Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Curtinhas IX....

eça é que é Eça...

v      “O povo português paga e reza. Paga aos que o exploram e reza aos que o enganam” filosofou, há muito, Eça, num daqueles seus rasgos de preclara lucidez – e tantos foram.

                                                                  O que diria o Duque de Palmela . . .

                                                                           

                                                                       . . . da crítica queiroziana ?

v      Veio-me esta sentença queiroziana à ideia quando lia a entrevista escrita que o Senhor Procurador Geral da República (PGR) concedeu ao Expresso do último fim de semana

v      Diz o PGR (e percebe-se-lhe a satisfação pelo modo expedito como os seus serviços se desenvencilharam do berbicacho) que o mistério da origem da disquete posta a bom recato no célebre envelope 9 não resistiu um mês. E passa a agitar perante nós, leitores, a muleta rubra dos jornalistas que trouxeram o caso a público.

v      Ora, ora. Se a diligência levasse mais do que um bocado de uma manhã pouco esforçada, era porque, das duas, uma: ou a PT punha entraves à investigação; ou a bagunça na PT era tal que ninguém por lá sabia já a quantas andava.

v      Mas, e o resto? A disquete não chegou às mãos de investigadores e juizes? Que concluíram eles?

v      Das duas uma: ou deixaram-na para ali, esquecida, sem lhe darem a menor atenção; ou analisaram-na, e nada fizeram

v      Se não mais pensaram nela, das duas, uma: ou estavam já cientes de que nada do que lá viesse teria importância para a investigação em curso – e, nesse caso, deram mostras de displicência, de deficiente planeamento das acções que tinham de levar a cabo e, quiçá, de desconsideração pelo trabalho que iam causar a outros; ou não estavam – e, então, foram negligentes, por mais voltas que o PGR agora dê no seu discurso.

v      Mas se a abriram com olhos de ver, certamente não lhes terá passado despercebido (como não passou a jornalistas, bem menos versados nos parágrafos da Lei Penal) que, lá dentro, havia muito mais do que aquilo que tinham pedido – e que todo esse excesso, ainda que politicamente embaraçoso, era totalmente irrelevante para o que procuravam desvendar.

v      Assim sendo, era dever deles, investigadores e juízes, destruir de imediato tudo o que não contribuísse, com um mínimo de razoabilidade, para o sucesso da investigação que lhes estava confiada.

v      Não o fizeram e, pelos vistos, ninguém cuida de averiguar porquê.

 

 

Lisboa, Maio de 2006

 

A. Palhinha Machado

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D