Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O “CARUNGO” EM “CARTA DA ZAMBÉZIA” DO BISAVÔ GAVICHO

 

 

 

Da velha mala do meu pai, onde os livros que não cabiam na sua estante tinham sido arrumados pela minha irmã, retirei um de que há muito ouvira falar, sem saber que existia tal preciosidade no espólio da minha família. Tratava-se de “Cartas da Zambézia” de Francisco Gavicho de Lacerda, avô do Rui e do Otto, bisavô de meus filhos Ricardo, Paula e João, filhos do Rui, de minhas sobrinhas Mirene e Madalena, filhas do Otto, Rui e Otto filhos de Luís, além de outros primos, filhos de um meio irmão do Rui e do Otto, Luís, de um primeiro casamento do pai, amigos dos meus filhos, mas com raras aproximações, que os vendavais do tempo foram disseminando pelo mundo. Mas outros filhos “Lacerda” teve o “avô Gavicho”, segundo designação dos manos Rui e Otto, e outras famílias se dispersaram no mundo, alguns bem simpáticos, no dizer da minha filha Paula, que conheceu uma tia, irmã de seu pai, no dia do funeral deste.

E deste jeito bíblico, embora com mais modéstia na indicação das idades – largamente centenárias as dos patriarcas do Génesis – se aponta a via paterna da família Lacerda, com assento no “patriarca” ilustre e de brasão que, nas suas “Cartas da Zambézia” forneceu tantos dados sobre a terra de que a minha amiga, nove décadas depois - o livro foi publicado em 1923, em 2ª edição - fala sempre com emoção e entusiasmo – os mesmos que impeliram o “avô Gavicho” da designação do seu neto Rui, a defender essa terra, para onde foi “trocando a luzente fardeta de cavalaria pela indumentária simples de colono”, “a moirejar sem descanso até que, porfiando e lutando, conseguiu tornar-se arrendatário de um “prazo” que, ao presente, lhe assegura um rendimento algumas vezes multiplicado pelo soldo que, decerto, lhe caberia no posto de comandante de um batalhão, se tivesse seguido a carreira militar.”

São estes dados colhidos do Prefáciodo livro, pelo seu amigo e ex-colega jornalista, escritor Affonso Gayo, que, no penúltimo parágrafo, resume assim o conteúdo do livro de Gavicho de Lacerda: “Da sua leitura conclui-se qual é o valor daquela rica possessão, fica-se sabendo o que se tem feito e o que é necessário fazer para a tornar mais valorizada. Estimulam, criam iniciativas e dão fé aos que pretendam emigrar por aquelas paragens. Explicam-nos o modo como o emigrante aprende, ali, a ter iniciativas, se habitua a proceder e a deliberar, a fim de vencer as agruras do clima, a suportar com coragem as dificuldades da adaptação e a reunir, pelo trabalho e estímulo individual, um somatório de energias com que pode combater com a saudade dos entes caros e com a nostalgia do rincão onde nasceu.”

Foi com curiosidade que o li, desde a dedicatória à mocidade actual “por intermédio do “Ill.mo e Ex.mo Sr. Ministro da Instrução Pública”: «Desde criança que ouvimos dizer – “O futuro de Portugal está nos mares”. – Quando do “Ultimatum” de 1891, em que a nação despertou pela vibrante e terrível chicotada de Jonh Bull, e que fez que trocássemos a modesta farda de estudante militar pelo fato de caqui, foi lá, no ultramar, que fomos ver e aprender o quanto havia de verdadeiro, naquelas palavras…» dedicatória que conclui: « Na Zambézia trabalhámos, lutámos; à Zambézia dedicamos o amor de segunda pátria. Se a mocidade tirar algum proveito da leitura deste livro, consideraremos isso como justo galardão e daremos por bem empregados perigos, trabalhos e desgostos que por lá passámos.»

Vária é a gama de assuntos e fotos – entre as quais a do autor, garbosa figura, na foto inicial, mais jovem e descontraída a de interior, rodeado de africanos e arvoredo, perto da residência do Carungo – “O Autor, um ano depois de ter partido para a Zambézia”.

