Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

OS CAMINHOS DA FÉ

 O Livro

1. As reflexões de Bento XVI em Regensburg, sob o título “Fé, Razão e Universidade”, são notáveis, não tanto pelo que revelam, mas por terem sido feitas por quem foram. Creio que, por uma vez, um Papa do nosso tempo veio a público expor o que pensa sobre o fenómeno religioso – e não só sobre a religião cristã – oferecendo-se à crítica e ao debate, longe da sombra protectora das “verdades de fé”.

Tenho para mim que Bento XVI – ao basear estas suas reflexões num juízo escrito por alguém que tinha à porta a ameaça, não religiosa, não filosófica, mas chãmente militar, do Islão – foi, apenas, inoportuno. E inoportuno porque daria, como deu, argumentos vários a fundamentalismos vários de quadrantes vários, sabendo que não iria obter nada de substancial em retorno. O que ninguém poderá negar é que esse mesmo juízo tem acompanhado o pensamento europeu ocidental desde que os muslim (os que seguem o Profeta) começaram a disputar-lhe territórios e vidas.

Como não discuti-lo, pois, ainda que isso nos lance uns contra outros? Só que, finada a fé marxista, uma tal discussão está fatalmente circunscrita às religiões do Livro – porque, hoje em dia, só elas são militantes, como militante era o marxismo. E é aqui que talvez resida o nó do problema: não na substância, mas na militância que todas elas apregoam, incentivam e louvam por ser “o” caminho certo para levar de vencida a lei da morte.

2. Ao comentar as palavras de Bento XVI, Miguel Sousa Tavares (Expresso) não escapa, ele próprio, ao apelo do “pensamento correcto” – afinal uma outra forma de militância. Desde logo, quando esquece Bartolomeo de las Casas, e tantos outros menos conhecidos, nos primeiros e trágicos dias da conquista do Novo Mundo. O simples facto da voz do bom freire ter sido silenciada não deve silenciar em nós a sua memória. Seguidamente, quando coloca no mesmo saco a pílula, o direito ao aborto, a eutanásia e a ciência, como se tudo isso partilhasse uma mesma categoria lógica. Quem defende o primado tolerante da Razão não pode ser tão tosco na manipulação dos conceitos!

3. Por estranho que pareça, a história do Cristianismo é, quanto a isto, exemplar – na exacta medida em que nos ajuda a perceber os trajectos históricos das outras duas religiões bíblicas.

“Honrar a Deus” e “amar o próximo” são os mandamentos comuns às três religiões. Mas divergem elas sobre o que entender por “próximo”. Para o Cristianismo, graças à inspiração genial de S. Paulo, o próximo é “o outro”, qualquer “outro” – ideia que, ao longo dos séculos, tem vindo a derrubar sucessivos (pre)conceitos culturais. Para as outras duas religiões, porém, o próximo é só aquele que connosco partilha a mesma forma de honrar a Deus – o que é dizer, a mesma fé.

Divergências semelhantes sobre a ideia de Deus afastam-nas ainda mais umas das outras. E se olharmos desapaixonadamente para o que nos rodeia, as três religiões do Livro só têm em comum uma mesma referência histórica – que cada uma delas, aliás, lê e interpreta a seu modo: (a) para a Religião Judaica e o Islão, Deus é “Aquele que é” – e, assim assumido, sem causa nem finalidade, é inacessível à Razão; (b) para muitos cristãos, Deus é ainda “o completamente Outro” de Gabriel Marcel – tão impenetrável pela Razão quanto o anterior; (c) para Bento XVI, Deus oferece-se à Razão - não é mais “o completamente Outro”, “Aquele que é”, mas “Aquele que se revela”.

4. E, não obstante,No princípio era a Palavra (logos)...” – nisto pelo menos as três religiões do Livro concordam. Mas essa Palavra não era ainda a Revelação. Era tão-só a capacidade de distinguir, e de codificar e relacionar de maneira coerente o que se distinguia. Era, afinal, o logos capaz de pensar a ideia transcendente de Deus e de gerar o mito. Como escreveu Feuerbach, a ideia de Deus, goste-se ou não, é ainda uma categoria do pensamento, tem as suas raízes na mente e, por consequência, fica tão contingente e datada como qualquer outro pensamento (“não é Deus que criou o Homem à imagem e semelhança de Deus; é o Homem que cria Deus à imagem e semelhança do Homem). Por isso, sem a tese da Revelação tão cara a Bento XVI, o Deus transcendente, tal como o Deus de Feuerbach, é apenas a ideia do invisível que está ao alcance de cada um criar e recriar conforme melhor se lhe ofereça. Neste contexto, como estranhar que as religiões do Deus transcendente sejam também as religiões de uma ideia de Deus de sentido único, em que o mito é permanentemente imposto ao colectivo dos crentes como acto de fé, o santo e a senha dos que a elas dizem pertencer?

