Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

General Domingos de Oliveira

 Luís Soares de Oliveira, Embaixador

No dicionário da História de Portugal de A. Barreto e M.F. Mónica, volume VIII; referida é a pessoa de   meu avô, general Domingos de Oliveira, e o seu papel na história do Estado Novo, dentro do espírito com que  o interpreteou A. Franco Nogueira na sua douta biografia de  Salazar.  A concordãncia não melhora, no caso,  a veracidade da versão.

Ao meu avô aconteceu o mesmo que à grande maioria dos mortais: -acabou por ter que fazer na vida aquilo que não tencionava e, no seu caso, de que não gostava. Foi este mistério que procurei desvendar no capítulo “A Cavalaria e a Política”, do livro que os netos escreveram sobre tão estimado avô. O que teria levado o prestigioso militar a deixar-se arrastar para a política? Isso aconteceu no Palácio de Belém, na dramática noite de 21 para 22 de Janeiro de 1930 -  já lá vão 76 anos. Foi aí  que Carmona o forçou a aceitar o cargo de Presidente do Ministério. Como o conseguiu? Creio que pesou no caso a camaradagem de armas, mas não só. DO tinha de certo modo “empurrado” Carmona para o 28 de Maio e isso talvez porque lhe reconhecesse qualidades de político. Agora era o “empurrado” que lhe pedia para não o deixar afogar-se, quando isso  estava prestes a acontecer. Com efeito, as sucessivas crises governamentais – em parte provocadas pelas artimanhas políticas de Salazar – minavam a credibilidade do regime ditatorial instituído 4 anos antes.  A “tropa” - que era quem tinha voto na matéria -  agitava-se através dos tenentes ambiciosos e impacientes. Era preciso alguém que os militares respeitassem [e Salazar também]. Nestas circunstâncias, a presença de DO foi o aval indispensável que poucos - se é que mais alguém - poderiam ter dado ao governo. E, de facto, a coisa funcionou. Durante o governo de DO, intentonas e desordens houve, mas foram periféricas e eficazmente dominadas. A confiança restabeleceu-se e os resultados económicos logo obtidos foram disso prova. Assim, e apesar do seu desequilíbrio estrutural (congénito ?), a sociedade portuguesa pôde manter o seu Estado e  progredir, ainda que não tanto como seria de desejar.

 General Domingos de Oliveira - baixo relevo da autoria do escultor Cap. Delfim Maya - Sociedade Hípica Portuguesa, Lisboa

Domingos Augusto Alves da Costa Oliveira, nasceu em Lisboa, freguesia de Belém, em 31 de Julho de 1873. Frequentou a Escola do Exército, arma de Cavalaria. Serviu em Lanceiros da Raínha [Cavalaria 2) e em Elvas, Lanceiros 1. Aprovado no concuros para oficial general em 1925, promovido a general em 1928. Comandou a Brigada de Cavalaria do Alentejo, a 3ª Região Militar [Tomar] e foi nomeado Governador Militar de Lisboa em 1928. Presidente do Ministério de 30 de Janeiro de 1930 a 29 de Junho de 1933. Embaixador à Coroação de Jorge VI de Inglaterra, em 1937. Passou à reserva em 1938.
Presidente do Supremo Tribunal de Justiça Militar, 1942. Chanceler da Ordem Militar da Torre e Espada, 1952. Membro do Comité fundador da Sociedade Hípica Portuguesa. Autor do livro "Raças e Ferros Cavalares da Península Ibérica".
Morreu em Lisboa na noite de Natal de 1957.

Os historiadores apressados não levam nada disto em conta. Tomam o general Domingos de Oliveira como um político empenhado nos jogos do poder e vêem nele um perdedor que se deixou ultrapassar por Salazar. Do seu lado, o general não via as coisas assim. Entendia que tinha retirado o poder das casernas e impedido as manobras predadoras dos “trauliteiros”; evitara o poder da rua e a inerente “tirania da estupidez”; enfim, tinha criado condições para que gente esclarecida pudesse governar o país em paz. E fez tudo isto quase apenas com a sua presença. Entrou na política? Sim, mas há que reconhecer que entrou o menos possível. E isto foi deliberado. Não são dessa opinião os historiadores, sobretudo os politicamente comprometidos. Isso porém não tem grande importância: - daqui a um século saberemos onde estava a razão.

Estoril, Junho de 2006

Luís Soares de Oliveira

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D