Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CRÓNICAS DO BRASIL

NO HOSPITAL DE EMERGÊNCIAS

 

 Para o médico residente ou para o estudante interno (antigo académico), estagiar na Emergência é uma verdadeira prova-de-fogo.

 

 

Sendo um hospital que, a priori,  não pode recusar atendimento, por se supor que aqueles que o procuram, ou a ele são levados,  estão em estado grave ou passando mal, muitos doentes que não conseguem consulta na rede ambulatorial buscam nesse tipo de assistência hospitalar a solução mais rápida para seus problemas de saúde.  A estes se ajuntam aqueles com doenças psico-somáticas que anseiam achar alguém que os ouça e ajude a resolver  as suas dores afetivo-emocionais. Engrossando a fila (bicha), chegam os carentes à cata de comida ou de alguma outra necessidade,  na esperança de encontrar alivio  para a fome ou o abandono que lhes impõe a família ou a sociedade. No meio desse caos, de tempos em tempos,  chegam  as ambulâncias com sirenes ansiosa e estridentes,  quebrando "a rotina de atendimento", trazendo alguma vitima de acidente, suicídio ou assassinato.

 

À falta de critérios médicos seguros e bem definidos de emergência, difíceis de avaliar, as salas de espera superlotam com acompanhantes e pessoas mais ou menos doentes que tumultuam o atendimento, dificultando a identificação com a pronta assistência aos pacientes  em estado grave,   e estressando com sobrecarga de trabalho a equipe de enfermeiros e médicos atendentes.

 

Quando chega a hora do Estágio no P.S, lá vai o estudante de maleta preta e roupinha branca, impecável, pela mãe orgulhosa lavada, com o coração a mil, antevendo as dificuldades e os sofrimentos que irá enfrentar. No hospital, o Staff vê com alívio e alegria o académico chegar. Prestativo, ansioso para aprender e socorrer o mundo, ele irá atender e trabalhar, como um escravo, quase sem descanso e sem muitas explicações, porque o tempo não dá, dentro de um esquema mais ou menos pré-determinado para este ou aquele problema que  não vai lhe  trazer muitos conhecimentos académicos, mas que com certeza vai iniciá-lo e prepará-lo nas habilidades de diagnosticar e tratar com rapidez uma emergência.

 

Nos grandes hospitais que têm Pronto-Socorro, os estudantes e médicos residentes são lotados em plantões diários, com horários pré-fixados,  nas salas de atendimento ( salas de mulheres, de homens e de crianças), sendo que cada sector apresenta um grupo de profissionais experientes que, respondendo pela equipe, supervisiona e ajuda os mais novos nas dificuldades e nos casos verdadeiramente emergenciais. É um aprendizado essencial, básico, quase sem palavras, onde o interno aprende vendo, acompanhando e repetindo o profissional mais velho, nos passos e atitudes,  como o elefantinho com a mãe,  no difícil atendimento de urgência. É uma tarefa desgastante, que exige conhecimento, vitalidade, controle emocional e rapidez com acções precisas e coordenadas na arte do pronto-atendimento.  

 0004dees Afinal, a vida dos médicos brasileiros é igual à dos médicos portugueses. Somos de facto uma Nação.

 Passados mais ou menos dois anos, em esquema de plantão semanal, quando o interno ou o médico residente está pronto, está na hora de partir para outras etapas da vida profissional. Para os que ficam,  o staff, a preocupação é acabar com as intermináveis filas, esvaziar as salas de espera do P.S,  para poderem atender com tranquilidade, junto com o novo grupo de académicos que vai se apresentar,  aqueles que vão chegar em carros ou ambulâncias, em estado grave, enquanto nos corredores os alto-falantes continuam na sua missão de solicitação:" Dr. Fulano de Tal, por favor comparecer à sala de crianças, COM URGÊNCIA"!  

 

Hoje em dia, nas grandes cidades, a Emergência tornou-se uma especialidade médica cada vez mais solicitada pelas crescentes necessidades que a violência e a superpopulação produzem.  O salvamento começa com a rapidez e competência das equipes de paramédicos (em geral estudantes e bombeiros bem treinados) que com coragem e técnica dão os primeiros socorros. Os hospitais por sua vez deveriam ter espaço, tranquilidade, organização e equipe descansada e aparelhada para o pronto atendimento, coisa que  nós brasileiros só conhecemos o contrário, com raras excepções, por falta de investimento político numa estrutura pública hospitalar adequada e pela abundância de carências  de uma população sob todos os aspectos empobrecida.

 

Uberaba, 26 de Novembro de 2006

 

Maria Eduarda Fagundes

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D