Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CRÓNICAS DO BRASIL

Título II - Cap. 1 - Art° 5 - I

«Todos os homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações... » (Constituição brasileira)

 

Naquele tempo... o Coelho, moço de recados da maior empresa do país, chega ao trabalho e recebe do seu chefe, o Bocagrande, lágrimas de crocodilo a aflorarem, a notícia: -Seu coelho! Morreu hoje o nosso diretor presidente! Era um asno bom. O coelho reage: -Eh! Pá! Que maravilha! O chefe, espantado: -Porque você se alegra? - É uma vaga, uma vaga que se abre!

Após as convenientes funebridades logo outro asno assume as funções, e no discurso de posse afirma: "Vamos reduzir despesas para sermos mais eficientes. Ouvem-se uns apoiados, inclusive do coelho, e logo no primeiro dia surge a medida base: -Para maior eficiência, anunciada, duplicam-se os salários dos diretores. E para encolher as despesas despedem-se os funcionários não operativos. - Quem vai ser despedido? Pergunta o coelho. -Você!

No país do "faz de conta" a alegria corre solta pelas multidões! Há miséria, assaltos quotidianos, mais mortes à bala do que no Iraque, mas uma luz, uma luz forte surge no finalzinho do túnel. E não é daqueles túneis feitos sob encomenda, aliás muito bem feitos, que vão dar aos cofres dos bancos, não siô. Juízes e promotores dobram os seus salários, que já eram os maiores do país, os deputados procuram fazer o mesmo, a seguir serão os ouvidores e fiscais da receita federal, deputados estaduais, vereadores, governadores, administradores e outros contraventores e.... tchan! Tchan! Tchan! Tchan! O povo se alegra: - Vai chegar a mim! Vão dobrar os salários de todo o mundo! Vivam os gatunos e congêneres. E... viva eu que vou ter que pagar a conta!

Diz o presidente (daquela empresa...) que só pode haver investimentos e evolução social se se reduzirem as despesas gerais. Falou e disse, com muita propriedade, e como pela Constituição todos são iguais, aumentam-se os proventos dos que mandam e reduzem-se aos que obedecem.

O coelho, desempregado, cavou uma toca no morro sobranceiro à cidade e passou a viver de expedientes: assaltava vez por outra, descobriu uns fungos que deixavam os asnos doidões e começou a enriquecer com a venda desses produtos que os grandes chefes diziam ser proibidos, mas "nada viam" com os presentes que o coelho, esperto, lhes dava para se calarem.

0002sq94 Será este o morro dos coelhos?

Até que um dia, já o coelho rico, riquíssimo, decidiu enfrentar aquela cambada de asnos com as mentalidades apodrecidas, e, num abrir e fechar de olhos tomou o lugar do presidente. Coelhos, ratos e outros tantos roedores, bem como os pequenos sáurios chefes menores aplaudiram. E ele, ufano, camisa e gravata de seda, oferecidas por um marqueteiro, botou discurso também:

- O país estava no caos. Houve que tomar providências. Assim, em nome dos abandonados, desempregados e desprotegidos decidi assumir a presidência. Mas vamos ter que cortar despesas, se queremos progredir. Os asnos são todos despedidos e os coelhos, ratos, ratazanas, camungongos e até as capivaras assumem os ministérios todos. O controle aéreo, dos despassarados será da responsabilidade dos beija-flores, os únicos habilitados a voar parados e para trás.

  Pai !  Porque me abandonáste?

Um grande hurra acolheu este pronunciamento. Os animais continuam por lá circulando, cada um pensa que faz o quer, mas não faz, e as luzes no fim dos túneis, apagaram-se de vez. Sem elas a esperança... também se foi.

Rio de Janeiro, 26 de Dezembro de 2006

Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D