Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PORTUGUESES QUASE ESQUECIDOS – 2

 

 

JOÃO DAS REGRAS

 

 

Porquê desmerecer os actos e feitos de João das Regras? Porquê fazer desaparecer no pó da História e no tumulto dos acontecimentos a figura e a memória do homem que ocupou no seu tempo o primeiro lugar e cuja acção condiciona tão prestimosamente as transformações do futuro?

 

Só se pode entender tão funda hostilidade ou pelas ideias que ele representou ou pela necessidade de dar relevo a outras personagens que não se veriam, que nada seriam, senão colocados sobre o sólido e alto pedestal da sua obra. Porque João das Regras inovou, reformou, administrou sobre princípios inteiramente diferentes daqueles até então adoptados na Administração portuguesa. E por isso feriu ideias pré-concebidas, prejudicou interesses poderosos, passou por cima de privilégios consagrados, introduziu no Governo pela primeira vez elementos novos provindos do anonimato das classes oprimidas ou desdenhadas.

 

Mas é preciso notar que João das Regras surgiu para a vida pública pelas imposições duma revolução e era natural que, na rigidez da sua probidade, quisesse realizar as ideias que a inspiraram e aproveitar os elementos que para ela contribuíram e satisfazer os interesses que ela sugerira.

 

A revolução de 1383 era a expressão da ansiedade dum povo que se via perdido no turbilhão das mais vis competições e que fazia aquele esforço desesperado para se salvar. O que ela continha de aspiração indefinida, de vontade desordenada e de força fecundante, só o espírito avisado e a sabedoria de João das Regras podiam compreender e realizar.

 

É por isso que ele é a figura primacial do Governo saído da revolução, o inspirador das suas reformas, o orientador da sua acção política e que impõe à sua organização um cunho nitidamente popular, livre de abusivas intromissões aristocráticas, liberto de todas as veleidades despóticas. E é ele ainda que comanda s última fase da revolução conduzindo com superior domínio as Cortes de Coimbra de 1385 donde saiu definitivamente consolidada a independência do novo Portugal.

 

E de que novo Portugal se tratava? Claramente, o resultante das novas ideias que João das Regras trouxera de Bolonha em cuja Universidade cursara Direito.

 

A Idade Média envolvia o mundo no manto das suas trevas. O poder era despótico, os princípios brutais, a Igreja absorvente e autoritária. A ciência e a instrução estavam nas mãos dos clérigos e dos monges e o pensamento livre rigorosamente proscrito.

 

Pelo contrário, Bolonha era uma cidadela do pensamento secular que se defendia asperamente das interferências e pressões das autoridades eclesiásticas. Os doutores que saiam das entranhas da sua sabedoria pertenciam a todas as classes e a todas raças e eram os homens que, por toda a parte, substituíam nos lugares de direcção política aqueles que até ali tinham ocupado por mero privilégio as nascimento. A Escola de Bolonha opunha, assim, à realidade precária do privilégio a realidade eterna do espírito científico.

 

Se no campo de Aljubarrota se feriu uma batalha decisiva no ponto de vista militar, nas Cortes de Coimbra feriu-se uma batalha não menos decisiva no ponto de vista político. Pode mesmo dizer-se que a vitória militar de Aljubarrota não seria possível sem a vitória política de Coimbra.

 

«Em Coimbra, o Grão Doutor é o general e o chefe. Essa batalha de discursos era diversa mas não menos brava de pelejar; porque uma grande parte da nobreza, decidida a defender o reino do castelhano, não o estava a aclamar Rei ao Mestre de Avis.» – Oliveira Martins, in História de Portugal

 

É ali [nas Cortes de Coimbra] que se opera, pela acção de João das Regras, a reconciliação da nobreza soba ideia que se tornou unânime da eleição do Mestre de Aviz e a união de todas as classes subordinadas ao pensamento comum e superior de salvar a independência do reino.

 

Apesar da incidência das suas acções, nunca o vencedor de Aljubarrota se pôde entender com o construtor do novo Estado. Eram dois temperamentos diversos e representavam duas doutrinas opostas.

 

Nun’Álvares era um cavaleiro medieval cuja visão se perdia nos horizontes longínquos da ilusão e da lenda e João das Regras um Doutor de cultura positiva que procurava no estudo das ideias e na compreensão dos factos a melhor forma de governar os povos. Um na aventura guerreira e o outro na acção política conquistaram duas glórias diferentes e antagónicas sendo certo que, pela natureza dos tempos, é a glória do Condestável que ensombra a glória porventura mais fecunda do homem de Estado.

 

Uma espada heróica e vitoriosa brandida no cenário agitado dum campo de batalha presta-se mais para os enaltecimentos teatrais da História do que as realizações governativas lentamente operadas no campo silencioso e árido da administração. O herói seduz as imaginações propensas às construções lendárias; o político apenas suscita a curiosidade dos estudiosos inclinados à crítica a à análise. O herói projecta na História a própria figura nimbada da luz das suas vitórias; a obra do político não mostra os seus efeitos senão nas morosas transformações que, com outros nomes e sob outras legendas, se operam nas épocas que se vão seguindo. Assim, o que ficou na História marcando a acção culminante deste período foi a epopeia de Aljubarrota cujo clarão ofuscou o valor mesmo dos actos que a prepararam e a tornaram possível.

 

Outra razão a considerar para explicar o ostracismo histórico a que foi condenado o grande legista é que os cronistas eram áulicos, pertenciam à domesticidade dos Reis e escreviam por encomenda e por ordem, assinalando-se-lhe a orientação e os feitos que deviam louvar nos seus escritos. E assim, Fernão Lopes exalta a glória de Nun’Álvares que não diminui a glória de D. João I mas vai engalanando o Rei com os louros que deviam pertencer a João das Regras. Para isso, é preciso esconder o Chanceler, desvanecê-lo, eclipsá-lo, ficando os resultados da sua magnífica influência política, que encheu de grandeza o reinado, no activo do Mestre de Aviz.

 

 Henrique Salles da Fonseca

 

BIBLIOGRAFIA:

Carlos Olavo, «João das Regras – jurisconsulto e homem de Estado», Livraria Editora Guimarães & Cª, Lisboa, ed. 1941, pág. 10 e segs.

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D