Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

curtinhas XI....

TO whom it concerns...

v      Uma vez mais na História, os deste lado do Bósforo, se quiserem saber o que o futuro lhes reserva, terão de olhar para a outra margem. E esteja, ou não, esgotado o “seu” projecto europeu, a uma questão não podem eles furtar-se: como se relacionarem com a Turquia nos muitos domínios de interesse comum?

v      Quanto a estes domínios de interesse comum, convém não esquecer o papel que a Guerra Fria desempenhou: (i) criou um quadro estável para o relacionamento militar com a Turquia; (ii) sustentou, prolongou e reforçou a importância dos militares turcos, desde sempre o grande esteio das correntes laicas naquele país; (iii) transformou a Turquia num aliado estratégico, governado por gente com padrões éticos semelhantes “aos deste lado”.

v      Quando se esfumou a ameaça politico-militar que do norte, do Grande Vizinho e Tradicional Inimigo vinha, esfumaram-se também as razões que haviam justificado a presença dos militares na condução dos destinos da sociedade turca.

v      Mas os ventos que correm agora vêm do leste e do sul, e trazem com eles religião, não o som de espadas a arrastarem pela chão. As espadas, essas, virão mais tarde, quando a religião passar do foro individual a assunto de Estado - e os militares se tornarem, ou missionários, ou vingadores.

v      Afinal, o que querem “os deste lado” para o flanco sudeste da Europa: Um Estado de Direito, estável e medianamente próspero, bem integrado no concerto das sociedades modernas? Ou um Estado Confessional, instável e minado pela miséria?

v      Um dos pontos mais quentes do futuro relacionamento entre a Mitteleuropa e a Turquia repousa, tépido até ver, na pequena ilha de Chipre, dividida entre um Estado que é membro da EU (a República de Chipre) e uma entidade política que só a Turquia reconhece (a República Turca do Norte de Chipre).

v      Aconteceu, porém, que, nas vésperas da adesão à EU, os cipriotas de origem grega, reunidos na República de Chipre: (i) votaram contra a reunião da ilha dividida; (ii) vedaram o acesso dos cipriotas turcos às benesses comunitárias; e (iii) apanharam completamente desprevenidos os burocratas de Bruxelas que, negligentes e inúteis, não tinham sequer pensado num plano B.

v      É claro que a República de Chipre - com a Grécia a manter, polidamente, um silêncio cúmplice – se prepara para criar toda a espécie de dificuldades a um entendimento europeu com a Turquia, até que os cipriotas turcos (e os turcos do continente, que a Turquia, entretanto, para lá tem feito deslocar) embarquem de volta para a Mãe Pátria deles, com a casa às costas.

v      O que se antevê é, pois, um impasse prolongado: (i) que irá embaciando, pouco a pouco, a imagem dos militares turcos junto dos seus concidadãos; (ii) que irá esvaziando as correntes laicas da sociedade turca; e (iii) que irá transformando, progressivamente, a Turquia num Estado Confessional. Mas não necessariamente num Estado instável e pobre - se valer o exemplo, talvez único, da Malásia.

v      Pessoalmente, creio que o melhor será não correr riscos. E, para isso, há que dar à sociedade turca provas de que “os deste lado” querem, convictamente, pontes a unir, e não fronteiras a separar. Como fazê-lo, é a pergunta de sabor oulianoviano.

v      Olhando para a divisão da ilha de Chipre, não como um obstáculo, mas como uma oportunidade – respondo eu.

v      E a oportunidade surge na celebração de um acordo de livre comércio – ou, talvez, de um pouco mais – com a parte turca da ilha. Um acordo que lhe abrisse o acesso aos mecanismos de cooperação económica que tanto têm vindo a beneficiar os seus vizinhos do sul. Afinal, exactamente o que estaria a acontecer neste preciso momento, se os cipriotas gregos tivessem feito a vontade aos bem-pensantes da Europa.

v      Dificilmente a República de Chipre encontrará argumentos sólidos para se opor a tal, uma vez que: (i) antes de ela ter aderido à EU, esse era já um objectivo comunitário publicamente assumido e que levianamente foi posto em risco, na fase final das negociações; (ii) não se vê outra maneira de esvaziar o clima de tensão que hoje divide a ilha e que, de algum modo, não deixa de afectar também o potencial de desenvolvimento a sul; (iii) o processo negocial com a Turquia recomenda um modelo de integração económica “à chinesa”, a partir de pequenas zonas-piloto (e os cipriotas turcos formam uma zona-piloto natural) - dado que se está a lidar com uma população de 80 milhões.

v      A Turquia, por seu lado, veria nisso: (i) uma prova do empenhamento “dos deste lado” na criação de regras expeditas para lidar com os assuntos de interesse comum; (ii) um meio de gerir o choque que a concorrência internacional infligirá sobre as suas populações rurais e uma boa parte das suas empresas; (iii) uma saída elegante para os problemas que a República Turca do Norte de Chipre lhe tem vindo a criar; (iv) um argumento mais para que o Estado Turco permaneça laico.

v      “Os deste lado”: (i) poderiam definir um calendário que não fosse eminentemente político, mas que atendesse ao modo como a realidade evoluía nessas zonas-piloto; (ii) dariam ao mundo islâmico uma prova de convivência bem mais cristalina do que aquelas que o dia-a-dia nas cidades europeias poderá, alguma vez, mostrar; (iii) estariam a criar pólos de emigração em território turco, como alternativa mais fácil (e menos traumatizante) à emigração em massa para a Mitteleuropa; (iv) libertar-se-iam, de vez, da chantagem cipriota grega, recuperando assim toda a autonomia para lidarem sensatamente com a questão turca.

v       Epílogo: Os eurocratas, conseguissem eles, por uma vez, despojar-se da sua carga ideológica e pensar com clareza, e já veriam, hoje, o erro em que caem quando tentam impor à outrance a União Política. Tudo seria bem mais simples - tanto nas relações com a Turquia, como no quadro intra-europeu - se a EU se preocupasse, apenas, com a regulação, supervisão e controlo de uma união económica que, a seu tempo, poderia evoluir para uma união monetária. Sempre a partir de zonas-piloto que se desenvolvem, aprofundam e ampliam: “à chinesa”, pois então.

 

 

Lisboa, Junho de 2006

 

A. Palhinha Machado

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D