Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

HISTÓRIAS DA NAÇÃO GOESA

 

 

DESFEITO O SONHO DO BRASIL DUM EMIGRANTE GOÊS

 

 

 

Nem todos os sonhos acabam bem. Diz-se que Ícaro com asas postiças subiu ao céu a maravilhar-se com a beleza da Terra e... zás, estatelou-se no chão com as asas desfeitas.

 

Leonardo da Vinci (1452/1519) sonhou e idealizou projectos de vários engenhos, comboios, motores, aviões e helicópteros cuja realização se fez passados alguns séculos.

 

Na Segunda Grande Guerra, um moço de Benaulim, Salcete (Goa), embarcou em Mormugão no navio de passageiros SS. Karagola com destino a Mombaça no Este Africano. Um submarino japonês afundou o navio perecendo milhares de homens, mulheres e crianças, incluindo centenas de goeses (passageiros e tripulantes).

 

Porém, aquele moço com o passaporte português, quando acordou viu que estava em Singapura, base naval inglesa tomada e ocupada pelos nipónicos.

 

São casos de fragilidades dos sonhos que a História nos aponta...

 

* * *

 

 

A história da vida de Brás António de Meneses, natural da Raia, Salcete, segundo filho varão de Francisco de Meneses e de Maria Prudência Soares que, após estudos liceais e das Humanidades no Seminário de Rachol, aportara na Ilha de Moçambique e lá ficara a exercer um cargo público.

 

Não se sentia feliz porque andava acicatado pelo sonho do Brasil onde queria chegar percorrendo o sertão africano, de Moçambique a Angola e dali seguir num vapor que o levasse ao grande e sedutor Brasil.

 

Com a leitura das façanhas dos grandes exploradores do sertão africano, como David Livingstone (1813/73), Henry M. Stanley (1841/1914), Hermenegildo de Brito Capelo (1841/1917), Verney M. Cameron (1844/1894), Alexandre Serpa Pinto (1846/1900) e Roberto Ivens (1850/1898), o jovem Brás Meneses, certo dia deixou o sem emprego e meteu-se num camião juntamente com vários pombeiros das mais diversas etnias, sobretudo comerciantes hindus (banianes), maometanos (afro-indianos), alguns mistos, ao quais demandavam o interior do sertão africano para aí vender roupas, artigos de mercearia e outras bugigangas aos chefes tribais da região a percorrer.

 

Não há qualquer relato oral ou escrito sobre as condições em que o de cujus havia partido dominado pelo sonho do Brasil. Como não era mercador, talvez levasse apenas algumas moedas de oiro para o seu sustento em terras de Angola, para compra duma passagem marítima até ao Brasil a ainda o suficiente para lá se aguentar à cata de emprego. Todo o seu projecto estava bem traçado mas o destino final foi bem outro.

 

Na volta da caravana de pombeiros a Moçambique, deu-se a triste notícia de que o ilustrado emigrante goês sucumbira algures no interior do sertão africano roído pelas febres da malária, de biliose ou da doença-do-sono. O infortunado, correndo a trás do seu sonho do Brasil, morreu em circunstâncias lamentáveis.

 

Enquanto o infeliz moço se finava no interior do sertão africano, os seus dois irmãos – Nicolau Tolentino e Pedro Francisco – trabalhavam: um em Inhambane (Moçambique) como funcionário público e o outro em Nairobi (Quénia) como bancário. Através dos anos, esses irmãos do falecido fizeram as respectivas carreiras e constituíram numerosas proles com filhos de ambos os sexos. Vários desses filhos exerceram ou ainda exercem cargos importantíssimos em Moçambique, Quénia, Portugal, Inglaterra, Estados Unidos, França e Canadá.

 

Na impossibilidade de encontrar os restos mortais do irmão e lhe dedicar uma lousa, os dois irmãos, Nicolau e Pedro, resolveram baptizar os filhos varões com o nome de Brás António.

 

Dito e feito, cumpriram o acordo combinado: Nicolau Tolentino deu ao primeiro filho varão (terceiro na filiação) o nome de MÁRIO BRÁS ANTÓNIO SANTANA DE MENESES, repetindo o nome Brás António no segundo filho varão. Tanto o primeiro como o segundo foram distintos profissionais.

 

Como arquitecto (com 20 valores e 42 anos ao serviço na Câmara Municipal de Cascais), Mário Meneses é uma das mais prestigiadas personalidades da Costa do Estoril; técnico superior de vulto, deixou uma obra valiosa e revelou-se como humanista junto do Vaticano no Processo de Restauração da Paz em Moçambique (1992), tendo sido galardoado com a Medalha de Ouro da Academia de Letras e Artes de Portugal. O Arq. Mário Meneses visitou o Brasil (1992) na ocasião da sua participação no Congresso Mundial do Ambiente e Ecologia (ECO92) realizado no Rio de Janeiro após cuja conclusão foi alvo de caloroso acolhimento com atribuição de comenda, medalhas, palma e aceitação como sócio de várias instituições científicas, culturais e sociais, incluindo as Associações Portuguesas e Luso-Brasileiras, sobretudo no Estado do Espírito Santo.

 

O seu irmão, José Brás António, é conceituado engenheiro civil com distinta carreira académica. Serviu algumas grandes empresas construtoras portuguesas na construção de pontes e estradas mas depois estabeleceu-se por conta própria como engenheiro construtor de prédios urbanos.

 

Em Nairobi (Quénia), Pedro Francisco teve duas filhas e quatro filhos pelo que ao primeiro filho varão (segundo na filiação) deu o nome de Brás Orlando Francisco de Meneses. Este, é natural de Nairobi (1939) e após estudos secundários formou-se arquitecto pela Universidade de Nairobi e especializou-se em urbanismo pela Universidade de Liverpool (Inglaterra). Depois, foi professor de Arquitectura e Urbanização no Quénia; tendo entrado ao serviço do Banco Mundial, foi Chefe da Missão Especial em Brasília (1978/99); já aposentado, foi fixar-se em Toronto, Canadá, onde mantém o seu escritório de arquitecto e urbanista; nos seus ócios dedica-se às letras devendo brevemente editar a sua primeira novela histórica.

 

Por estranho destino, coube aos arquitectos Mário Brás António Santana de Meneses e ao seu primo co-irmão arquitecto-urbanista Brás Orlando Francisco de Meneses realizarem o sonho do Brasil do seu infortunado tio parente Brás António de Meneses, perdido no sertão africano.

 

Alcobaça, 2 de Agosto de 2010

 

 Domingos José Soares Rebelo

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D