Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ENSAIO SOBRE RELIGIÃO - 3

 

 

- B -

 

  Baal – Nas línguas semíticas, “o Senhor, o Mestre”. Os Baals divinisados eram muito numerosos. Na Bíblia Baal refere-se a todos os falsos deuses, e assim o culto de Baal era idolatria, sacerdote de Baal, hipócrato ou fanático, filha de Baal, cortesã. Nos gregos foi assimilado a um Apolo solar e nos romanos a Saturno, por causa da reputação da sua crueldade.

 

Babismo – Movimento religioso, xiita, fundado na Pérsia no séc. XIX por Mirza Ali Muhamad, que se insurgiu contra o fanatismo, pregando a tolerância, a amabilidade para com todos os seres e a emancipação das mulheres. Considerado herético foi executado com dezoito dos seus discípulos em 1850. A sua doutrina sobreviveu pouco mas fundiu-se numa nova religião, o bahaismo.

 

Bahaismo – Movimento vindo do Babismo, fundado por Ali Baha Allah (Glória de Deus, 1817-1892). Nascido na Pérsia, exilado em Alexandria esteve vinte e quatro anos preso em Saint-Jean-d’Acre, hoje Acre, cidade costeira no Norte de Israel. Afastou-se cada vez mais do Islão, e criou uma religião universal de paz e fraternidade, que em todo o mundo tem milhões de seguidores.

 

Baptistas – A primeira igreja baptista nasceu quando um grupo de refugiados ingleses que foram para a Holanda em busca da liberdade religiosa em 1608, que discordavam da política e de alguns pontos da doutrina da Igreja Anglicana e acreditando na necessidade de batizar-se com consciência, tendo como primordial o batismo, por imersão.

 

Basilianos – Ordem de monges que adotaram a regra do seu fundador, São Basílio (Séc. II, em Alexandria), que pretendia conciliar o cristianismo como o aristotelismo e o estoicismo. A ordem extingui-se no séc. IV.

 

Beneditinos – A mais antiga ordem e a mais importante do Ocidente. Contemplativa e ativa, fundada por São Bento no séc. IV. O primeiro mosteiro foi em Monte Cassino. Desta ordem derivaram os cistercienses, clunys, trapistas, cartuchos, mauristas, olivetanos e feuillants.

 

Bétilo – Do lat. baetylos, gr. baitylos deriva do hebraico Beith-El que significa "Casa de Deus". É uma pedra negra a que se atribui função sagrada, como morada de um Deus.  Já adorada no tempo dos sumérios ainda hoje é considerada sagrada por muitos povos do Oriente Médio. Cientificamente é um meteorito. É um bétilo que está na Caaba, venerada pelos muçulmanos.

 

Bogomiles – O movimento bogomile foi fundado por um papa búlgaro, chamado Bogomil, que em eslavo significa “amado de Deus”. Começou por pregar na Trácia e depois na Bulgária onde conheceu um grande sucesso, entre o X e XI séc., antes de ser perseguido pelo imperador bizantino Aléxis I Comnène e pelo patriarca Michel II Courcouas. Passou à Sérvia e daqui se expandiu pela Europa tendo influenciado entre outros, os cátaros. Acabou desaparecendo do império bizantino depois que Basílio, o Bogomil, foi condenado e queimado vivo em 1099. A sua ideologia rejeitava as autoridades constituídas, as hierarquias como corrompidas, e assim foi considerada revolucionária, tal como os cátaros. Nessa altura o papado decidiu combater as heresias com a maior violência, chegada à guerra.

 

Brahma – O Deus absoluto, a divindade suprema do antigo brahmanismo.

 

Brahmanismo – Outra religião da Índia, saída do vedismo. Desenvolveu-se com o estudo e meditação dos livros Brahamana e Upanishad afirmando o poder da casta sacerdotal dos brahmanes.

 

Brahmo Samaj – O primeiro movimento neo-hinduísta, procurando encontrar um teísmo para as práticas de magia e idolatria do hiduísmo popular dos séc. XVII e XVIII.

 

Budismo – Uma das grandes religiões do mundo; talvez mais uma filosofia que procura a solução do enigma da existência no seio do Universo, um bálsamo contra as angústias da vida e sobretudo a procura da sabedoria passando pela reconciliação: uma ética. Pregado por Buda, Siddhartha Gautama (c. 560 - 480 a.C.), expandiu-se por toda a Índia e fora dela, por terra e mar, tomando formas diversas, mas deixando sua indelével marca de sabedoria e compaixão, em todas as pessoas onde penetrou.

 

Dezembro de 2013

 

 Francisco Gomes de Amorim

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D