Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CRÓNICAS DO BRASIL

Título II - Cap. 1 - Art° 5 - I

«Todos os homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações... » (Constituição brasileira)

 

Naquele tempo... o Coelho, moço de recados da maior empresa do país, chega ao trabalho e recebe do seu chefe, o Bocagrande, lágrimas de crocodilo a aflorarem, a notícia: -Seu coelho! Morreu hoje o nosso diretor presidente! Era um asno bom. O coelho reage: -Eh! Pá! Que maravilha! O chefe, espantado: -Porque você se alegra? - É uma vaga, uma vaga que se abre!

Após as convenientes funebridades logo outro asno assume as funções, e no discurso de posse afirma: "Vamos reduzir despesas para sermos mais eficientes. Ouvem-se uns apoiados, inclusive do coelho, e logo no primeiro dia surge a medida base: -Para maior eficiência, anunciada, duplicam-se os salários dos diretores. E para encolher as despesas despedem-se os funcionários não operativos. - Quem vai ser despedido? Pergunta o coelho. -Você!

No país do "faz de conta" a alegria corre solta pelas multidões! Há miséria, assaltos quotidianos, mais mortes à bala do que no Iraque, mas uma luz, uma luz forte surge no finalzinho do túnel. E não é daqueles túneis feitos sob encomenda, aliás muito bem feitos, que vão dar aos cofres dos bancos, não siô. Juízes e promotores dobram os seus salários, que já eram os maiores do país, os deputados procuram fazer o mesmo, a seguir serão os ouvidores e fiscais da receita federal, deputados estaduais, vereadores, governadores, administradores e outros contraventores e.... tchan! Tchan! Tchan! Tchan! O povo se alegra: - Vai chegar a mim! Vão dobrar os salários de todo o mundo! Vivam os gatunos e congêneres. E... viva eu que vou ter que pagar a conta!

Diz o presidente (daquela empresa...) que só pode haver investimentos e evolução social se se reduzirem as despesas gerais. Falou e disse, com muita propriedade, e como pela Constituição todos são iguais, aumentam-se os proventos dos que mandam e reduzem-se aos que obedecem.

O coelho, desempregado, cavou uma toca no morro sobranceiro à cidade e passou a viver de expedientes: assaltava vez por outra, descobriu uns fungos que deixavam os asnos doidões e começou a enriquecer com a venda desses produtos que os grandes chefes diziam ser proibidos, mas "nada viam" com os presentes que o coelho, esperto, lhes dava para se calarem.

0002sq94 Será este o morro dos coelhos?

Até que um dia, já o coelho rico, riquíssimo, decidiu enfrentar aquela cambada de asnos com as mentalidades apodrecidas, e, num abrir e fechar de olhos tomou o lugar do presidente. Coelhos, ratos e outros tantos roedores, bem como os pequenos sáurios chefes menores aplaudiram. E ele, ufano, camisa e gravata de seda, oferecidas por um marqueteiro, botou discurso também:

- O país estava no caos. Houve que tomar providências. Assim, em nome dos abandonados, desempregados e desprotegidos decidi assumir a presidência. Mas vamos ter que cortar despesas, se queremos progredir. Os asnos são todos despedidos e os coelhos, ratos, ratazanas, camungongos e até as capivaras assumem os ministérios todos. O controle aéreo, dos despassarados será da responsabilidade dos beija-flores, os únicos habilitados a voar parados e para trás.

  Pai !  Porque me abandonáste?

Um grande hurra acolheu este pronunciamento. Os animais continuam por lá circulando, cada um pensa que faz o quer, mas não faz, e as luzes no fim dos túneis, apagaram-se de vez. Sem elas a esperança... também se foi.

Rio de Janeiro, 26 de Dezembro de 2006

Francisco Gomes de Amorim

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D