Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CONVERSAS DE ESPLANADA EM LISBOA

 

 

O MAU DA FITA

 

 

Empregado de mesa – Bom dia! Fazem favor.

Eu – Bom dia! Para mim é um café e um croquete.

Ele – E para mim... tem Moscatel ou Favaios?

Empregado de mesa – Temos ambos.

Ele – Então... traga-me um Moscatel, por favor; o Favaios fica para amanhã.

Empregado de mesa – E o café do Senhor é normal, cheio, italiana?

Eu – Normal. E o croquete também.

Ele – Croquete normal?

Eu – Sim, de carne de vaca. É que aqui também fazem de leitão, de peru, sei lá mais do quê... qualquer dia até fazem de baleia, canguru, tubarão ou dinossauro.

Ele – É a crise.

Eu – Qual crise?

Ele – Esta, por que estamos a passar.

Eu – Não estamos a passar por crise nenhuma. Acho mesmo que a crise foi a que nos atirou para o buraco. Agora já não estamos em crise; estamos a tentar sair do buraco para que o despesismo nos atirou.

Ele – Devemos viver em mundos diferentes.

Eu – Não, não, vivemos exactamente no mesmo mundo. Só temos diferenças de semântica.

Ele – Porquê?

Eu – Porque Você chama crise ao «desmanchar da feira de vaidades» em que estávamos e para mim isso é a correcção dos vícios em que muitos tinham caído. Os «vaidosos» e os «viciosos» é que estão a ver a vida a andar para trás e acham-se em crise. Quem conteve o consumo dentro da razoabilidade dos rendimentos próprios, quem se relaciona com o Estado apenas na qualidade de Contribuinte, quem produz bens ou serviços transaccionáveis, não tem motivos de grande preocupação. Mas quem esticou a corda que a banca lhe lançou acumulando créditos à habitação, ao consumo duradoiro e por aí fora; quem perdeu o emprego nalgum dos Sectores de bens não transaccionáveis ou do comércio importador; quem depende do Estado-patrão; quem tirou cursos que não se enquadrem no novo modelo de desenvolvimento... ah! esses têm todas as razões para se preocuparem. Direi mesmo mais: para se preocuparem muito!

Ele – E isso não é crise?

Eu – É uma crise a nível individual, micro económico, não macro. A nível macro estamos a corrigir os erros em que tínhamos caído. O que eu aceito é que se diga que há muita gente com problemas mas esses são uma parte. A outra parte é constituída por todos os que trabalham nos sectores exportadores, por exemplo. Mas há mais...

Ele – E apesar disso tudo, a dívida continua a subir e só se ouve falar em austeridade, austeridade e que a culpa é da Merkel.

Eu – A dívida... qual delas?

Ele – Mas há mais do que uma?

Eu – A pública e a privada. A dívida externa total é a soma de todas as dívidas ao estrangeiro sejam elas do Estado, dos bancos, das empresas e dos particulares. Habitualmente medida pelo PIB, tínhamos no final de Dezembro de 2010 uma dívida externa bruta total de cerca de 230% (396 mil milhões de euros). Mas considerando o valor líquido e não o bruto, ficávamo-nos pelos 104%.

Ele – E hoje?

Eu – No fim de Junho passado tínhamos uma dívida bruta total de cerca de 236% do PIB com a pública a representar cerca de 86% e a banca 62%. Mas em 2006 a pública era de pouco mais de 50% e a dos Bancos rondava os 100%.

Ele – A pública a subir e a da banca a descer. Porquê?

Eu – Porque enquanto o Estado tiver um Cêntimo de défice vai ter que ir aos mercados pedir esse Cêntimo emprestado para cobrir o défice e porque a banca estrangeira fechou a torneira à portuguesa e esta só poderia continuar a funcionar se começasse a amortizar as montanhas de dívidas que tinha lá fora.

Ele – E por que é que o défice público cresceu tanto no primeiro ano deste Governo?

