Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

«VAE VICTIS! VAE PARVULIS!»

 

 

A COMUNIDADE LUSO-BRASILEIRA

 

Quase onze milhões de quilómetros quadrados de territórios espalhados pelos cinco continentes e permitindo dar a volta ao mundo, num avião médio ou num pequeno navio, sem tocar senão em territórios portugueses ou brasileiros: mais de cento e sete milhões de almas abarcando todas as raças e religiões; cidades tão grandes, tão belas ou tão pitorescas como o Rio de Janeiro, Lisboa, São Paulo, Porto, Macau ou Coimbra; rios como o Amazonas, o Zaire, o Zambeze, o Tejo, o Cuanza, o Douro, o Rovuma e o Cunene; montanhas como a Estrela, a Chela, o Pico da Neblina ou o Ramelau; mais de doze milhões de crianças no ensino primário, dois milhões de rapazes e raparigas no ensino secundário e 54 universidades com cerca de 160.000 estudantes; o domínio absoluto na produção mundial de café; o primeiro lugar na produção mundial de cortiça, bananas, feijão, sisal e sementes de linho – tais são apenas algumas qualificações da Comunidade Luso-Brasileira à escala mundial...

 

Para quem pense alguns instantes no que significa existirem, na mesma comunidade, sem discriminação de raças nem de religiões, a alegria do minhoto, a austeridade do transmontano, a comunicabilidade jovial do brasileiro, a ironia do lisboeta, a perseverança do caboclo, a paciência e a delicadeza do macaísta, a bravura dos landins ou cuanhamas, o optimismo do negro, a frugalidade do amarelo, o poder de iniciativa do branco e tudo isto misturado no mestiço que é o novo homem do mundo lusíada, enriquecido com as virtudes dos mais nobres povos da velha Europa, de muitas etnias de África e de centenas de milhares de asiáticos que se juntaram no Brasil – quem se debruçar por momentos sobre esta espantosa e ímpar realidade demográfica da Comunidade Luso-Brasileira, não hesitará em concluir que é nela que melhor se realiza o Homem Universal.

 

 REIS VENTURA, Manuel Joaquim (1910-1988), in "Em Defesa de Angola"

 

* * *

 

Como? Como é possível que hoje em dia, não haja Comunidade, nem Império, nem Irmandade, nem Solidariedade, nem União, nem sequer o legítimo orgulho de ser luso-português? Como é possível que andemos rastejando numa espúria "União Europeia", mendigando atenção e ordens, como um pobre desgraçado, perdido num mundo inóspito e trocista?

 

O que tornou isto possível? Foi um bando reduzido de "capitões" traidores e cobardes? Foi a pobreza de espírito duns fulanões vigaristas, estúpidos invejosos, ambiciosos oportunistas, que odeiam Portugal? Que foi? Foi tudo isto, ou foi o acaso? Não vou julgar ninguém, porque não tenho autoridade nem competência para o fazer, mas posso dizer, porque vi e senti, e com isso me arrepiei, que após certa data muito pacóvio se sentia ufano por estar em "democracia" e pertencer à "Europa", como se isso fosse alguma conquista e tivesse algum significado transcendente. Pobres daqueles que confundem uma grande derrota com  uma vitória e largam tudo julgando ficar ricos com nada, não sendo franciscanos nem sequer tementes a Deus. Vae victis! Vae parvulis!

 

Joaquim Reis

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D