Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

ADEUS, Ó FAROL DA BARRA

 

Farol da Barra de Aveiro.jpg

 

Revi Aveiro, com certa minúcia, num programa da TV5 Monde, com turistas passeando-se pelos canais da ria, pelas praias da Barra e da Costa Nova, pela Vista Alegre e a sua fábrica de louça… Revi as salinas a perder de vista, entre as quais se passava na estrada que conduzia à Barra e que passava também pela Gafanha. Em Aveiro nasceu o meu filho mais velho, vivi ali dois anos, foi no liceu de Aveiro que iniciei o meu percurso profissional, numa casa que alugámos perto do liceu, novinha em folha, mas que mal reconheci, quase vinte anos depois, no emaranhado de uma cidade em desenvolvimento.

 

O programa francês pormenoriza os dados, passeámos na ria com os turistas, vimos a fabricação dos ovos moles, com o rodo juntámos sal – turismo é também prática – só não visitámos o museu de Santa Joana, onde encontrei pela primeira vez uma encadernação em pergaminho, montada num cavalete, como mais tarde, na Biblioteca da Ajuda, encontraria o Cancioneiro medieval da Ajuda, que tanto me maravilhou, igualmente posto num cavalete, coisas primárias a quem pouco viajou na vida e que gravei com encanto na memória.

 

Mas o que mais me encantou foi o farol da Barra que tantas vezes vi de fora, mas que a mira do repórter fotográfico me levou a visitar por dentro, um farol cujos 271 degraus da escada em caracol foram subidos a pé por alguns dos turistas, embora já exista elevador que a câmara nos mostrou em projecção ascendente, além do vasto panorama da praia a perder de vista, que do cimo se avista.

 

É pois, em lembrança de um outrora de juventude ainda, em que, não sobrecarregada com os afazeres maternos, embora já com as canseiras da sua preparação, nos passeávamos por vezes até à Barra e Costa Nova, admirando o mais alto farol português, apenas do exterior, a inexistência de elevador impedindo uma subida a dois, o meu Ricardo acompanhando por dentro ambições de viagens e passeios que felizmente ele vai concretizando modestamente mas com o encanto da sua liberdade – é, pois em lembrança desse passado, que revejo num programa da televisão francesa, que transcrevo da Internet os dados sobre o Farol da Barra, embora tenha lido noutro texto que é o segundo maior da Península Ibérica, ao contrário do que vem neste, que o aponta como primeiro:

 

Farol de Aveiro na praia da Barra

 

O Farol da Barra é o mais alto de Portugal e da Península Ibérica.

 

Construído entre 1885 – 1893, foi projectado por um autodidacta que levou de vencida os onze engenheiros que apresentaram plantas e maquetas.  

 

O farol da Barra, custou na altura, a quantia de 51 contos aos cofres do estado.

 

A escadaria é composta por dois sectores: o primeiro, com 271 degraus, é uma escada em pedra, em forma de caracol; o segundo, é uma escada metálica, com 20 degraus (actualmente com elevador).

 

O cilindro tem de altura 44,5 metros, situando-se o foco luminoso a 62 metros, permitindo-lhe projectar os raios de luz a cerca de 60 quilómetros de distância, interceptando os faróis da Figueira da Foz e de Leça da Palmeira.

 

A sua inauguração foi levada a cabo por Bernardino Machado em 1893, então ministro das Obras Públicas, quando este visitou demoradamente a região.

 

Esta notável obra do século passado, erguida à entrada da barra, passou a velar pela segurança da navegação que até aí não dispunha de um ponto de orientação. Sem o farol, as embarcações da época eram frequentemente atraídas para terra, devido à ilusão de afastamento, provocada por uma porção de costa muito plana com as primeiras elevações a grande distância do mar.  

 

A principal fonte luminosa era obtida por incandescência do vapor do petróleo. Só em 1950 o sistema iluminante passou a ser alimentado a energia eléctrica.

 

A principal componente do farol é a potente lâmpada, que projecta um feixe luminoso visível a 22 milhas náuticas de distância (cerca de 40 quilómetros).

 

 

 

 

Berta Brás 2.jpgBerta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D