Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CAMÕES, GRANDE CAMÕES – 3

 

  

 

Paralelo com o romance Filodemo-Dionisa, no espaço da casa de D. Lusidardo, processa-se o de Venadoro-Florimena, no espaço do monte com uma fonte. É encantadora e cheia de lirismo e graciosidade a cena do enamoramento entre os dois jovens, reveladora de um espírito forjado no maneirismo retórico e conceptual a lembrar o petrarquismo e os cantares na medida velha.

 

Venadoro:

 

Oh! Que formosa serrana

À vista se me oferece!

Deusa dos montes parece

E se é certo que é humana,

O monte não na merece.-

Pastora tão delicada,

De gesto tão singular,

Parece-me que em lugar

De perguntar pela estrada

Por mim lhe hei-de perguntar.

Até qui sempre zombei

De qualquer outra pessoa

Que afeiçoada topei,

Mas agora zombarei

De quem se não afeiçoa.

Serrana, cuja pintura

Tanto a alma me moveu,

Dizei-me: Por qual ventura

Andareis nesta espessura

Merecendo estar no céu?

 

Florimena:

 

Tamanho inconveniente

Andar na serra parece?

Pois a ventura da gente

Sempre é muito diferente

Da que, ao parecer, merece.

 

Venadoro:

 

Tal resposta é manifesto

Não se aprender entre as cabras.

Pois não vos parece honesto

Saberdes matar co gesto

Senão inda com palavras.

No mato tudo é rudeza:

Há tal gesto e discrição?

Não no creio:

 

Florimena:

 

Porque não?

Não suprirá natureza

Onde falta criação?

 

Venadoro:

 

Já logo nisso, Senhora,

Dizeis, se não sinto mal,

Que do vosso natural

Não era serdes pastora.

Florimena:

Digo, mas pouco me vale.

 

Venadoro:

 

Pois quem vos pôde trazer

À conversação do monte?

 

Florimena:

 

Perguntai-o a essa fonte,

Que as cousas duras de crer,

Um as faça, outro as conte.

 

Venadoro:

 

Esta fonte que está aqui,

Que sabe do que dizeis?

 

Florimena:

 

Senhor, mais não pergunteis

Porque outra cousa de mim,

Sabei que não sabereis.

De vós agora sabei

O que não tendes sabido:

Se quereis água, bebei;

Se andais, por dita, perdido

Eu vos encaminharei.

 

Venadoro:

 

Senhora, eu não vos pedia

Que ninguém me encaminhasse;

Que o caminho que eu queria

Se o eu agora achasse,

Mais perdido me acharia.

Não quero passar daqui

E não vos pareça espanto,

Que em vos vendo me rendi,

Porque quando me perdi,

Não cuidei de ganhar tanto.

 

Florimena:

 

Senhor, quem na serra mora,

Também entende a verdade

Dos enganos da cidade,

Vá-se embora ou fique embora

Qual for mais sua vontade.

 

Venadoro:

 

Oh! Lindíssima donzela

A quem ventura ordena

Que me guie como estrela!

Quereis-me deixar a pena

E levar-me a causa dela?!

E já que vos conjurastes

Vós e Amor para matar-me

Oh! Não deixeis de escutar-me!

Pois a vida me tirastes

Não me tireis o queixar-me!”

 

Não nos parece longa a distância que separa esta discreta Florimena, da donzela espirituosa, feminina, graciosa e rebelde do teatro marivaudesco, dois séculos mais tarde.

 

A mudança que o amor provoca nos seres é bem expressa neste diálogo entre Lusidardo e Venadoro:

 

Lusidardo:

 

Oh! Venadoro, meu filho!

És tu este?

 

Venadoro:

 

Tal estou

Que julgo que este não sou.

 

Lusidardo

 

Certo que me maravilho

De quem tanto te mudou!

Como estás assi mudado

No rosto e no vestido?

 

Venadoro

 

Ando já todo trocado

Tanto que fiquei pasmado

De como fui conhecido.

 

Enquanto Lusidardo procura o filho perdido no monte, em casa, Dionisa, não menos perdida, expande junto de Solina as contradições e ânsias em que vive, em dialéctica de sofrimento a que a própria psicanálise responderá hoje:

 

Oh! Solina, minha amiga,

Que todo este coração

Tenho posto em vossa mão!

Amor me manda que diga

Vergonha me diz que não.

Que farei?

Como me descobrirei?

Porque a tamanho tormento

Mais remédio lhe não sei,

Que entregá-lo ao sofrimento.

Meu pai muito entristecido

Se vai pela serra erguida,

Já da vida aborrecido,

Buscando o filho perdido,

Tendo a filha cá perdida!

Sem cuidar, foi a casa encomendar

A quem destruir-lha quer.

Olhai que gentil saber,

Que vai comigo leixar

Quem me não leixa viver.

 

E, não resistindo, concerta com a criada um encontro com Filodemo,

 

Para ver

Se é por ventura verdade

O que dizeis que me quer.

 

Mas quando aquele lhe aparece, o mesmo embaraço a toma:

 

Agora me quisera eu

Daqui cem mil léguas ver.

 

Filodemo exprime exaltadamente o seu amor e o desejo de se sacrificar para lho provar. Dionisa manifesta uns últimos rebates de altivez:

 

Nesse deserto apartado

De toda a conversação

Merecíeis degradado

Por justiça. Com pregão,

Que dissesse: “Por ousado”.

E eu também merecia

Metida a grave tormento,

Pois que, como não devia,

Vim a dar consentimento

A tão sobeja ousadia.

 

Mas o sofrimento e a humildade de Filodemo comovem-na e, ao querer dar-lhe uma resposta cabal, pede a Solina que o faça por ela, pois

 

Já não tenho em mim poder,

Segundo me sinto agora,

Para poder responder.

 

Enfim, um remate de ficção cor-de-rosa resulta da descoberta da nobreza dos dois jovens e do seu parentesco com D. Lusidardo e os filhos. Já encontráramos esse enredo de fantasia em Gil Vicente, na tragicomédia “D. Duardos”, por exemplo, onde o hortelão não passa de um príncipe disfarçado, apaixonado pela princesa Flérida, e outras peças de igual cariz romanesco, próprias dos enredos fantásticos de cavalaria do ciclo bretão e outras lendas em que o maravilhoso imperava.

 

Cingimo-nos, nesta peça, à análise dos dois casos de “travesti” amoroso que o destino conduziu a bom porto, abandonando cenas e personagens secundárias, por efeitos de maior coesão. O objectivo foi, realmente, o de reviver momentos de prazer literário há muito sentidos, na estranheza pela indiferença pedagógica nacional pela faceta dramática de Luís de Camões.

 

 Berta Brás

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D