Curioso volume de memórias sobre um território, pois, que desbravou e amou, não poupando críticas a certas formas de extorsão ou de desleixo das políticas portuguesas, que dificultavam e atrasaram sempre o desenvolvimento da colónia, pelo atraso das concessões de terrenos, da construção de vias e portos «Lá fora somos conhecidos pelo vergonhoso epíteto de “empecilhos da civilização”»… «Devemos considerar que, se continuamos a ser uma nação livre e independente, unicamente o devemos ao nosso grande domínio colonial, por conseguinte têm as colónias todo o direito a ser dotadas com os melhoramentos que a civilização e o progresso indicam e as suas urgentes necessidades reclamam.»

Era um homem de fibra, o avô Gavicho, mas inúteis são os seus conceitos hoje a que - embora insistindo-se no “tal futuro marítimo português centrado no mar ”, não o além-mar colonial, há muito morto em colapso, mas num mar de turismo ou carga que exige dinheiro, também em colapso - se ficará indiferente perante dizeres para sempre inúteis de valorização de propriedades, como no passo seguinte: “O Chuabo Dembe é uma das primeiras propriedades agrícolas da Zambézia, causando inveja a alguns arrendatários. É banhada pelo Rio dos Bons Sinais ou de Quelimane, e separada da vila pela Avenida da Circunvalação. Cortam-na os canais Namarra e Nhama e há meia dúzia de anos era mato espesso e impenetrável, sendo por isso ainda mais admirável a sua transformação». E segue-se a eloquente descrição.

O horror das secas, a praga dos gafanhotos que tudo devastam, a indolência manhosa da raça indígena, as operações de infiltração pelo interior em colunas de que fez parte e que descreve com dados de rigor, as missões católicas, o absurdo envio pela Metrópole de degredados como colonos, os palmares de coqueiros que ele próprio mandou plantar e o valor comercial da copra, assim como outras riquezas e anomalias várias, tudo isso é descrito com vigor e desassombro, em páginas apaixonantes de história pessoal e colonial, que bem poderiam inspirar os empresários cinematográficos para um filme de tão diversa cenografia.

Deste livro que meu filho mais velho encontrou um dia na Real Biblioteca Portuguesa do Rio de Janeiro, transcrevo excertos da primeira carta, sobre o “Carungo”, onde os meus filhos também brincaram na adolescência, na casa do avô Luís e da avó Irene, jogadora impenitente da canasta com as suas amigas de Quelimane, carta que contém, entre outras, a foto da casa, que reconheço por ter fotos idênticas.

Entretanto, a curiosidade levou-me a procurar o livro na Internet, que encontrei bastamente exposto. Creio que a 1ª edição foi de 1920, a 3ª de 1939, e, naturalmente, existe na Biblioteca Nacional. Penso que merece o destaque e maior ainda poderia ter tido durante os tempos colonialistas, em que poderia ter contribuído para sanar erros da administração de lá como de cá. Passou. Mas o retrato do povo português lá está, com os defeitos e virtudes de sempre. E entre esses, o retrato de Francisco Gavicho de Lacerda, homem de coragem e de princípios, “da velha linha dos Cabrais”, diria o seu neto Rui por brincadeira. Fico feliz por meu pai o ter lido, provavelmente comprou-o quando foi transferido para Quelimane, por um daqueles motivos da governação colonialista, de ostracismo tanta vez, e injustiça.

«Os Prazos da Zambézia»

Nota em rodapé: No prazo Carungo existem hoje 300 000 palmeiras sendo cerca de 100000, pertencentes ao arrendatário e o resto a vários proprietários, filhos do país, e a colonos que ali encontraram campo propício para a sua actividade, assegurando, também de alguma forma, o seu futuro. Devido à sua pequena área, é dos poucos prazos que têm mais da terça parte agricultada e plantada. As plantações estão divididas pelos três distritos de Carungo, Nametange e S. Domingos, em que está dividido o prazo, o que proporciona aos indígenas o trabalharem próximo das suas povoações, não havendo necessidade de os deslocar para longe delas. Este prazo, como acontece com os outros da Zambézia, está cortado por uma bela rede de estradas carreteiras, tendo-se construído pontes sobre os cursos de água e aterros sobre os terrenos pantanosos. Constroem-se nele embarcações de vária tonelagem; fabrica-se tijolo, cria-se toda a espécie de gado e não há género no país que ali se não cultive, quer para alimentação dos trabalhadores, quer dos animais. (…)»

