Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

DO LADO DE CÁ

Do lado de cá pensamos pelas nossas próprias cabeças mas não negamos um conjunto de princípios em que fomos educados e que enformam genericamente os nossos raciocínios.

 

Ao conjunto desses princípios chamamos, do lado de cá, civilização ocidental, de base eminentemente greco-romana e judaico-cristã mesmo quando agnosticada; aos outros conjuntos de princípios genéricos chamamos civilização árabe, budista, hindu, maori, etc. e todos esses se situam noutros lados que não no de cá, no nosso.

 

Cada sociedade foi ao longo dos séculos lidando consigo própria e – empunhando umas mais que outras a divina espada como instrumento de fidelização das gentes – construindo o respectivo Código de Conduta. E, de facto, todos temos a orientação comportamental como algo de fundamental para enquadramento das vontades imanentes de cabeças mais ou menos serenas. Assim foi que cada civilização foi estabelecendo a sua própria fronteira entre dois conceitos universais mas de contornos particulares: o bem e o mal.

 

Mas há pedras no caminho e nós, na Civilização Ocidental, também tropeçámos nalgumas. Foi há bem pouco tempo que nos esfarrapámos contra esses dois escolhos civilizacionais que deram pelos nomes de Hitler e Estaline mas – porque tínhamos uma base comportamental consolidada – conseguimos regressar à normalidade com alguma rapidez, pesem embora os milhões de mortos que ficaram nas bermas da estrada. Quase esquecemos entretanto quem nos pôs esses obstáculos no caminho, Chamberlain e Kerensky, duas personalidades que claramente não estiveram à altura do que delas a História pedia. É que tanto um como outro lidaram com os adversários com a lhaneza em que haviam sido educados sem repararem que não se tratava de adversários mas sim de inimigos. E do lado de cá, há uma diferença fundamental entre adversários e inimigos: o adversário deve ser derrotado; o inimigo deve ser destruído.

 

E porque é que um e outro não estiveram à altura? Porque pactuaram com o contrário. Porque não notaram – ou deram por irrelevante – que as regras de conduta estavam postas em causa, que o padrão civilizacional estava à beira da ruptura. E quase rompeu: o rasgão de Hitler demorou 13 anos a consertar mas o de Estaline (e de seu “padrinho” Lenine) demorou 70 anos a remendar e é claro que ambos deixaram sequelas. E se pela primeira vez na História, em Nuremberga se julgaram os crimes do nazismo ao abrigo do Direito Natural, já os crimes do comunismo apenas ficaram registados “para memória futura” . . .

 

Um dos conceitos que no Ocidente temos como fundamental é o do respeito pela vida humana. A sacralização da vida faz parte da essência do nosso Código de Conduta; o seu respeito nem sempre tem sido cumprido com a pureza que um pilar básico civilizacional exige mas por isso é que existem as punições pelas infracções cometidas, compiladas nos vários Códigos Penais que cada Nação vai produzindo. Mais: durante muito tempo, quem atentasse contra a própria vida e consumasse o acto, não tinha direito a funeral católico.

 

Como forma de defesa da sacralização da vida, inventámos a carreira militar à qual só se teria acesso com base no voluntariado uma vez que se tratava de uma actividade em que a vida sempre estaria em risco; e por isso é que o Serviço Militar Obrigatório é uma aberração civilizacional a que as Nações só devem recorrer em situações de perigo extremo e – de preferência, se para isso houver tempo – com base numa decisão democrática claramente maioritária.

 

Militar tem, portanto, a missão de combater o inimigo externo à sua Nação pondo em risco a sua própria vida. Por isso mesmo, ele próprio e respectiva família auferem de um estatuto de protecção especial mais favorável do que o disponibilizado aos civis: se ao militar a Nação exige a disponibilidade da vida, a Nação protege o militar para além da vida.