Pela teoria da Revelação, Deus não é mais uma ideia construída a partir de determinadas referências abstractas que dão corpo a uma fé – é, sim, uma experiência, uma realidade a apreender. Talvez Bento XVI não se tenha apercebido de que, ao defender isto, não se limita a reconciliar a ideia de Deus com a Razão. Está também a remover a fé para o terreno mais escorregadio da exegese dos vestígios de uma realidade revelada; está a tirar de cena os depositários das referências que dão forma a uma ideia de Deus que exclui o livre pensar; está a esvaziar, em suma, as razões que justificam uma hierarquia religiosa, a separação entre ungidos e simples crentes. Mas Carreira das Neves (Expresso) apercebeu-se, e por isso escreve: “ (...) o Papa terá que perceber que a sua voz e o seu logos já não pertencem mais aos meios académicos (...)”. Ou seja, não é possível manter uma Igreja, com a sua fé e as suas hierarquias vigilantes, e dar livre curso à Razão.

5. O que não cessa de me surpreender é o facto de as três religiões do Livro se organizarem segundo linhas mestras em tudo idênticas: “honrar a Deus” na esfera pública; “amar o próximo” no recato das consciências individuais (apesar de o Islão, inovador neste ponto, impor a conduta ostensivamente pública da esmola ritual).

Que assim tenha acontecido no Cristianismo, é algo que ficou registado na História com enorme clareza. Constantino via que o Império se esfarelava, que tinha de o manter unido – coisa que, sabia ele também, não estava mais ao alcance, nem das suas legiões, nem do seu aparelho administrativo-fiscal. Faltava-lhe uma ideia que congregasse e condicionasse, sem esforço nem custo, as mentes dos seus súbditos; que, aceite, não imposta, se propagasse espontaneamente entre eles; que fixasse um único referencial de valores sobre os quais ele, Constantino, iria refundar o seu poder. Faltava-lhe uma religião – e teve-a.

Era a parte pública da religião que interessava Constantino. Foi uma religião pública, à maneira imperial, que a incipiente hierarquia cristã lhe ofereceu. De novo o ritual iria pôr à prova os vínculos de pertença e, por aí, reforçar a coesão político-social. De novo o poder se afirmaria defensor último de ideias, mitos e preceitos que a generalidade dos súbditos reconhecia e prezava. De novo uma hierarquia religiosa apareceria a alicerçar a polis, conferindo-lhe estabilidade e recebendo em troca o seu quinhão de poder.

Ainda hoje é evidente que o poder temporal carece da teatralidade dos rituais, e da estupefacção que causa. Mas, por mais voltas que se dê, não é fácil teatralizar o acto de “amar o próximo” – posto que, nele, natureza humana, espaço e tempo se confundem. “Honrar a Deus”, sim, sempre foi terreno fértil para rituais de onde facilmente emerge um outro logos insusceptível de ser reduzido ao logos dos não-iniciados – e, por isso mesmo, capaz de gerar uma hierarquia.

Uma pergunta se impõe, então: como seriam as coisas se as religiões do Livro, todas elas, tivessem remetido para o foro íntimo o 1º mandamento, e trazido para a esfera pública o 2º mandamento?

6. Tal como o Islão, também o Cristianismo conheceu cismas, movimentos purificadores e lutas fratricidas (o facto de o Judaísmo ter sido mantido longe do poder poupou-o a muitos destes tormentos, mas não a tantos outros). Contrariamente às sociedades islâmicas, porém, as sociedades cristãs europeias cedo propenderam para manter em águas separadas poder religioso e poder temporal, conferindo a cada um a sua hierarquia (não sei dizer porquê, mas foi assim). Na Europa, a derrota que a concepção absolutista do Estado infligiu ao poder temporal do papado foi, até melhor ver, definitiva – mas, excepção feita à monarquia inglesa, não tão profunda que animasse os Estados a chamarem a eles, também, o modo como o 1º mandamento deveria ser vivido.

O Judaísmo, destruída Jerusalém, só agora, num pequeno pedaço do Médio Oriente, dispõe de poder temporal bastante (o que não facilita a resolução dos problemas que por lá se vivem). O Islamismo sempre o possuiu, proclamando embora que ele só se justifica enquanto defensor dos crentes (muslim) – o que é dizer, enquanto instrumento do Islão. Na Europa, e nas restantes sociedades de matriz ocidental, o poder temporal é agora laico, afirma-se equidistante de todas as religiões e com isso remete o 1º mandamento para a esfera privada. Que Bento XVI me perdoe, mas, nestas circunstâncias, não vejo como a Razão possa, alguma vez, chegar a re-unir as três religiões do Livro.

Lisboa, Setembro de 2006

 

A. Palhinha Machado

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D