Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

O GUIÃO

 

 

O senso e o gosto

 

 

Comparo os textos da última página do “Público” – de sábado, 2/3 e de 3ª feira, 5/11 – o primeiro, de Vasco Pulido Valente – “Sem Sentido” – o segundo, de João Miguel Tavares – “Comichão na democracia”:

 

O primeiro, violento, certeiro nas afirmações raivosas, sobre o “Guião para a Reforma do Estado”, apresentado por Portas, numa prosa “oca e burocrática”, “série de lugares comuns, por que ninguém no seu juízo jamais se interessará”, o desprezo e a violência sobre os do Governo, continuando, em afirmações de extrema gravidade, que desenterram malquerenças, em ataques precisos a movimentações ambiciosas dos novos no poder, gente sem preparação, que tomou, ao que parece, de assalto e conivência corrupta com os apaniguados, um país a desfazer-se – “Passos Coelho que “veio para presidir a uma espécie de federação de municípios, só ligado por interesses pouco confessáveis, na melhor hipótese, e, na pior, pelo medo da polícia”, que “governou sob a protecção da troika, que lhe ofereceu um “ersatz” de programa económico e financeiro e desculpa ideal para uma política errada e perniciosa”…

 

O artigo de João Miguel Tavares, criticando também o guião de reforma apresentado por Portas, segundo a evidência espantada de todos os que a isso assistiram através da televisão – “aquelas ridículas 116 páginas em corpo 16 e espaçamento a duas linhas?” centra-se na indiferença ou desprezo da oposição sobre a discussão do dito documento. Não poupando os que governam, é o ponto de vista da oposição que apresenta - “pois ele que as vá debater com quem lhe apetecer” - é sobre esta que mais projecta a sua crítica: “Agora, com os partidos políticos com aqueles que alegadamente foram eleitos para o confronto de ideias no Parlamento, com esses, nem pensar. Eles não querem. Recusam. Não deixam. Para o PS, para o Bloco, para a CDU, discutir aquele documento seria indigno, repugnante, repulsivo, viroso…. ” A oposição “sempre tão lesta a defender os interesses do povo, a denunciar os ataques da direita uber-liberal… subitamente parece não ter qualquer problema em pronunciar as palavras “não discuto” numa democracia parlamentar. Como é que isso pode tido por normal?”

 

E o articulista prossegue , mostrando a necessidade de discutir o programa do guião –que “propõe, entre muitas outras coisas, inscrever limites para a despesa na Constituição, despedir funcionários públicos, (ou melhor, “flexibilizar o vínculo laboral”), atribuir a concessão de escolas a professores, fundir municípios, alterar a arquitectura do sistema judicial, reformar o IRS ou estabelecer um tecto nos descontos da Segurança Social e admitir a entrada de privados “- e condenando os partidos que, reduzindo o guião a “lixo” se fecham nesse desprezo impertinente e, no fundo, tacanho, de quem não tem argumentos para rebater as propostas, com outras propostas. E conclui: “Não admira que com esta oposição, tanto desgraçado como eu acabe a votar nos mesmos incompetentes. Eles são bastante maus, não há dúvida. Mas ao menos comprometem-se. Os outros limitam-se a balançar entre a birra, a histeria e o amuo.”

 

Dois artigos que, centrados num Guião e no Governo que o propõe, enveredaram por vias de diferente crítica – destrutiva e malévola a do primeiro, unilateral na denúncia dos desmandos e da impreparação dos actuais representantes do poder, fazendo tábua rasa dos atropelos dos anteriores, e das suas responsabilidades no clima de austeridade presente, pelas políticas de esbanjamento passadas - o segundo, mais equilibrado e honesto nas afirmações responsabilizantes de uns e outros, denunciando o panorama de penúria intelectual e moral daqueles que o povo aparentemente escolheu para os representar no Parlamento.

 

 Berta Brás


 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D