Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

A luz e a cor, na medicina e na vida

 

 

Fez-se a luz e tivemos a vida. O poder da luz sobre o planeta é conhecido há muitos milénios. Sem ela não há ar, calor e visão, enfim não há vida. Não é sem razão que quando uma criança nasce se diz: A mulher deu à luz.

 

Na natureza, a energia luminosa é uma determinada faixa dessas ondas electromagnéticas que vem do espaço, com diferentes comprimentos de onda, que nos permite ver as cores.

Os antigos povos do Egipto, Grécia e Roma já relatavam e aplicavam as influências das cores sobre os humanos. E foram eles os primeiros, que se saiba, a utilizar a cromoterapia.   No Brasil, o estudo mais sério do emprego clínico dessa terapêutica começou na década de oitenta com o professor, Dr. Ito Chinen (Hospital Emílio Ribas). Ele dizia “que a cromoterapia é uma conduta terapêutica que visa utilizar a energia luminosa das cores para trabalhar a energia vital do paciente”.  Segundo ele, várias são as formas de se actuar sobre o paciente usando o efeito energético das cores.  Na ambientação, através da escolha da cor nas paredes de consultórios, escritórios, salas hospitalares, na cor das roupas dos médicos e atendentes, e na acção mais efectiva, quando da aplicação directa da luz colorida directamente sobre a área doente.

 

É de conhecimento geral a utilização dos raios infravermelhos para tratamentos de processos inflamatórios e dolorosos das articulações, como nas bursites, tendinites e processos pélvicos. Muitos sabem das propriedades dos raios ultravioleta como método esterilizante e bronzeador, além da influência na produção na pele da provitamina D, no combate ao raquitismo e à osteoporose. Cada cor tem reflexos orgânicos e psíquicos provocados pela acção da frequência de comprimento de onda, que ao vibrar libera energia, resultando algum tipo de resposta sobre o indivíduo.

 

As técnicas de aplicação dessa medicina alternativa, a cromoterapia, complementar aos tratamentos médicos convencionais, variam de país para país, dependendo dos conhecimentos, da tecnologia e dos aparelhos disponíveis.

Segundo o Dr. Chinen, a cromoterapia pode ser utilizada principalmente onde há disfunções orgânicas e emocionais como gastrites, vesícula preguiçosa, ansiedade, stress, asma e em alguns problemas de ordem mental. Para uma boa resposta ao tratamento é necessário um diagnóstico preciso, uma orientação e acções acertadas.

 

 Antigamente, as Senhoras chamavam à maquilhagem a "caixinha da saúde"

 

Para ilustração, pode-se dizer que:

 

O VERMELHO – tem acção orgânica altamente estimulante, que ajuda a restabelecer a energia vital e a abrir o apetite. É uma cor recomendada em certos casos para os asténicos e hipotensos (aqueles que têm pressão baixa)

 

A COR LARANJA – é favorável para os depressivos, estimula os batimentos cardíacos, o metabolismo ósseo e o digestivo.

 

O AMARELO – actua estimulando o intelecto, o metabolismo ósseo e ajuda nas disfunções hepáticas.

 

O VERDE – pode ser usado para transmitir equilíbrio e tranquilidade. Estimula a função hepática e a cicatrização de tecidos.

 

O AZUL CLARO – tem acção relaxadora sobre os nervos, melhorando a ansiedade e a hipertensão (pressão alta).

 

O AZUL PRÚSSICO – ajuda na recuperação dos processos infecciosos, actuando como analgésico e sedativo.

 

O VIOLETA – muito utilizado como anti-séptico (raios ultravioleta) e regenerador tecidual, principalmente nos tumores e sistema nervoso.

 

Na Índia a cromoterapia tem, já há muito tempo, respeito e credibilidade como auxiliar terapêutico. Nos Estados Unidos, Europa e Brasil, é uma conduta que está engatinhando como opção à terapia convencional ou como coadjuvante à terapia tradicional.

 

Os efeitos psicológicos das cores sobre o sistema emocional do indivíduo são marcantes. Quando se usa o vermelho para pintar as paredes, chama-se a atenção, mas a sensação desencadeada é desagradável de opressão e peso, o que é desaconselhável a quem tem claustrofobia. Mas ao mesmo tempo sabe-se que é uma luz poderosa que estimula os batimentos cardíacos, excita e que activa a concentração. Quem é que não reparou na atenção que essa cor desperta na criança pequena ou no “marmanjão” quando vê uma “dona” vestida de vermelho?

Já o azul e a turquesa são cores frias que criam ambientes agradáveis e calmos que propiciam ao relaxamento.

A cor preta e a branca são cores extremas que têm a potencialidade de absorver ou reflectir toda a cor. Usadas de uma forma monocromática são desagradáveis, precisam de alguma outra cor para contrastar e equilibrar a visão.

A cor violeta psicologicamente age como protectora e relaxante. Estimula e instaura o equilíbrio orgânico. Já o verde, apesar da beleza e integrar o individuo à natureza, é terapeuticamente uma cor morta. A luz pura remete a pessoa ao passado, não é aconselhável ao triste e deprimido. O laranja alegra, estimula o movimento e a acção. Nos ambientes de trabalho deve ser bem orientada, na medida do que se espera naquela função, pois facilita também os acidentes.

 

Conhecer as cores e seus efeitos no Homem é mais uma forma simples e inteligente de actuar, tanto na medicina e como na vida, procurando sempre o bem viver.

 

Uberaba, 4/2/07

 

Maria Eduarda Fagundes

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D