««Perde-se na noite escura dos tempos a origem da antiga e histórica instituição dos prazos da Zambézia, cujas raízes fecundas, alastradas por esta tão vasta como rica região, têm resistido a todos os golpes , como os de 6 de Novembro de 1838, 22 de dezembro de 1854, e 27 de Outubro de 1880, lhes vibraram, a fim de extinguir tão benéfica como única e profícua instituição.

Por mais esforços que tenhamos feito e por mais trabalho que tenhamos empregado, ainda não conseguimos, até hoje, descobrir a origem do sistema dos prazos, a que a Zambézia deve o estado de riqueza e florescência a que chegou.

Mas parece que a divisão do território em prazos é quase tão antiga como o nosso domínio, assim como também datam dessa época as obrigações que regulavam o estabelecimento de portugueses naquelas magníficas paragens. Mais tarde, António Enes quando Comissário Régio, que a Moçambique dedicou excepcionais cuidados, viu, com olhos de ver, que o verdadeiro caminho para a prosperidade e engrandecimento da Zambézia, era o sistema dos prazos que ali estava enraizado há séculos, na índole dos seus povos, educados por gerações sucessivas de portugueses que para a Zambézia iam trabalhar, viver e morrer, e que da Zambézia faziam uma segunda pátria.

Aquelas vastíssimas extensões de terreno, cobertas de florestas virgens, de pântanos mortíferos, estão hoje transformadas em viçosos palmares de milhões de coqueiros, de plantações com léguas de extensão, de cana sacarina, de algodão, de sisal, de tabaco, milho, etc. (…………….)

O prazo Carungo, de que somos arrendatário, é um dos mais pequenos da Zambézia, situado na margem esquerda do Rio dos Bons Sinais, a umas dez milhas da Vila de Quelimane. Estende-se até à foz do Rio Linde, ficando, por assim dizer, encravado entre os prazos Inhassunje e Pepino..

Tem três estações agrícolas: Carungo, Tumbuíne e S, Domingos, com cerca de 83 000 palmeiras, metade em produção e 20 000 em viveiro, para novas plantações. A natureza do terreno, que é muito baixo, como todo o do grande delta do Zambeze, tem feito que hajam sido infrutíferas todas as outras tentativas de diversas plantações que temos experimentado, como café, borracha, sisal, etc.

Produz arroz em grande quantidade, feijão, mandioca e hortaliças e tem lindos pomares de laranjeiras, tangerineiras, ateiras, goiabeiras, papaieiras, etc

O seu arrendamento foi-nos dado por mais 15 anos, olhando aos serviços que prestámos em diversas campanhas e ao facto de termos agricultado maisde 1200 hectares de terreno a que, pelo primitivo contrato, não éramos obrigados.

É um dos três prazos da Zambézia que ainda não foi absorvido pelas grandes companhias e, apesar de termos pedido autorização ao governo e esta ter sido concedida e há dois anos publicada no Boletim Oficial da Província, para o trespassarmos para a sociedade do Madal, não o fazemos, porém, por nos acharmos ainda com forças para trabalhar, não obstante vinte anos de permanência nesta região, e por desejarmos que os nossos filhos venham, mais tarde, a seguir as nossas pisadas e acabar a nossa obra ideal de plantar todo o terreno susceptível de o ser. (…..)»»

Conclui a carta, após a referência à hospitalidade das suas gentes, com a crítica à indiferença dos governos por melhoramentos tão frequentemente pedidos e que “o seu desenvolvimento e a sua riqueza reclamam”, e pelos quais ele continuará sempre a bater-se.

 

 Berta Brás

 

http://fundacaogavichodelacerda.org/

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D