Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

HISTÓRIAS DA NAÇÃO GOESA

 

 

DESFEITO O SONHO DO BRASIL DUM EMIGRANTE GOÊS

 

 

 

Nem todos os sonhos acabam bem. Diz-se que Ícaro com asas postiças subiu ao céu a maravilhar-se com a beleza da Terra e... zás, estatelou-se no chão com as asas desfeitas.

 

Leonardo da Vinci (1452/1519) sonhou e idealizou projectos de vários engenhos, comboios, motores, aviões e helicópteros cuja realização se fez passados alguns séculos.

 

Na Segunda Grande Guerra, um moço de Benaulim, Salcete (Goa), embarcou em Mormugão no navio de passageiros SS. Karagola com destino a Mombaça no Este Africano. Um submarino japonês afundou o navio perecendo milhares de homens, mulheres e crianças, incluindo centenas de goeses (passageiros e tripulantes).

 

Porém, aquele moço com o passaporte português, quando acordou viu que estava em Singapura, base naval inglesa tomada e ocupada pelos nipónicos.

 

São casos de fragilidades dos sonhos que a História nos aponta...

 

* * *

 

 

A história da vida de Brás António de Meneses, natural da Raia, Salcete, segundo filho varão de Francisco de Meneses e de Maria Prudência Soares que, após estudos liceais e das Humanidades no Seminário de Rachol, aportara na Ilha de Moçambique e lá ficara a exercer um cargo público.

 

Não se sentia feliz porque andava acicatado pelo sonho do Brasil onde queria chegar percorrendo o sertão africano, de Moçambique a Angola e dali seguir num vapor que o levasse ao grande e sedutor Brasil.

 

Com a leitura das façanhas dos grandes exploradores do sertão africano, como David Livingstone (1813/73), Henry M. Stanley (1841/1914), Hermenegildo de Brito Capelo (1841/1917), Verney M. Cameron (1844/1894), Alexandre Serpa Pinto (1846/1900) e Roberto Ivens (1850/1898), o jovem Brás Meneses, certo dia deixou o sem emprego e meteu-se num camião juntamente com vários pombeiros das mais diversas etnias, sobretudo comerciantes hindus (banianes), maometanos (afro-indianos), alguns mistos, ao quais demandavam o interior do sertão africano para aí vender roupas, artigos de mercearia e outras bugigangas aos chefes tribais da região a percorrer.

 

Não há qualquer relato oral ou escrito sobre as condições em que o de cujus havia partido dominado pelo sonho do Brasil. Como não era mercador, talvez levasse apenas algumas moedas de oiro para o seu sustento em terras de Angola, para compra duma passagem marítima até ao Brasil a ainda o suficiente para lá se aguentar à cata de emprego. Todo o seu projecto estava bem traçado mas o destino final foi bem outro.

 

Na volta da caravana de pombeiros a Moçambique, deu-se a triste notícia de que o ilustrado emigrante goês sucumbira algures no interior do sertão africano roído pelas febres da malária, de biliose ou da doença-do-sono. O infortunado, correndo a trás do seu sonho do Brasil, morreu em circunstâncias lamentáveis.

 

Enquanto o infeliz moço se finava no interior do sertão africano, os seus dois irmãos – Nicolau Tolentino e Pedro Francisco – trabalhavam: um em Inhambane (Moçambique) como funcionário público e o outro em Nairobi (Quénia) como bancário. Através dos anos, esses irmãos do falecido fizeram as respectivas carreiras e constituíram numerosas proles com filhos de ambos os sexos. Vários desses filhos exerceram ou ainda exercem cargos importantíssimos em Moçambique, Quénia, Portugal, Inglaterra, Estados Unidos, França e Canadá.

 

Na impossibilidade de encontrar os restos mortais do irmão e lhe dedicar uma lousa, os dois irmãos, Nicolau e Pedro, resolveram baptizar os filhos varões com o nome de Brás António.

 

Dito e feito, cumpriram o acordo combinado: Nicolau Tolentino deu ao primeiro filho varão (terceiro na filiação) o nome de MÁRIO BRÁS ANTÓNIO SANTANA DE MENESES, repetindo o nome Brás António no segundo filho varão. Tanto o primeiro como o segundo foram distintos profissionais.

 

Como arquitecto (com 20 valores e 42 anos ao serviço na Câmara Municipal de Cascais), Mário Meneses é uma das mais prestigiadas personalidades da Costa do Estoril; técnico superior de vulto, deixou uma obra valiosa e revelou-se como humanista junto do Vaticano no Processo de Restauração da Paz em Moçambique (1992), tendo sido galardoado com a Medalha de Ouro da Academia de Letras e Artes de Portugal. O Arq. Mário Meneses visitou o Brasil (1992) na ocasião da sua participação no Congresso Mundial do Ambiente e Ecologia (ECO92) realizado no Rio de Janeiro após cuja conclusão foi alvo de caloroso acolhimento com atribuição de comenda, medalhas, palma e aceitação como sócio de várias instituições científicas, culturais e sociais, incluindo as Associações Portuguesas e Luso-Brasileiras, sobretudo no Estado do Espírito Santo.

 

O seu irmão, José Brás António, é conceituado engenheiro civil com distinta carreira académica. Serviu algumas grandes empresas construtoras portuguesas na construção de pontes e estradas mas depois estabeleceu-se por conta própria como engenheiro construtor de prédios urbanos.

 

Em Nairobi (Quénia), Pedro Francisco teve duas filhas e quatro filhos pelo que ao primeiro filho varão (segundo na filiação) deu o nome de Brás Orlando Francisco de Meneses. Este, é natural de Nairobi (1939) e após estudos secundários formou-se arquitecto pela Universidade de Nairobi e especializou-se em urbanismo pela Universidade de Liverpool (Inglaterra). Depois, foi professor de Arquitectura e Urbanização no Quénia; tendo entrado ao serviço do Banco Mundial, foi Chefe da Missão Especial em Brasília (1978/99); já aposentado, foi fixar-se em Toronto, Canadá, onde mantém o seu escritório de arquitecto e urbanista; nos seus ócios dedica-se às letras devendo brevemente editar a sua primeira novela histórica.

 

Por estranho destino, coube aos arquitectos Mário Brás António Santana de Meneses e ao seu primo co-irmão arquitecto-urbanista Brás Orlando Francisco de Meneses realizarem o sonho do Brasil do seu infortunado tio parente Brás António de Meneses, perdido no sertão africano.

 

Alcobaça, 2 de Agosto de 2010

 

 Domingos José Soares Rebelo

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D