Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Crónicas de África

 

A OPA lusófona

 

            Muito se tem escrito e opinado sobre as OPAs que animam o mercado português. Contudo, nada é verdade. Há alguns meses atrás, durante uma jornada de reflexão sobre o papel dos mercados lusófonos para a economia portuguesa, foi decidido que a Portugal Telecom (PT) lançasse uma OPA sobre a totalidade de Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé. As contas eram simples. Estes três países apresentam, por atacado, um PIB anual que ronda os 1,5 mil mihões de dólares. Ora, só em proveitos, a PT alcançou no ano passado os 6,3 mil milhões de Euros. Embora politicamente incorrecto, a tentação falou mais alto. Mas como as paredes têm ouvidos, alguém avisou os governos daqueles países. Estes, sabendo da forte ligação que a Microsoft tem, através da Fundação Gates, com Moçambique, pediram ao governo deste país que intercedesse junto de Bill Gates E está explicada a razão da vinda do milionário a Portugal. Qual Plano Tecnológico, qual quê! A conversa foi simples: ou estão quietinhos ou eu lanço uma OPA a Portugal (de recordar que o PIB português são cento e tal mil milhões de dólares e que as receitas da Microsoft são cerca de 40 mil milhões de dólares...). O governo meteu a viola no saco e foi repensar a estratégia. Bingo! Angola! Angola é que é o futuro, tudo começará por ali. Há que tomar o mercado. Como? Antes do mais, afastando qualquer indício da participação directa do governo. Como fazer? Convence-se Belmiro de Azevedo a lançar uma OPA à PT (está agora percebido porque aquele não quer o Brasil mas afirma que África é para apostar). Depois, a SONAE/PT lança uma OPA à Unitel, onde detém uma importante participação, e depois às outras operadores do mercado. Entretanto, para apoiar o enorme esforço financeiro de conquista do mercado angolano, aconselhou-se o BCP a lançar uma OPA sobre o BPI e um mês depois sobre o BES. Entretanto, a CGD abriria também em Angola, o que já está em andamento, para dar uma ajudinha, por fora, claro, pois é público. Este novo banco, Tugangola, lançará diversas OPAs nas áreas onde detêm já interesses consolidados, nomeadamente sobre a Endiama, nos diamantes. Mas como a pérola é o petróleo, foi pedido a Américo Amorim que abrisse um banco em Angola, se aliasse a uma das filhas do presidente, e que depois contaria com o apoio do novo grupo bancário português para lançar uma OPA sobre a SONANGOL. Acontece que, entretanto, aquele empresário adquiriu uma participação na GALP, juntamente com a filha do presidente e ainda a SONANGOL. E de imediato prepara-se para anunciar uma OPA sobre a GALP. Julgavam que os angolanos andavam a dormir? E para tornar mais atraente a oferta junto dos investidores, vai ser proposto que Mantorras seja o futuro CEO da empresa e que, para além da contrapartida monetária por acção, cada 100 acções permitirão gozar uma semana de férias no Mussulo durante os próximos dez anos. Perante tal traição, o empresário português encontra-se exilado nas ilhas Tuvalu. Não menos interessante são as OPAs da UNICER sobre a totalidade das cervejeiras do país, o sector industrial mais dinâmico e garantido, do Grupo Pestana sobre o condomínio do Futungo de Belas agora que o presidente angolano se mudou para a Cidade Alta, e da Soares da Costa e Mota/Engil sobre as construtores. Neste último caso é improvável o sucesso já que o governo angolano pediu ajuda à China. Esta prepara-se para OPAR as construtoras portuguesas.

Finalmente, e aqui reside a questão central da deslocação de José Sócrates a Angola, a Pastelaria Pastéis de Belém, totalmente apoiada pelo novo vizinho Cavaco Silva e suportada num parecer jurídico do ministro dos Negócios Estrangeiros, Freitas do Amaral, lançou uma OPA, ainda por cima hostil, à cadeia de Pastelarias luandense Maravilha. O melindre político é evidente e por aqui passará o futuro das relações luso-angolanas.

 

PS: de acordo com o insupeito canal financeiro Bloomberg, as empresas Bacalhau Pascoal, Conservas de Atum Ramirez e Conservas de Sardinha Bom Petisco, como forma de internacionalizarem a sua presença nas mesas dos falantes de português, preparam-se para lançar uma OPA à CPLP...  

 

Manuel Ennes Ferreira

Professor do Departamento de Economia do ISEG

Publicado em 21 de Março de 2006 no "Diário Económico"

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D