Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

A EXCELSA ARMA DO ASSASSÍNIO POLÍTICO

 

Admiro José Pacheco Pereira na eloquência do seu muito saber, perceptível na fronte ampla, aureolada pelos testemunhos pilosos da sua respeitabilidade e nos discursos vivos da sua voz e da sua argumentação suavemente doutorais de historiador e crítico. Mas nem sempre o acompanho na iracúndia conflituosa de visão muito sábia - e por isso desprezadora da ignorância - mas voluntariamente unilateral, sobretudo nos tempos presentes, em que decidiu combater a ferro e fogo o partido no poder, que, por arreganho seu, pertence ao seu partido actual, embora ele e outros da sua facção partidária - (aliás, caracterizada modernamente por um divisionismo interno bem distante do objectivo respeitável de uma união fortificante, já decantada pelos mosqueteiros dos heroicos tempos do Cardeal Richelieu, segundo o lema de “um por todos, todos por um”) – ele e os seus partenaires, redigo, não tenham posto nem prego nem estopa para essa opção partidária de governação.

Mais uma vez essa sua aversão se verifica no artigo de 7 de Dezembro do “Público”, «A segunda morte de Sá Carneiro» no qual ataca a mediocridade das comemorações, pelo PSD, de Sá Carneiro, no aniversário da morte deste e de Amaro da Costa, fundador, o primeiro, do PSD, primitivo PPD, pertencendo ambos ao Governo de Coligação AD..

Pacheco Pereira exclui in limine Passos Coelho daquele PPD do seu herói – herói na acção, no saber, no dirigismo político, embora este pareça bem difuso nas perspectivas diversas do seu saber político:

“Uma antologia das frases mais significativas de Passos Coelho, das posições da revisão constitucional que encomendou a Paulo Teixeira Pinto e dos seus mentores ideológicos que ele levou dos blogues ultraliberais e dos think tanks universitários mais conservadores para o Governo e para os gabinetes, revela a enorme distância entre aquilo que, com muito boa vontade, podemos chamar o seu “pensamento” e o núcleo central do pensamento de Sá Carneiro. Bem pelo contrário, eles representam um dos lados daquilo que Sá Carneiro combateu – o outro era o comunismo – com toda a clareza e sem margem para dúvidas. O PSD foi feito contra o PREC e contra a manutenção de formas de controlo militar da democracia civil, e esse combate assentava num programa positivo de combinação do liberalismo político com a doutrina social da Igreja, e a experiência da social-democracia europeia. Como Sá Carneiro repetiu vezes sem fim toda a sua vida, isso colocava o PSD fora do âmbito da” direita” e é interessante verificar, em múltiplas entrevistas dadas no I Congresso funcional do PSD, como esta afirmação é repetida….”

“… O revisionismo actual do pensamento de Sá Carneiro fez-se essencialmente valorizando os aspectos coreográficos da sua vida política e, mesmo assim, nem todos, dissociando-os do seu aspecto político e ideológico, considerado “de época” ou “ultrapassado”, ou resultado de uma “deslocação “táctica” para a esquerda devido às circunstâncias da época (uma típica projecção do oportunismo ideológico dos dias de hoje) …”

“… Considerando obsoleto o seu pensamento explícito, Sá Carneiro fica assim reduzido apenas a um actor político, que combateu o PCP no PREC, combateu Eanes e o Conselho da Revolução, combateu Soares e o PS, foi criador e primeiro ministro da AD, reduzindo-se os seus actos a uma espécie de gramática da acção, sem o léxico e a semântica das suas ideias políticas. Ora, se há coisa em que Sá Carneiro não queria que existisse nenhuma dúvida, era que actuava baseado em princípios políticos, ideais e tradições, pelo que não pode ser reduzido, como foi por Passos Coelho, a um lutador contra o défice e a dívida, ele que nunca admitiria que Portugal pudesse ser um “protectorado” ou que o poder do Parlamento e da soberania popular dos portugueses fosse “automaticamente” deslocado para a burocracia europeia. Tirar-lhe esta identidade é matá-lo pela segunda vez.

A actual direcção do PSD é mais próxima de um Tea Party à portuguesa, burocrático, sem apoio popular, “europeísta” e desligado da comunidade orgânica dos portugueses, que despreza o primado da “pessoa” a “dignidade do trabalho” e a “justiça social”, que no programa genético do PSD feito por Sá Carneiro não são meras palavras, mas identidades inquestionáveis do partido.»

Segue-se o rol dos atributos desprezíveis dos do Governo - a cada passo vomitados nas assembleias parlamentares - para assim concluir:

“O que é que Sá Carneiro tem a ver com esta gente? Muito: atacou-os toda a vida.»

No tempo do Sá Carneiro, cá por casa votava-se no Freitas do Amaral, de discurso mais preciso e discreto, e defensor de uma ideologia que não excluía tanto a pátria, como o faziam todos os outros, incluindo Sá Carneiro, vivo e mordaz e amante sobretudo do povo.

Comparar as figuras de Passos Coelho e de Sá Carneiro, apenas para amesquinhar o primeiro, sem tomar em conta a tarefa dura que lhe coube, situado num contexto económico de ruína e de necessidade de erguer o país dessa ruína, numa situação de “protectorado” que Sá Carneiro não admitiria (como pode garantir isso?), como não o admitem as indignações bem falantes da praça pública, escamoteando as realidades, boicotando as tentativas governativas de vencer uma dívida escandalosa em que todo o país participou, banalizando os progressos de recuperação, não alardeados, mas indicados com serenidade, talvez também com justo orgulho, é colaborar, como fazem os da tal praça, no assassínio “desta gente” que bem merece a estima e o reconhecimento daqueles que viam o seu país a resvalar miseravelmente na destruição e que acreditam agora em salvação. Com sacrifício, sim. Já por outros sacrifícios graves o país passou, e se ergueu.

Talvez porque as gentes do povo são mais razoáveis do que os bem falantes que afirmam o seu amor por elas. Embora muitas se deixem manipular ainda. Pelos seus benfazejos bem falantes.

 Berta Brás

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D