Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ALI BABA E OS . . .

 Imagine-se o Parque Meyer com as suas pequenas casas de rés-do-chão e primeiro andar semelhantes às dos cenários das Revistas à Portuguesa, com recheio de comerciantes da Feira do Relógio em dia de S. Martinho na Feira da Golegã. Quem conseguir fundir estas imagens, percebe o que é o Souk de Marraquexe. Mais: a Praça Djemaa El-Fna pode fingir ser o Arneiro da nossa Feira do Cavalo pois é por lá que todos passam mesmo que lá não tenham nada que fazer.

 

Aportuguesado o cenário, passemos a coisas mais reais.

 

Marraquexe tem cerca de um milhão e meio de residentes e como o nome da cidade significa “passa depressa”, consta que há mais um milhão de passantes em permanente movimento.  Pintada de ocre e de vários tons de rosa, a cidade nova tem um urbanismo de fazer inveja a quem não tenha tanto espaço mas em compensação a parte antiga assemelha-se a linha metida em bolso e é aconselhável fazermo-nos acompanhar de Guia que de preferência nos indique e explique os locais a visitar.

 

E se acerca da cidade nova nada de muito especial tenho para dizer, já da parte antiga me ocorre referir a opacidade do mercado que por ali se faz.

 

Recordemos o princípio fundamental: diz-se que um mercado é transparente quando todas as pessoas em qualquer lugar e em qualquer momento podem saber a cotação do produto em referência. Por exemplo, aqui em Lisboa, eu posso saber o preço do algodão hoje praticado em Nova Iorque porque o produto é standard e as cotações de Venda, Compra e Efectuada são publicitadas.

  No Souk de Marraquexe temos que afinar o olhar para distinguir alguma coisa no meio da confusão

No Souk de Marraquexe e na sua “porta de entrada”, a Praça Djemaa El-Fna, transacciona-se uma infinidade de quinquilharia que nem os chineses das lojas dos 300 conseguem ultrapassar e, portanto, não há uma referência para qualquer hipótese de standardização. Mas o método de formação dos preços é típico e tudo se processa sensivelmente assim:

 

  • O eventual comprador sonhou olhar para um produto? Logo o comerciante o tenta cativar da forma mais exuberante que o decoro permite em público;
  • O candidato a comprador ousa perguntar quanto custa o produto e o comerciante avança com uma exorbitância que faria qualquer europeu no seu perfeito juízo seguir caminho para outras paragens. Mas não: o potencial cliente oferece metade (ou menos) do preço inicialmente pedido;
  • A partir daqui assiste-se a uma cena extremamente dramática que nos faz crer na desgraça que o comprador quer lançar sobre toda a família do infeliz comerciante . . .
  • . . . até que, depois do cliente ter simulado várias desistências e  subido alguma coisa na oferta inicial, num repente, o comerciante faz um grande sorriso e se prontifica a fechar negócio;
  • Desaparecido num ápice o enredo dramático, faz-se a transacção e cada uma das partes passa para outra cena semelhante na mesma ou noutra banca.

 

Este método é válido para uma laranja amarga, para um pó contra o mau-olhado, um molho de coentros, um burro, uma lamparina ou para um camelo. Não andei nos transportes públicos pelo que não sei se o bilhete do autocarro tem preço negociável mas a visita à cidade numa das inúmeras caleches disponíveis dá para imaginar que de início nos querem vender a parelha de cavalos, a carripana e talvez mesmo o súbdito marroquino mão-de-rédea.

 

O raciocínio básico neste método deve ser sensivelmente assim:

 

  • Deixa cá ver se consigo enganar este “papalvo” que aqui anda às compras, pensará o vendedor;
  • Deixa cá ver se consigo “esmifrar” este especulador, pensará o comprador.

  Aínda sopesei a "mercadoria" mas não cheguei a acordo no preço

Ou seja, se assim for, o método tem uma base de desconfiança mútua, de dupla venalidade e pura especulação e não é por se desenrolar no meio de uma multidão que faz com que o mercado funcione: no quiosque ao lado pode estar a decorrer uma negociação para um produto idêntico e o preço final fechar num nível diferente. Mais: o comprador não divulga o preço que pagou com receio de passar por ingénuo; o vendedor não revela o preço que recebeu para não correr o risco de a sua própria família o considerar um perdulário.

 

Ao contrário do que se passa na nossa Feira do Relógio, não há ninguém que anuncie os preços e as bonificações (leve 50 e pague 25) ao megafone pelo que tudo aquilo não passa de um amontoado de vendedores e compradores em vez de constituir um mercado. E como parece que é assim em todo o mundo muçulmano, então vamos ter que pensar um pouco antes de tentarmos vender-lhes nem que seja um alfinete de dama.

 

Mas não faltará quem me diga: «Oh fulano, aquilo é uma civilização diferente . . .» Ao que eu respondo: «Claro, é a civilização dos companheiros do Ali Baba ! ».

 

Marraquexe, Junho de 2006

 

Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D