Eu – Porque o Governo anterior praticava uma política de desorçamentação de modo a esconder a realidade e este Governo andou quase um ano só à procura desses buracos para os voltar a meter no Orçamento. E depois veja bem o que para aí vai de discussão política por causa da redução do défice...

Ele – É que essa redução está a ser feita à custa dos pobres enquanto os ricos só fazem é aumentar as fortunas.

Eu – Quais pobres?

Ele – Os que recebem pensões de miséria, os funcionários públicos...

Eu – E quais ricos?

Ele – Os banqueiros.

Eu – Muito bem! Não discuto que o poder de compra de uns e outros é muito diferente. Mas veja lá a «coisa» de outro modo. Cerca de 70% da despesa pública corrente é com vencimentos de funcionários e com pensões. Tudo o resto não passa de 30% e comparadas com as correntes, as despesas de investimento são uma brincalhotice de crianças. Agora imagine que a Nação lhe pedia a si para resolver o problema do défice. Você ia preocupar-se com os 30 ou com os 70%?

Ele – Com os 70%, claro!

Eu – E que fazia? Aumentava ou reduzia o bolo?

Ele – Sim, tinha que reduzir mas cortava nos de cima e não nos de baixo.

Eu – Então isso significa que Você faria exactamente o mesmo que o Governo está a fazer. Os de cima reduzem muito mais que os de baixo e os mais baixos de todos ficam na mesma e nada reduzem. Mas é claro que os jornalistas não gostam de dizer isto.

Ele – E os juízes e outros do género? Já viu as reformas douradas que eles têm? E os políticos?

Eu – E os impostos que essa gente passou a pagar? Disso também os jornalistas não falam... Porquê?

Ele – Porque são da Oposição?

Eu – Sim, também. Mas o mais grave é a falta de seriedade, o mau jornalismo, a desinformação, pugnarem pela criação dum ambiente de crispação. Alguns desses jornalistas estão-se mesmo nas tintas para a Oposição. O que eles querem é vender mais jornais e revistas e isso faz-se com sangue, não com notícias azuis. Sabe o que acho deles? Que são um bando de malfeitores, uns delinquentes. E olhe que fico muito satisfeito ao saber que Você, afinal, faria o mesmo que o Governo está a fazer.

Ele – Não há perigo de eu ir para o Governo.

Eu – Mas ainda não acabámos. Que tal a questão dos ricos?

Ele – Ah!, sim, os banqueiros. Mas com o entusiasmo da conversa vou mandar vir mais um copo. Olhe! Faz favor?

Empregado de mesa – O Senhor chamou? Mais um Moscatel?

Ele – Não, não. Agora vai ser um Favaios, por favor.

Empregado de mesa – Muito bem, trago já.

Eu – Estes tipos não aprenderam nada porque de certeza que não tiveram ninguém que os ensinasse. Um barman ou um empregado de mesa nunca refere «mais um» em voz alta. Ninguém à volta tem nada que saber se Você vai tomar «mais um» ou «mais cinquenta». É «um» que traz e ponto final. A conta que apresenta no final é que há-de referir quantos Você tomou. As Escolas de Hotelaria ainda têm muito que fazer...

Ele – Realmente, tem razão também nisso.

Eu – Mas voltando aos ricos, tenho a dizer-lhe que prefiro não ser banqueiro. Já viu o sarilho em que eles andam metidos desde que o Bill Clinton entornou as finanças todas?

Ele – O Bill Clinton?

Eu – Sim, ele e não a Merkel.

Ele – Vai ter que me explicar isso como se eu fosse uma criança pequena.

Eu – Sim, com certeza. Mas se não se importa, vou deixá-lo tranquilamente a tomar o seu «abafado» e continuamos amanhã. Pode ser?

Ele – Muito bem! Então, amanhã começamos com o Bill Clinton em vez da Merkel.

Eu – OK! Até amanhã. E desculpe esta saída rápida mas tenho a família já à espera.

Ele – Até amanhã.

 

Novembro de 2013

 

 Henrique Salles da Fonseca

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D