Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CRÓNICAS DO BRASIL

O QUE SE VÊ NA TV

 

 

Não se sabe bem porquê, se por falta de imaginação, cultura ou por oculta intenção, o que mais se vê nos canais abertos da  televisão, em horários impróprios para crianças, compartilhados com adultos, são  programas que exploram a miséria, a violência, a amoralidade, o sexo, o grotesco, seja através de programas ao vivo ou  gravados, novelas, filmes e noticiários, com raras e boas excepções.

 Afinal, a quem compete a definição de valores a incutir na juventude? Aos Pais e Avós ou às TV's tanto públicas como privadas?

 

A necessidade de atingir níveis altos de audiência, de marcar pontos estatísticos no IBOPE (1), quase sempre leva esse tipo de veículo de comunicação, que deveria estar voltado não só para a diversão e divulgação como para a informação e educação do povo, a explorar o vulgar, meio mais rápido e eficiente de atingir as camadas populares. Mesmo quando tenta passar alguma mensagem educadora e moralizadora, a TV usa subterfúgios que sublimam e dificultam a interpretação e a distinção do telespectador entre o sensível e o pornográfico, entre o anómalo e o grotesco, entre o imoral e o amoral, entre o real e o imaginável, propiciando um estado de avaliação letárgico onde o individuo, apático,  literalmente "engole" a mensagem sem "filtrá-la".

 

A propaganda, apesar de inteligente, usa e abusa dos chavões e dos padrões estéticos e morais actuais, às  vezes de gosto duvidoso, mas sempre embasada em pesquisa de  mercado, com a finalidade de atingir o maior número de pessoas, com interesse económico-comercial focado sobre o produto ou empreendimento veiculado.

 

A TV deveria ter como únicas finalidades informar de maneira imparcial e divertir de uma forma educada e cultural a população. Mas o que  percebemos são manipulações dessa força de comunicação que, submetida a diversos e até ocultos interesses, desinformam, deformam palavras e ideias, deturpam valores, idiotizam mentes, para ter sobre a população uma forma hipnótica e mássica de poder.

 

Esse tipo de veículo de comunicação acabou com o diálogo, principalmente entre as pessoas da  família que em seus quartos, em frente às  suas TV’s privadas ou nas salas, diante de uma TV comum, mudas, absortas nas imagens e monólogos mostrados, só se apercebem umas das outras ou se falam nos intervalos dos comerciais, dando suas impressões, em geral limitadas por uma cultura universal televisiva já inculcada.

 

À falta (intencional ou não) de programas instrutivos,  editados de maneira livre, saborosa, atractiva e  assimilável, que prendam a atenção e o interesse da juventude e do público, instruindo-os de uma maneira geral, vemos com preocupação na TV uma leitura de poder manipulador, que se coloca como um TOTEM acima do bem e do mal, ditando as suas próprias regras, fazendo as "cabeças" de uma nova geração.

 

Uberaba, Novembro de 2006

 

Maria Eduarda Fagundes

 

 

(1) - Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística  

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D