Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O ÓBVIO

 000048ce Francisco Gomes de Amorim

Fui há dias presenteado com um DVD. Parece coisa já não tão normal nos tempos em que o império MP3 e do iPod se vai impondo, à espera que outro equipamento ainda menor e de multiplicada capacidade os ultrapasse

Mas este DVD é especial. Não tem sexo, sugere algumas cenas de triste memória e violência, mas o que nos dá é uma forte lição de vida: “Agostinho da Silva - Um pensamento vivo”.

 George Agostinho Baptista da Silva nasceu no Porto a 13 de Fevereiro de 1906 (de família alentejana e algarvia), tendo vivido parte da sua infância em Barca de Alva, junto do rio Douro, localidade que muito o marcou. Após concluir a Licenciatura e Doutoramento em Filologia Clássica na Faculdade de Letras do Porto, frequenta a Escola Normal Superior em Lisboa, tendo recebido uma bolsa para estudar em França. De regresso a Portugal, foi colocado no Liceu de Aveiro onde recusou assinar uma declaração que o obrigava a não seguir a ideologia marxista. Tal como ensinava a liberdade de pensamento, assim procedeu, tendo sido demitido. Entre 1935 e 1944, reside em Madrid (como bolseiro) e depois em Lisboa (vivendo de aulas no ensino particular e de explicações) onde se relaciona com o grupo Seara Nova, e, posteriormente com António Sérgio. Em 1944, parte para o Brasil, onde escreve nesse mesmo ano o livro Considerações. Reside no Uruguai e Argentina, realizando trabalhos no domínio da histologia. Em 1947, regressa ao Brasil, onde ajudou a fundar universidades (afastadas, normalmente, dos grandes pólos de desenvolvimento), de estações científicas, de centros de pesquisa e intercâmbio, a par de intensa actividade pedagógica e pesquisas em entomologia e parasitologia. Em 1953, publica a sua única obra de ficção propriamente dita, Herta, Teresinha, Joan. Realiza inúmeras viagens pelo mundo, visitando países como Japão (que percorre demoradamente), Macau e Timor. Em 1969, passa a residir em Portugal, tendo sido nomeado conselheiro e consultor junto do ICALP, e ainda no Centro de Estudos da América Latina - Universidade Técnica de Lisboa. Morre em Lisboa no Hospital de S. Francisco de Xavier num domingo de Páscoa, a 3 de Abril de 1994. Entre as suas muitas obras, destacam-se: Lembranças sul-americanas; Sete cartas a um jovem filósofo; Do Agostinho em torno do Pessoa, Sentido Histórico das Civilizações Clássicas, A Religião Grega, Miguel Eyquem, Senhor de Montaigne, Considerações, Reflexão e Aproximações.

in http://homepage.esoterica.pt/~lmarcal/AgostinhodaSilva.html

O DVD conta um pouco do que foi a trajetória de vida de um Homem espantosamente culto, espantosamente simples, de pensamento sempre elevado e sempre voltado para o bem do próximo.

Mostra-nos ainda alguns trechos de entrevistas que, já no fim da vida, concedeu a diversos programas de televisão, e muitas opiniões e manifestações de carinho por inúmeros daqueles que tiveram a ventura de o conhecer.

Toda a sua vida foi uma constante quase utópica, não fossem os resultados profundos que alcançou, sobretudo no Brasil, na criação de universidades e do famoso Centro de Estudos Afro Orientais na Bahia.

Quem se podia ter alcandorado a uma vida cheia de honrarias e dignidades acadêmicas, viveu sempre com uma modéstia franciscana, desprezando o dinheiro pelo dinheiro e procurando levar o seu apoio, o ensino, a cultura, até aos mais humildes.

São sensacionais algumas das suas respostas a perguntas que por vezes lhe fizeram durante as entrevistas. Pela simplicidade e clareza com que abordava alguns aspetos, sobretudos místicos, que os entrevistadores insistiam em fazer-lhe, fica bem claro o quanto é grande um pensamento simples. E nisso Agostinho da Silva foi um Grande Mestre.

Ensinou desafiando os alunos a raciocinarem, quase maltratou, se disso fosse capaz, aqueles que queriam seguir o Mestre, mostrando-lhes que cada um deve seguir somente a si próprio, ultrapassou todas as barreiras burocráticas que se lhe deparavam, e com a clareza duma criança resolvia os problemas mais difíceis que se iam surgindo.

Quando lhe perguntam o que pensa sobre a morte, responde de forma quase cômica, não fosse a evidência do raciocínio: “como podia falar da morte se ainda não tinha morrido! Depois de morrer poderia então, se houvesse um meio, mandar a sua opinião”!

Este pequeno texto não pretende ser nem biográfico nem crítico ao presente que recebi. Mas depois de ter lido já uns quantos livros do Professor, este DVD, que o mostra com toda a naturalidade, levou-me a confirmar o modo como se pode “ver” o seu pensamento e se pode definir com uma só e simples palavra.

Agostinho da Silva, sempre desprendido de preconceitos e longe de submissões, foi o ÓBVIO !

 

Rio de Janeiro, 20 jun. 06

Francisco Gomes de Amorim

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D