Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CRÓNICAS DO BRASIL

MUITO  INDECENTE

 Teresa Gomes contracenando com ...(?)

Da grande atriz de teatro Teresa Gomes, em Portugal, com uma graça imensa e seu imbatível ar de gozação:

 

                                                                      Saquilo cagente sente

                                                                      Cá dentro tivesse voz

                                                                      E falasse às multidões!...

                                                                      Seria  MUITO  indecente

                                                                      Estar alguém ao pé de nós

                                                                      Em certas ocasiões.

É verdade. Quantas vezes nos obrigam a calar o bico para «deixar a banda passar»!

Nestas abençoadas terras brasilienses acabámos há pouco de assistir a um espantoso diálogo de surdos-mudos: a campanha eleitoral, com especial destaque na segunda parte.

Um candidato, com um tremendo carisma popular e com um também tremendo histórico de inépcia e corrupção nas costas, enfrentando um pseudo alquimista desconhecido, sem capacidade de aparente liderança, confiado na rejeição do oponente para a sua vitória, nunca apresentando aos eleitores alternativas convincentes de governo, e sem se atrever a falar às multidões, abertamente, no somatório de leviandades e roubalheira (porque não usar as palavras certas?) a que o país assistiu nos últimos quatro anos.

Tanto nas declarações publicadas em jornais, como nos diálogos televisionados, o resultado do confronto sempre acabava por um zero-a-zero! Nenhum metia golos!

E o povo à espera de ver acontecer algo porque anseia há dezanos, mesmo há séculos: a vitória da seriedade, competência, ética. E os órgãos de informação continuando a mostrar-nos o desgoverno, permanente.

Há ditados antigos que nos dizem que o silêncio é de ouro, mas há quem ache que «o silêncio é a arma e a virtude dos fracos».

Dependendo da ocasião ambos poderão estar certos, mas fica muito difícil calar quando se está no meio de tanto injustiça, tanto descaso, tanta vergonha.

Devemos ficar calados quando, por exemplo, só 4% dos políticos e comparsas da ladroeira dos últimos meses permanecem presos? Os outros 96%, quase 500 indivíduos, por aí vagueiam, ricos, pavoneando-se, uns tendo conseguido reeleger-se deputados e até senadores, e nós à espera, à espera de... de que? de ver a justiça tomar providências, e trancafiar na jaula dos inimigos da sociedade tal escumalha.

 «Tomai cuidado com os doutores da lei que fazem questão de andar com roupas vistosas, de ser saudados nas praças públicas; de ocupar as primeiras cadeiras e os lugares de  honra nos banquetes. Eles devoram os bens da viúva* fingindo fazer grandes orações. Por  isso sofrerão a mais rigorosa condenação». Diz o Senhor, Mc 12, 38

Mesmo que pareça muito indecente, o melhor é seguir também nas pisadas do grande mestre Camões:

"Cantando espalharei por toda a parte..."

 

* também o Estado!

Rio de Janeiro, 11 de Novembro de 2006 - Dia de São Martinho

Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D