Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

TUDO CERTO COM SEU SANTO?

 

 

 

Acho que quase todo mundo faz alguma coisa para que o ano novo seja propí­cio. Há os que se vestem de branco e lançam oferendas ao mar, os que to­mam banhos de descarrego e ainda os que adoptam providências para mim sempre meio confusas – enfiar um nhoque na orelha, encher a cueca de sementes de romã, misturar uma nota de cem dólares na salada e comê-la, botar um prato de lentilhas em baixo do travesseiro, não compreendo bem, tento aprender, mas esqueço logo tudo. Entretanto, que eu saiba, são relativa­mente poucos os que, no início do ano, procu­ram o alto patrocínio de um Santo. E um bom Santo padroeiro é mais que meio caminho an­dado para o contentamento e a prosperidade. Seu esquecimento não diz bem de nossa pru­dência e revela deplorável desleixo para com as tradições nacionais.

 

Conseguir o amparo e a assistência de um bom Santo não costuma ser difícil, mesmo se tratando dos mais solicitados e ocupados. Santo é Santo e aí, quando o pecador arrependido chega a ele suplicando uma colher-de-chá, ele pode até fazer umas exigências preliminares, mas não nega a ajuda, seria contra a caridade cristã e o Espírito Santo está de olho nele.

 

Em Itaparica, apenas os mais antigos lembram al­gumas poucas ocasiões em que um Santo não aceitou determinado caso, mas, quando isto acontecia, ele passava a questão para um colega de santidade, com mais experiência na matéria. Dizem que finado Edésio Testa Grande, uma certa feita, tantas e tais desgraceiras confessou a São Lourenço, que o Santo ficou vermelho de vergonha, se levantou e disse: "Seu Testa Gran­de, o Senhor me compreenda uma coisa, eu vou lhe dar um cartão para o senhor procurar Santo Agostinho, que na juventude foi ladrão, menti­roso, escandaloso e femeeiro e, assim mesmo, nunca chegou aos pés do Senhor e, se ele não re­solver seu caso, ninguém mais resolve."

 

E se sa­be que Santo Agostinho, depois de muito traba­lho e vários embargos infringentes, conseguiu livrar Testa Grande do Inferno, mas não de oito­centos anos de purgatório em regime fechado, o que foi considerado leve por quem conheceu esse dito Edésio Testa Grande.

 

Certamente cometerei injustiças e pecarei por omissão, mas me arrisco a citar, assim de cabe­ça, alguns dos Santos mais requisitados e presti­giados lá do Recôncavo, como João, José, Pedro, Luzia, as Teresas, Jorge, Roque, Bárbara, Rita, Judas Tadeu, Benedito, Efigénia e tantos outros. Propositadamente, deixei de fora António, pois acho que ele merece destaque especial em nos­sa História, até porque era português e partici­pou directamente em diversos episódios dela. Claro, não se vai negar a grandíssima importância de um Pedro, um João, uma Teresinha, um José ou uma Rita, todos eles muito festejados e cheios de afilhados e devotos, mas António foi oficial das forças armadas portuguesas, onde uma vez, por não se esforçar devidamente no combate, foi rebaixado, acho que lhe revogaram a patente de capitão. E ainda tomou vários esbregues de seu xará António Vieira, que nem por ser xará aliviava a borduna.

 

Ele se redimiu esplendidamente dessa falha momentânea e prestou assinalados serviços na guerra contra os invasores holandeses. Mas, mesmo assim, as descomposturas do Padre Viei­ra ainda repercutem no coração dele, de forma que, quando se oferece a ocasião, ele aparece pa­ra mostrar serviço contra os holandeses, como fez no dia em que Vavá Paparrão passou a noite sozinho na Ilha do Medo e surgiu uma porção de fantasmas de holandeses para ali assombrar. Paparrão era capoeirista afamado, mas a luta era desigual e foi então que ele gritou "valei-me, meu Santo António!" e o Santo na mesma hora despencou lá de cima, já baixando o sarrafo nos holandeses. Quem testemunhou diz que o chão da Ilha do Medo amanheceu coalhado de cadá­veres de almas holandesas. Actualmente, António acumula seu cargo permanente de protector dos pobres com a prestação de serviços para encon­trar coisas perdidas e, principalmente, para o for­necimento de maridos. Ainda está para nascer aquela que fica para titia depois de fazer boas no­venas para António, sem nunca esquecer a missa dele no dia 13 de Junho. Nos raríssimos casos em que o pedido não é atendido, ás pretendentes pegam suas imagens do Santo e as põem de ca­beça para baixo no nicho até que apareça um marido, não falha nunca.

 

Mas, como já disse acima, muitos outros Santos prestam diligente atendimento a seus devotos e os que cito estão longe de ser todos. Luzia, por exemplo, até hoje tem a fonte dela em Salvador, para quem quiser lavar os olhos e ficar logo enxergando melhor que um gavião. Jorge e Cristóvão, que andaram abalados com a notícia de que a Igreja duvidava de sua existência, receberam ma­nifestações de solidariedade de todos os cantos e continuam firmes, o primeiro matando o dragão da maldade e ajudando os desempregados e o se­gundo dando apoio aos viajantes. E, consultando um santoral de confiança, o distinto leitor ou a en­cantadora leitora não terá dificuldade em encon­trar um ou mais Santos dispostos a ajudar, a partir deste ano novo. Podem ter certeza de que, por trás de cada trajectória de sucesso, estão um ou mais Santos de grande valia e muita gente esconde o jo­go, não diz a ninguém qual é seu Santo. Desco­briu-se recentemente que até Zecamunista tam­bém tem Santo protector. Confrontado com a sur­preendente revelação, ele não a desmentiu, como se esperava. Tem Santo padroeiro, sim, só estra­nha isso quem não conhece o materialista baiano. É o padroeiro dos ateus, um irlandês chamado Oteram, de que pouca gente ouviu falar, porque seus devotos costumam ser muito discretos e só o mencionam quando a necessidade aperta.

 

— Vocês acham que os ateus iam ficar sem a cobertura de um Santo? — disse Zeca. — Ateu também é filho de Deus.

 

 

João Ubaldo Ribeiro (Escritor)

“O Globo”

 

Rio de Janeiro, 7 de Janeiro de 2014

 

Francisco Gomes de Amorim-JUN13.jpg Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D