qual situação seja essa (de novo, a hipótese da informação completa, agora com um toque de informação assimétrica); (d) que essa tal situação pode ser atingida, mais dia, menos dia (um novo Éden já num futuro próximo - e não no fim dos tempos).

v      À vista de tais pressupostos, parece ser quase impossível não concluir que nada é mais redutor que este qualificativo de “justiça social” – caminho feito para que nenhum vestígio de insatisfação seja tolerado, e para que ideologia e mito tomem o lugar dos factos e da pluralidade de opiniões.

v      Os gulags e os hospícios psiquiátricos começaram assim, com uma ideologia a querer impor, a bem ou a mal (mais a mal que a bem), o que entende ser a “justiça social” – afinal, a sua escala de valores. E, para o que aqui interessa, uma ideologia intolerante, impaciente e predisposta a usar da violência.

v      Uma das maiores surpresas com as quais os ideólogos das “sociedades justas” menos se conformam é aquela que lhes reserva, precisamente, quem, segundo eles, mais terá a beneficiar com a instauração da “justiça social”.

v      É muito comum que os destinatários das medidas de “justiça social” acabem por não se mostrar inclinados a ver como paradigma aqueles que quiseram protegê-los – nem demonstrem especial empenho em seguir-lhes as pisadas ou em copiar-lhes a escala de valores. Enfim, irão revelar-se uns ingratos com ideias próprias – e o ciclo de violência ficará relançado.

v      A realidade é que somos muitos, cada vez mais e cada vez mais diferentes, a ocupar sempre o mesmo espaço. E, como dizia Teillard de Chardin, esta crescente densidade, pelo número e pela diversidade, ou é acompanhada por uma mudança qualitativa profunda, estrutural, nas relações sociais, ou autodestrói-se.

v      Simpatize-se, ou não, com a ideia, o certo é que as sociedades modernas são essencialmente densas e plurais. Nelas, nenhuma ideologia poderá pretender impor-se ad perpetuum – porque haverá sempre quem faça sua outra escala de valores, e sonhe com a mudança que a levará ao poder.

v      Mudar, mudar sempre, é o lema das nossas sociedades. Este facto arrasta duas questões fulcrais: (a) que limites fixar à diversidade (ou seja, onde levantar os muros que susterão o assalto dos bárbaros); (b) como organizar a mudança, para que ela possa acontecer de forma pacífica.

v      Este último ponto é o tema da próxima “Curtinhas”. (cont.)

Lisboa, Fevereiro de 2007

a. palhinha machado

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D