Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

OS SETE MAIS

 

São eles, segundo Vasco Pulido Valente, no “Público” de 4/1/14, em 2013 - Os Melhores” - Vítor Gaspar, Pires de Lima, Bernardino Soares, Rui Moreira, Joseph Ratzinger, Vladimir Putin, Marcelo Rebelo de Sousa.

 

Mais uma lição de História Contemporânea, denunciando um espírito que combina o rigor objectivo das referências historiográficas com a natural subjectividade de interpretação dos feitos e das figuras referenciadas. Transcrevo o texto, como uma lição de síncrese a respeito dos protagonistas escolhidos por Pulido Valente, e cuja pertinência reconheço, com algumas ressalvas.

 

 

Apenas estranho a exclusão de uma figura do tablado mediático, ao longo de 2013 - Angela Merkel - que parece que vai fazendo avançar em força o espírito da sua nação, em todos os tempos de ambição dominadora, embora combinando o seu dinamismo batalhador com um dom de simpatia camarada que, se para os representantes dos povos de menor dimensão económica e cultural pode significar paternalismo discreto, se não desdenhoso, para os povos nortenhos de paridade sociocultural e económica, significará a fraternidade da comunhão, com Deus ou sem Ele. Resta-nos pedir a protecção divina para uma União Europeia que se deseja livre dos fantasmas do passado. E dos do presente também, que poderão fazer mergulhar cada futuro nacional no inferno de um passado mais desbotado ainda, em relação à sua própria identidade histórica.

 

«2013 - Os Melhores»

 

 

Vítor Gaspar – Não me lembro de nenhum ministro português que reconhecesse ter feito uma política errada e, depois, saísse. Vítor Gaspar deixou atrás de si uma explicação lúcida e certa e um fantasma para o substituir. O mistério está na ideia em que ele ao princípio acreditou de que o Estado era reformável. No BCE e no Banco de Portugal não se aprendem essas coisas.

 

Talvez antes Vítor Gaspar não tenha querido submeter-se por mais tempo às idiotices miméticas dos actores da nossa arena teatral e social com que era constantemente enxovalhado, e fez bem. Foi ganhar mais, e também fez bem. Eu gostava da sua figura séria e inteligente. Mas a sua saída (com a de Portas a seguir) pôs em destaque sobretudo a coragem de Passos Coelho e a extraordinária luta deste pela continuação de um projecto de salvação nacional, pesassem embora todos esses entraves (com tentativas de solução relativamente a Portas) e todos os mais entraves com que a horda dos manifestantes industriados pelos chefes oposicionistas tão afincadamente contribui diariamente para destruir o país. A aparente nobreza do gesto de Gaspar, parece-me, pelo contrário, assim, um acto de fraqueza, ao atraiçoar o amigo abandonando-o, como fez igualmente Portas (este, todavia, antes, numa jogada inteligente e matreira, de falsa elegância moral – redimida seguidamente com a sua “retoma” governativa, talvez por arrependimento, talvez pelo mesmo amor ao país que o irmana com Passos).

 

 Pires de Lima – Aliviou o país do espectáculo penoso do sr. Álvaro Santos Pereira, o “Álvaro”, que pretendia transformar o Ministério de Economia num departamento duma universidade canadiana. Não sei o que ele andou a fazer neste meio ano: mas trouxe uma certa dignidade aos portugueses. (V. P. V. devia investigar, para um retrato mais completo de Pires de Lima, que o merece).

 

 Bernardino Soares –Primeiro, um bom chefe parlamentar, que falava bem, sem pretensões, civilizadamente. Agora, presidente duma das maiores câmaras de Portugal. Tudo isto muito cedo. O PCP parece que resolveu criar uma nova classe dirigente para substituir os velhos da clandestinidade e os servos de Cunhal. É uma boa surpresa. (A mim, pareceu-me sempre um pouco melífluo. Em todo o caso, prefiro-o ao estilo de avô zangado e muito moral de Jerónimo de Sousa, que, se estivesse do lado da Pátria, do Governo - e não só do povo sofredor - até seria figura que eu respeitaria na sua seriedade e no seu saber de “experimentado peito”).

 

    Rui MoreiraApesar do apoio de um CDS semidissidente e de algumas cumplicidades regionais, Rui Moreira conseguiu ganhar aos partidos e varrer por uma vez de cena o inaturável Menezes. Melhor ainda: negociou um bom entendimento (e uma boa partilha com o PS para governar a cidade em paz. O patriotismo local (embora, calculo, indispensável) não lhe vai bem.

 

 Joseph Ratzinger – O maior teólogo do catolicismo desde o século XVIII e um grande escritor acabou Papa, forçado a presidir a uma burocracia corrupta e a um clero contaminado. Não aguentou, como era natural que não aguentasse. A abdicação (quase única na história) não espantou os que o leram e seguiram. (Figura triste e exemplar, inspiradora de respeito e retraimento).

 

Vladimir Putin - Em vez de a exilar ou matar, correu com a mulher na televisão. Salvou o santificado Barak Obama do sarilho da Síria e também lhe deu uma ajudinha para disfarçar o fracasso do Irão. Mais do que isso: restabeleceu (contra a Europa) uma espécie de hegemonia na Ucrânia: e soltou meia dúzia de protestatários. A Rússia volta lentamente ao seu estatuto de grande potência. (Será tudo isso. Eu sempre lhe achei um ar gélido e cortante, a tender para o sinistro. E não me esqueço de que a minha mãe o odiava, ainda aos 104 ou 105 anos, nunca esquecida do afundamento do submarino, no ano 2000 - leio na Internet - em que Putin permitiu que mais de cem dos seus marinheiros morressem no fundo do mar (de Barents), para não chamar os outros povos em seu auxílio. Mas o retrato é lisonjeiro e a ironia contra Obama prova de que lado está Pulido Valente.

 

 

Marcelo Rebelo de Sousa – Continua a ser o melhor espectáculo político da televisão. Navega com habilidade e bom humor pelo meio da balbúrdia estabelecida, Às vezes parece omnisciente, principalmente quando se trata de intrigas de palácio ou de rodriguinhos legais. Se for para Belém, ou se lhe meter na cabeça ir para Belém, perde a graça toda. (Também gosto de o ouvir, pelo optimismo e sensatez das suas opiniões. Mas o melhor espectáculo para mim é o da “Quadratura do Círculo”, com três bons e sábios argumentadores, e destaque para Lobo Xavier na sua moderação optimista de grande argúcia e boa formação moral. O tempo é curto para Rebelo de Sousa, que tudo sabe, a tudo responde, personagem de professor expositivo, em que as breves réplicas de Judite de Sousa mal conseguem fazê-lo perder a embalagem do seu discurso rápido e claro).

 

 Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D