Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A MINHA OPINIÃO JÁ NÃO MORRE SOLTEIRA

Cadilhe defende rescisão com 200 mil funcionários públicos
Pelo menos 200 mil funcionários públicos deveriam ser atraídos por indemnizações atractivas para se reduzir o peso das despesas do Estado, defende Miguel Cadilhe numa entrevista ao programa «Contas de Cabeça», da rádio TSF, em parte antecipada esta sexta-feira.

Se o Governo assume «custos de mudança, porque não ir mais fundo mais extenso nas reformas?», questiona o antigo ministro das Finanças de Cavaco Silva no programa que será transmitido, na íntegra, no próximo domingo.
Referindo-se aos objectivos de redução da despesa, Cadilhe estima «em torno de 200 mil», o número de funcionários públicos que estão a mais na Administração Pública e que, na sua opinião, «têm de ser atraídos pelas rescisões amigáveis».
De acordo com o autor do livro que fala do sobrepeso do Estado, algumas da medidas adoptadas pelo actual Governo coincidem com a sua receita, mas só uma «maior ambição» na redução da despesa corrente primária pode reduzir o peso dos gastos do Estado, actualmente nos 42% do PIB, para níveis em redor dos 30%.
Noutra parte da entrevista, Cadilhe diz que não há qualquer argumento técnico que impeça a venda maciça do ouro do Banco de Portugal para financiar a reforma do Estado. O ex-director da Agência Portuguesa do Investimento (API) questiona-se sobre o destino dado ao produto das operações realizadas pelo Banco de Portugal com o ouro.
Nos últimos quatro anos, segundo as contas do economista, o banco central já colocou no mercado 1/3 das reservas contabilizadas em 2001. «Para quê?», questionou para argumentar que esse dinheiro não serviu para nenhuma reforma de fundo.
27-01-2006
in "DIÁRIO DIGITAL"

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D