Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CURTINHAS XX

    Quem adivinha o futuro? Eis a questão

FEIRA DE ENGANOS

v     “Capitalização é que é!” dizem, com ênfase, os entendidos. Será. Mas, neste contexto, “capitalização” significa, de um golpe, duas coisas completamente distintas: (a) que há que pôr fim ao regime de benefício definido nas pensões pagas pela Segurança Social; (b) que os mercados financeiros podem proporcionar acréscimos de rendimento real, seja qual for o prazo.

v     Esta última afirmação, até melhor prova, não passa de uma profissão de fé (a que voltarei na próxima “Curtinha”).

v     A primeira afirmação, essa, é eminentemente política, dado que tem a ver com o modo como os cidadãos querem as suas sociedades organizadas para atender à velhice. E as alternativas, hélàs! não são assim tantas: (a) ou o pensionista pode contar com um rendimento periódico certo, mas fica a interrogação de como financiar, hoje, esses rendimentos futuros (regime de subsídio definido); (b) ou o financiador sabe, hoje, quanto terá de desembolsar, mas o beneficiário nunca poderá estar seguro sobre a pensão que vai receber (regime de contribuição definida).

v     Em suma, alguém terá de suportar as inevitáveis consequências da incerteza face ao futuro.

v     No regime de benefício definido difícil, difícil mesmo, é encontrar financiamento para uma obrigação firme e de valor certo. E, uma de duas: (a) ou a entidade sobre a qual essa obrigação recai dispõe de uma tesouraria igualmente certa (o que é dizer, protegida do risco, seja ele qual for) e suficientemente provida, hoje, amanhã e sempre – e, então, todos estão de parabéns; (b) ou não – e, nesse caso, mesmo que a pensão seja, agora, uma parcela insignificante da tesouraria que a suportará, ninguém de boa fé poderá garantir que ela continue a ser paga pontualmente e por inteiro.

v     Por isso é que o regime de benefício definido, quando universal, é um regime de redistribuição (recolhe fundos aqui, para entregá-los acolá) que não pode dispensar o OGE (onde encontrar outra tesouraria de igual dimensão e livre de risco?). E, sem o conforto dos impostos, só será viável quando o financiador for uma entidade de natureza absolutamente excepcional (como o Banco de Portugal, por exemplo) - e, mesmo assim, terá de ser limitado a um número muito reduzido de beneficiários (alguns Bancos portugueses estão a aprender isto à sua própria custa).

v     Mas, contrariamente ao que por aí se diz, o busílis do regime de benefício definido (com ou sem redistribuição) está no facto de tratar o direito à pensão como um direito firme. Fosse ele contingente (isto é, exigível, qual seguro, só quando o rendimento individual caísse abaixo de um dado nível, e apenas pelo montante necessário para repor esse nível) e o esforço do financiador seria, obviamente, menor.

v     Dito de outro modo, o regime de benefício definido é mais praticável quando concebido como um seguro contra quebras de rendimento individual (uma espécie de complemento de solidariedade social), sem prejuízo de acolher diversos níveis de exercício consoante o prémio pago.

v     Agora, se o grosso das pensões pagas provier da redistribuição de verbas transferidas do OGE, só esta variante do seguro (ou seja, a pensão, enquanto direito contingente) respeita o princípio da equidade.

v     A reformulação do regime de benefício definido como um seguro de rendimento tem a apreciável vantagem de permitir a dispersão do risco por vários resseguradores – criando assim um mercado. Arrasta, porém, o inconveniente de ser especialmente vulnerável a comportamentos oportunistas (ocultam-se fontes de rendimento para se receber sempre uma pensão), o que vai exigir um mecanismo de verificação de rendimentos que pode chegar a ser bastante pesado, com os consequentes custos de intermediação. (continua)

Lisboa, Setembro de 2006

 

A. PALHINHA MACHADO

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D