Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

AS URGÊNCIAS DA NOSSA RELATIVIDADE

 

 

É com Oliveira Martins e o estado actual da Nação, com breves investidas nos textos daquele para melhor acentuação das semelhanças entre passado e presente, e idêntico sentido crítico com que ambos os historiadores envolvem a respectiva contemporaneidade, que Vasco Pulido Valente inicia o seu artigo do Público, de 20 de Setembro Nada de espantar”: «Joaquim Pedro Oliveira Martins foi o homem que melhor percebeu o Portugal da segunda metade do século XIX.”

 

Com efeito, ambos os historiadores parecem irmanados numa comum arte narrativa de historiar os factos da sua contemporaneidade, tendente a uma percepção objectiva da realidade, mas não isenta de zargunchadas críticas, resultantes de idêntica análise polifacetada de um país que endemicamente descambou em situações economicamente catastróficas:

 

Os políticos falam hoje constantemente de “erros do passado” mas sem nunca explicarem de que “erros” se trata e sem nunca dizerem com alguma clareza o que espera o país. Com outro carácter e coragem, Oliveira Martins escreveu, em 1894, que a “nação” “se encontrava” perante uma pergunta “vital” : “Há ou não há recursos bastantes, intelectuais, morais, sobretudo económicos, para subsistir como povo autónomo dentro das estreitas fronteiras portuguesas.” Como se chegou aqui em 1894 e como se chegou aqui em 2013? Num artigo breve e claro, Oliveira Martins tenta responder. E a resposta só surpreenderá o pior analfabeto em circulação.

 

Em 1851, no começo da maior expansão do capitalismo na Europa, as potências financeiras do tempo (a Inglaterra e a França) voltaram a ver em Portugal uma boa oportunidade “a explorar” e as bolsas, “passando a esponja do esquecimento” sobre as “bancarrotas” anteriores, “abriram os seus cofres”. Em 40 anos, o nosso “Tesouro Público (…) conseguiu obter por empréstimo uma soma aproximadamente de 90 milhões esterlinos efectivos, em bom ouro”. O resultado acabou por um “cenário” “que dava a Portugal a aparência de um país rico”, “coalhado” de caminhos-de-ferro e também de estradas, com dois portos modernos, Lisboa e Leixões. E os governos iam garantindo a paz doméstica com o “comunismo burocrático”, que vinha substituir o antigo “comunismo monacal”: o Estado contratou “muitos milhares de funcionários, mais ou menos opiparamente prebendados”, “a legião nova dos beneficiados de obras públicas e centenas de concessionários”, que rapidamente enriqueceram.

 

Infelizmente não se podia viver “salariando a ociosidade” e “suprindo a escassez do trabalho interno com subsídios oficiais”, à custa do dinheiro de fora. Portugal não se aguentaria, se continuasse a depender de “recursos estranhos ou anormais”, e não do “fruto” da sua produção e economia. Isto “não era segredo para ninguém mediocremente instruído”. E não se deve considerar o fontismo um erro, como não se deve considerar a política da II República um erro ou uma série de erros. Nos dois casos a fortuna enganadora” do país serviu a ambição e o interesse da elite que tomou conta do regime e de uma classe média ignorante, cretinizada pelos partidos. E quem se espantar que se espante primeiro de si.

 

O mergulhar, pela pena de Pulido Valente, em excertos de Oliveira Martins, leva-me a transcrever ainda, (por me parecer pertinente de actualidade e de “relativa” utilidade), de “Explicações”, antepostas à 2ª edição de «Portugal Contemporâneo» (1883), de Oliveira Martins, o penúltimo parágrafo crítico e moralizador, (se é que este último adjectivo não provoca antes o riso superior dos que o aboliram da sua prática, pelo preconceito, tão banalizado já, da “relativização” dos conceitos:

 

As necessidades urgentes de Portugal são maiores e mais complexas (do que as preconizadas pelos que, “educados ainda no radicalismo, pensavam que o seu ofício consistia em pregar moral e em decretar reformas radicais”). Liberdade há suficiente, demais até: ninguém pensa hoje em dia em atacar esses direitos do indivíduo que andam erradamente nas Constituições, quando o seu verdadeiro lugar seria o código civil; mas urge reformar num sentido prático os sofismas que, sob o nome de “liberdades”, corrompem até à medula o corpo desta sociedade. Urge moralizar a administração e extirpar o parasitismo que nos rói. Urge pôr um ponto de ordem no desvairado rumo das finanças, no regime iníquo e absurdo do imposto. Urge suster na queda, ou amparar na nascença, a navegação e as indústrias para os nossos filhos não serem forçados, à míngua de ocupações, a pedir por esmola um emprego. Urge povoar um território meio deserto e plantar gente nas brenhas que por toda a parte mancham o País. Urge acabar com a agiotagem que, alimentando um Tesouro mendigo, nos conduz rápido à ruína. Urge, numa palavra, moralizar uma política desvairada, levantar uma autoridade abatida; e levantá-la não pela força, mas pelo respeito devido ao saber e ao carácter; urge restaurar as forças económicas de uma nação adormecida e o vigor moral de um povo atormentado.

 

Mas o nosso mal é como tumor maligno ramificado no território, de pequena gente saracoteante e palradora. Aponto o exemplo de populações de freguesias destruindo urnas de voto ou boicotando as eleições por motivo da agregação da sua a outras freguesias e o mulherio guinchando razões de vaidades feridas, sem ter em conta as necessidades pecuniárias de reformas administrativas. E aponto, é claro, as vaidades regurgitantes dos partidos que ganharam aos do Governo, que palram e palram também sem terem em conta as contas, por hábito velho de parasitismo. Não diferem do mulherio.

 

As urgências pedidas por Oliveira Martins não são exequíveis, que o nosso mal é endémico. E recuado.

 

 Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D