Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

COM A PALAVRA, O PROFESSOR

 

  

              

Os principais motivos da crise da educação brasileira:

 

- Os equívocos das políticas governamentais

- A negligência em relação ao ensino fundamental

- O descuido quanto à qualidade

 

 As consequências desse conjunto de problemas são patentes em dados assustadores, que podem ser resumidos numa constatação:

 

  • Os estudantes brasileiros concluem os oito anos do ensino fundamental e os três do ensino médio lendo sofrivelmente e sem domínio da linguagem matemática básica.

 

Uma realidade que acentua o abismo entre o padrão educacional do Brasil e o que exige no resto do mundo.

 

Na avaliação internacional feita pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico em 41 países em 2OO3, a Coreia alcançou o terceiro lugar em matemática e o quarto em ciências, enquanto o Brasil ocupou a última e a penúltima colocações nas duas matérias.

 

Os professores, hoje, são reféns de uma realidade que lhes é amplamente desfavorável. Espera-se deles, muito mais do que é possível realizar nas actuais condições das escolas, algo que, aliás, não foi levado em conta em nenhuma mudança na política educacional feita nos últimos trinta anos. A formação dos docentes é deficiente - algo que admitem com sinceridade impressionante; sua remuneração insuficiente para atender a contento às várias demandas da mais que necessária modernização do ensino, uma vez que obriga a maioria a trabalhar em mais de um colégio. O livro também traz uma série de ideias recorrentes que se impõem no quotidiano da sala de aula, tornando o professor um bode expiatório das mazelas do ensino. Há a supervalorização do relacionamento professor-aluno, a ponto de se considerar incompetente quem "simplesmente" se preocupa com o conteúdo da matéria.

 

A progressão continuada, sistema que prevê reprovação nos quatro primeiros anos do ensino fundamental (e é adoptado em toda rede pública), exigiria carga horária maior, professores com tempo para se dedicar a avaliações mais frequentes e escolas com estrutura para amparar os alunos com dificuldades. Como a medida foi implantada sem nenhum desses pré-requisitos, um número elevado de alunos passa pelos quatro primeiros anos da escola sem aprender a escrever direito ou interpretar um texto. A cobrança recai sobre o professor, uma vez que o aluno sai da escola sem os instrumentos básicos  para prosseguir sua formação e tornar-se um profissional capaz de conseguir espaço no mercado de trabalho. É evidente que ele não tem como ser a favor dessa medida. 95% dos professores são contrários à progressão continuada. Para eles a mudança para a progressão continuada só tem sentido se o aluno tiver garantida a melhoria na qualidade do ensino. Outros acham que a qualidade do ensino vai piorar.

 

 

Dia 15 de Outubro, dia do professor

Tem outra parte.

Therezinha B. de Figueiredo

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D