Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

IMPAGÁVEL AMIGO SINTO

 

 

Tinha o Sinto os seus onze anos quando, num dia de Sol, foi passear de mão dada com uma rapariguinha da mesma idade de quem muito gostava, para o porto de Palma de Maiorca. Iam ver o mar e os barcos, paixão que lhe vem de pequeno. Durante o passeio, a sua pequena amiga parou no pontão junto de um bonito veleiro e sugeriu que seria boa ideia meterem-se naquele barco e juntos partirem para dar a volta ao Mundo.

 

Com onze anos já o Sinto era bom velejador, consciente das suas limitações e da dificuldade que uma aventura dessas representava. Disse então à rapariga que ainda era muito novo para isso e que nem teria forças para largar as amarras dum veleiro daqueles. Fez, no entanto, a promessa de que enquanto fossem pequenos, dariam sempre em sonhos a volta ao Mundo um com o outro, mas assim que fossem grandes fariam a viagem de verdade. Estava prometido.

 

Cresceram, a rapariga transformou-se numa mulher formidável em todos os aspectos, com quem casou e de quem teve seis filhos.

 

No entanto, na altura própria, o Jacinto já não podia contar com a rapariga dos seus sonhos de menino. Tinha morrido. Mas como a promessa estava feita, embora noutras circunstâncias, inscreveu-se na regata cumprindo assim parcialmente a sua promessa de criança.

 

O que é de facto espantoso é que o Sinto, completamente cego há vinte e cinco anos, não se deixa de qualquer forma vencer pelas adversidades da vida, continua a ser um bom velejador e a navegar no seu barco com a ajuda de um dos filhos à volta do Mundo.

 

Conversa ao jantar em Puerto Ayora, Arquipélago das Galápagos, durante a regata de circum-navegação da Expo 98.

 

 Luís Vaz de Almada

 

 

In OITO MESES NO MAR, Luís Vaz de Almada – Ed. EXCALIBUR, 1ª edição 1998, pág. 71 e seg.

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D