 

Mas militar luta contra militar sem civis de permeio pois isso significaria pôr o seu próprio estatuto em causa. Do lado de cá, é cobardia um homem esconder-se por trás de outro para se encobrir do inimigo. Por maioria de razão, na civilização greco-romana-judaico-cristã, é uma aberração um homem esconder-se por trás de mulheres e crianças. Mais: isso confere-lhe o estatuto de aberrante e ignóbil cobarde.

 

Eis agora que chegámos a uma situação em que Israel é mais uma vez posto em causa pelos seus inimigos mas com a diferença fundamental relativamente às guerras anteriores de que, desta vez, o inimigo se esconde por trás de mulheres e crianças. Dá para recordar a expressão de Mao Tsé Tung quando ele dizia que “o povo é o estrume em que fermenta a revolução”. Sim, esse também não tinha nada de poético e pasmo quando noto muitos jornalistas europeus encarniçados contra Israel porque bombardeiam mulheres e crianças. E pasmo quando o silêncio jornalístico se faz ao saber-se que o refúgio dessas mulheres e crianças em Canaã era um arsenal de rockets do Hezbollah e que os Capacetes Azuis bombardeados e mortos por Israel estavam reféns dos muçulmanos que deles se serviam como um escudo humano com martírio de propaganda eficaz. E pasmo que esses jornalistas não reparem que o que está em causa é a Civilização Ocidental a que eles próprios pertencem. Mas noto que essa gente noticiadeira é muito sanguinária e que só querem é sangue e mais sangue. Autênticos vampiros, querem à viva força filmar criancinhas muçulmanas desgrenhadas e, de preferência, despedaçadas e correm a trás dos acontecimentos sem notarem que lhes estão a impingir propaganda de quem faz o mal e a caramunha. É que se, para nós, a vida humana é sagrada, para os actuais muçulmanos o povo é o estrume em que fermenta a revolta de Allah.

 

Apetece-me notar que, sendo os israelitas amigos dos americanos, a esquerda europeia continua com o tique soviético de combate ao poderio americano e, portanto, põe-se do lado de quem o afronta sem olhar a meios para alcançar esse fim. E como na nossa Civilização, a Ocidental, os fins não justificam os meios, esses nostálgicos da Guerra-fria cometem mais um adultério ao lidarem com um princípio estranho à nossa moral. E também é estranho que não tenham ainda notado que estão a fazer um favor a Mrs Hillary Clinton na sua pré-campanha para a Casa Branca, do mesmo se encarregando alguma plêiade democrata americana que critica tudo o que seja feito pela actual Administração e só pelo facto de ser ela a fazer: lembro-me de Joseph Stieglitz, Nobel da Economia em 2001, que vem escrevendo coisas que em tempo de guerra o poderiam incriminar. Felizmente para ele, os EUA não vivem actualmente num regime de guerra declarada.

 

Bem sei que americanos e judeus não são flores de cheiro mas também sei que os que se lhes opõem cheiram mal.

 

E para que não restem dúvidas, informo os meus leitores de que – tanto quanto a memória familiar regista – não tenho ascendência judia pelo que o apoio que moralmente dou a Israel na sua luta pela sobrevivência tem tudo a ver com o meu posicionamento na Civilização Ocidental de raiz greco-romana-judaico-cristã. Mais: enquanto forem os judeus e os americanos a assegurarem a defesa militar do Ocidente contra os muçulmanos que querem retomar o Al Andaluz e por certo também o Algarve de aquém-mar por onde mandaram até que o nosso rei D. Afonso III o conquistou, eu posso tranquilamente continuar do lado de cá a passar férias em Tavira e a escrevinhar estas coisas.

 

Sim, tudo isto tem como objectivo pôr em causa a Civilização Ocidental, tudo visa à expulsão judaica da Palestina e, no limite, à reconquista do sul da Península Ibérica.

 

Não tivessem todas estas confusões a ver com a nossa Nação e não gastaria eu um minuto com uma guerra que já dura desde os tempos bíblicos. E tudo pela causa original do pastoreio dumas cabras famélicas . . .

 

Tavira, Agosto de 2006

 

Henrique Salles da Fonseca

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D