Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CRÓNICAS DO BRASIL

 

 PAC, PAC, PAC.

 

 

Como estou a atravessar uma fase de saúde com as coronárias gastas, estropiadas, etc. (com eficiente conserto em poucos dias), quando o governo anunciou estrondosamente um PAC... eu tremi! Será o definitivo? Não era. Era o Plano de Aceleração do Crescimento... do Brasil!

Que maravilha! O governo, perdão, (des)governo anunciou, com pompa e circunstância, um plano, a ser cumprido, perdão, (des)cumprido, até 2010, onde serão, seriam, investidos mais de R$ 500 bilhões.

Infraestruturas, estradas e coisas assim quejandas, mas... (sempre esta miserável conjunção a atrapalhar os planos de desenvolvimento) os recursos previstos para investir os tais 500 bi são somente de 80 bi! Aqui o meu coração deu outro pac. Como é que os caras vão investir 500 bi se nem os 80 anunciados têm, e pior do que isso: de ano para ano o déficit do governo, perdão, (des)governo aumenta, e parte desses 80 virão de recursos que não existem?

Nem os impostos diminuem para incentivo aos investidores, nem os juros deixam de ser os mais altos em todo o mundo! Nem sequer o tal PAC prevê a preservação do nosso bem mais precioso, e que hoje é a preocupação maior da humanidade: o meio ambiente. No PAC não há uma única referência a isso.

E a Amazónia vai-se indo, as matas vão-se embora, os rios, os...

Há quase quatro anos escrevi um pequeno texto, a que chamei “O Orçamento do Pinóquio” comentando as bombásticas palavras de apresentação do primeiro orçamento deste mesmo governo (o tal des...). Chamei-lhe do Pinóquio porque assim que foi anunciado se viu que jamais poderia ser cumprido. Como não foi. Infelizmente a minha “bola de cristal” continua a segredar mais uma vez que este vai ser o PAC Pinoquiano! Estou até a pensar quebrar esta maldita bola que não antevê nada de bom no tal promissor futuro para o nosso Brasil! O país eternamente do futuro!

O país carece do básico, a começar pela instrução e cultura. Os orçamentos do ministério de educação têm regredido, em vez de multiplicarem de valor. O povo permanece na ignorância, mesmo uma boa parte daqueles que eventualmente aprendem a ler.

As cidades abarrotam de favelas sem a mínima estrutura de humanização. Cresce a desumanização, a criminalidade, a desilusão do primeiro emprego, o sub-mundo ganha força.

O povo ganha um pouco mais, porque o dólar vem perdendo valor no mercado internacional, o que reflete aqui dentro pela valorização do real. Um dólar já valeu quatro reais e hoje está cotado a dois e quinze! Um acaso internacional contribuiu para a melhoria do rendimento da população, mas num percentual ridículo face ao que seria de esperar de um país que tem tudo para ser rico, mas que só o será quando essa riqueza estiver distribuída com equanimidade.

Como sair deste ciclo vicioso se, ainda por cima temos os deputados e senadores mais bem pagos do mundo! E os juízes, e os promotores, e os delegados, e os inspetores, e os, e os, e os...

Não se distribui riqueza inventando PACs. Começa-se por distribuir o que há. Há muita lá nos altos postos do compadrio. Ninguém dá o exemplo para começar a moralizar o país.

Não há PAC que aguente. Nem gente. E o ambiente começa a ficar explosivo.

Para complementar o “panorama” transcrevo a opinião que pedi a um professor de economia e analista das contas públicas:

 

Não perca o seu tempo com essas bobagens, haja vista que o governo Lula já está falido com base nos números conhecidos até novembro de 2006, conforme abaixo:  

 

Resultado Fiscal Nominal da União

 

De janeiro de 2003 até novembro de 2006 houve aumento das despesas totais (correntes e de capitais) de 0,19% do PIB em relação ao ano de 2002. Aumento real em relação ao PIB de 0,58%. Apesar do aumento geral das despesas, tendo em vista a criação de novos ministérios, houve reduções de despesas em outros ministérios, tais como: Saúde (– 6,40%); Defesa (-14,80%); Educação (–10,34%).

De janeiro de 2003 até novembro de 2006 houve redução das receitas totais (correntes e de capitais) de 3,05% do PIB em relação ao ano de 2002. Redução real em relação ao PIB de 9,41%. 

 

De janeiro de 2003 até novembro de 2006 a União gerou um déficit fiscal nominal de  R$ 245,9 bilhões (3,45% do PIB).

 

Rio de Janeiro, 26 de Janeiro de 2007

000048ce

Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D