Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

SER PORTUGUÊS

 

  

Mas ponde os olhos em António, vosso pregador, e vereis nele o mais puro exemplar da candura, da sinceridade e da verdade, onde nunca houve dolo, fingimento ou engano. E sabei também que para haver tudo isto em cada um de nós, bastava antigamente ser português, não era necessário ser santo.

  Padre António Vieira, SJ

 

Um dia, voava no interior dos EUA, para LA, se não me engano muito, quando apareceu na cabine de pilotagem um figurão que se dizia português, e deu-nos o seu cartão em que dizia em muito reles linguajar que se chamava "Manny" qualquer coisa e negociava em "Real Estate", e acrescentava "trato com toda a senseriedade". O pobre do homem era traído pelo seu mau português e obviamente não conhecia este passo do Padre António Vieira, nem talvez fosse já português, como muitos agora há por aí que, odiando o Portugal, o querem fazer ao seu tamanho e feitio.

 

Há dias, tendo escrito eu que fazer uma "Revolução" na Democracia para reinstalar a Democracia, era simplesmente absurdo, respondeu-me um fulano, que não sei quem seja, que respeitava a minha veterania, mas que na verdade as Revoluções se fazem, não me explicitando se queria ou não a democracia. As pessoas ainda têm medo de falar claro, e dominadas pela emoção e pela raiva, querem a democracia, sem saberem o que ela é.

 

A democracia pode ser um bom regime político, se os eleitores forem bons democratas. Não parece ser o caso. De qualquer maneira, é preciso dar tempo ao tempo e esperar pelos resultados.

 

Parece-me que os "democratas" que mais berram entre nós não são democratas, mas raivosos e invejosos berradores. Com estes não há regime político que sirva honestamente o país.

Erich Fromm, o já falecido psicólogo social germano-americano, escreveu que o comunismo era o sistema internacional da inveja. Ora inveja há muita em Portugal. Que fazer? Uma Revolução? Para quê?

 

Uma nação não se cura com mezinhas, nem com falsos mitos, nem com Revoluções, mas sim com trabalho honesto e fé em Deus.

 

Não mais, Musa, não mais, que a Lira tenho

Destemperada e a voz enrouquecida,

E não do canto, mas de ver que venho

Cantar a gente surda e endurecida.

O favor com que mais se acende o engenho

Não no dá a pátria, não, que está metida

No gosto da cobiça e na rudeza

Duma austera, apagada e vil tristeza.

 

(Os Lusíadas, Canto X, 145)

 


Joaquim Reis

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D