Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CRÓNICA DO BRASIL

A coleira do demo

 

Nos antigamentes, Idade Média, em muitas igrejas representava-se o demônio na figura de um macaco. Em esculturas várias e nos capitéis, sempre o macaco está preso por uma coleira bem apertada no pescoço. O macaco simbolizava o demo, pela sua feiúra e semelhança com os homens e pelas "macaquices" que fazia (coitados dos macacos!), o aperto da coleira seria para o impedir de falar e conquistar almas para o seu inferninho ardente, onde a vida eterna é um "pan... demônio"!

Não aparece em gárgulas porque, para escoarem as águas das chuvas... tinham que abrir a goela!

Os tempos evoluíram, o padre Teillard de Chardin, um grande cientista, ajudou a confirmar a verdade da evolução das espécies e o Papa João Paulo II acabou com o tal obscurantismo de vez, afirmando que a evolução é uma ciência exata, e os simpáticos primatas saíram dessa representação demoníaca para serem considerados como os "nossos parentes mais próximos".

Nem toda a gente aceita esta idéia; há quem continue a pregar e considerar que descendemos de Adão e Eva e assim o homem só terá aparecido na terra uns quatro ou cinco mil anos atrás, somados os anos de vida que a Bíblia indica para os descentes do nosso pseudo vovôzinho primeiro. Enfim...

Hoje pouco se fala já em demônio; só quando alguns pastores procuram reverter o dinheiro gasto por pobres ovelhas em extras da dura vida, para os cofres das suas igrejas comerciais. Aí o demônio, para quem o não fizer, ameaça mais do que os macacos da Idade Média!

Bons tempos esses, medievais, quando se apertava a goela dos desbocados e muito menos besteira chegava aos ouvidos do povo. Palavras tais como roubar, corromper, matar, desgovernar e outras similares não atravessavam as cordas vocais! Não havia nem necessidade de escutas telefônicas! Nem de sermos obrigados a assistir a esta pseudocampanha eleitoral em que só se ouve vergonha!

  Macaquices diabólicas ou politiquices amacacadas?

Bons tempos... quando o homem culpado de homicídio era condenado a ser enterrado vivo debaixo da sua vítima, e o ladrão obrigado a indenizar a vítima no dobro, além de pagar uma multa de sete vezes o valor roubado.

E quem julgava e condenava não era o rei ou o senhor das terras, mas o concelho, composto dos homens bons, os homens livres!

Fiquem imaginando: 50.000 homicídios por ano no Brasil = 50.000 covas com 100.000 corpos dentro, e a "res publica" a receber duas mais sete vezes o valor roubado pelos mensalões, os sanguessugas, os anões, os... os... os... Êta paísinho rico!

Não são leis que estão faltando no país, ou quem as faça cumprir.

O que falta mesmo são coleiras. Apertadas.

 

Rio de Janeiro, 13 de Setembro de  2006

Francisco Gomes de Amorim

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D