Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

A SUBMISSÃO DA SIBÉRIA POR ERMAK – 1

 

 

Na antiga Moscóvia, a mercadoria mais preciosa eram as peles. Da Inglaterra e da Pérsia, da Holanda e da Turquia chegavam mercadores em busca de peles. Mas os animais selvagens afastavam-se cada vez mais dos caçadores para leste, e as peles encareciam. A caça selvagínea chegou até à cintura pétrea, como então se chamavam os montes Urais.

 

Para lá dos Urais começava a Sibéria e para norte os "países da meia-noite". A respeito dos países da meia-noite, corriam na Rússia boatos estranhos. Falava-se que aí vivia gente que tinha a boca na testa e quando comia punha a carne ou o peixe sob o capuz e os ombros deles moviam-se como maxilares, para cima e para baixo. Havia também gente sem cabeça: as bocas deles estavam entre os ombros, e os olhos no peito. No Inverno, quando apareciam os gelos, essas pessoas gelavam e ficavam de pé como árvores. Mas na Primavera, quando o Sol aquecia, elas desenregelavam e animavam-se.

 

E puseram-se os russos a andar pelo país da meia-noite; penetraram para além dos Urais em direcção à foz do rio Ob'. Os Samuedos e os ostiakos (actualmente designados respectivamente por nentzy e khanty) forneciam martas e raposas em troca por facas de ferro e panelas de ferro fundido. E com uma só viagem, enriquecia o mercador.

 


Instalaram-se no rio Kama os irmãos Stroganof e cortaram bosques, construíram pontes e fundiram minério de ferro. O Czar Ivan Gróznii permitiu-lhes a construção duma cidade e ter canhões. Por sua vez, os Stroganof eram obrigados a defender o território russo contra as investidas dos tártaros que dominavam a Sibéria. Os tártaros frequentemente atacavam o território russo. Em 1579, os Stroganof decidiram fazer a guerra ao inimigo.

 

Os Stroganovs, desde havia muito que se queixavam ao Csar do khan tártaro Kutchuma. Escreviam-lhe que os tátaros "não permitem aos nossos sair dos fortes... nem trabalhar os campos, nem cortar lenha".

 

O Czar autorizou os Stroganovs a recrutar homens livres – os cossacos. Era do que precisavam os Stroganovs. Para a campanha da Sibéria exigia-se gente de têmpera, hábil em acções bélicas, gente que os Stroganovs não tinham. Mas chegara-lhes a notícia de que do Volga ao Kama avançava um grande destacamento cossaco e quem o comandava era o ataman (chefe) Ermak Timofeevitch.

 

O Volga era a grande via de comércio. Mas comerciar era então perigoso. Os ladrões do Volga eram gente livre – cossacos. Dos chicotes (knuts) dos boiardos, da pesada escravatura, os camponeses fugiam para o "campo selvagem" – para a estepe. Agrupavam-se os fugitivos em bandos, adoptando para si o nome de cossacos e para os seus chefes o de ataman.

 

O mais competente entre eles era Ermak. Mediano de estatura, espadaúdo, de barba preta, ele era severo e não gostava que o contradissessem.

 

Mas em 1579, o Czar mandou para o Volga destacamentos militares, ordenando-lhes que apanhassem os cossacos e os enforcassem. Escapando à fúria do Czar, os cossacos navegaram no Kama pensando acobertarem-se nos confins da floresta.

 

*

* *

Veio até Ermak enviado pelos Stroganovs um homem a pedir serviço, prometendo alimentação e dinheiro. Os atamanes decidiram ir até aos Stroganovs.

 

Máximo Stroganov contou-lhe, que os tártaros de Kutchuma o ofendiam, não lhes permitindo trabalhar nem construir. Contou também que o khanato de Kutchuma era rico e ia de lá uma via comercial até Bukhara. Os atamanes escutaram calados. Só no fim do verão Ermak se decidiu. E convocou os cossacos:

- Vamos – disse – até ao khan, fama conquistaremos. Bens, tem Kutchuma muitos, que chegam para todos.

 

Todo o seu exército – oitocentos homens – Ermak dividiu em centúrias. Uma centúria tinha duas cinquentenas – cada uma sob as ordens de cinquenta homens (entendamos esta expressão como significando a forte solidariedade entre os cossacos de Ermak. Não tenho dúvidas quanto à correcção da tradução). Em cada dez homens havia ainda o seu sénior – o seu capataz.

 

Com o exército iam escrivães regimentais, porta-bandeiras, tradutores, corneteiros e tambores. Iam ainda três popes e um staretz-vagabundo (velho anacoreta) – um monge fugitivo. Ia o anacoreta sem sotaina, sabia cozinhar papas, disparar o canhão e fazer o serviço da Igreja

 

Celebraram uma curta missa e despediram-se dos Stroganovs e a 1 de Setembro de 1581 puseram-se em marcha.

 

*

* *

 

O destacamento de Ermak navegou pelo Tchussóvaia (ver anexo, que representa a região dos Stroganov nos Urais com os rios Kama, Tchussovaia, Tobol, Tura e Irtych). Nas margens não se via viv'alma. Os cossacos navegaram desde o nascer até ao pôr-do-sol. À noite, fizeram um acampamento e acenderam fogueiras. Dormiram sob as estrelas e, logo que o céu se azulou a oriente, rufou o tambor, içaram-se as velas e prosseguiram a navegação.

 

Do Tchussovaia era necessário transporem-se para o Tura e o Tobol. Ermak procurava um pequeno rio, que do norte afluísse ao Tchussovaia e nascesse perto do Tura.

 

Os Stroganovs libertaram dos cossacos um tártaro de nome Akhmed, que tinha sido feito prisioneiro pelos russos e era oriundo da Sibéria. Servia ele aos cossacos de guia e intérprete e dizia que era preciso navegar no Mejevaia Utka ("Pato Fronteiriço"?). Navegaram em strugs (barcos pequenos) pelo Mejevaia Utka. O rio serpenteava entre montes. Os abetos caíam para a água, sobre os barcos e enredavam-se nos mastros, pelo que recolheram as velas e continuaram com a força dos remos.

 

Ermak, carrancudo, obrigou Ahmed a trabalhar consigo. Cedo já não havia caminho para os barcos. Então Ermak enviou três cossacos a verificar se estava longe o Tura, e mandou atar o guia Ahmed. Voltaram os cossacos.

 

- Até ao Tura é longe – disseram. E caminho pelo Mejevaia Utka com os barcos não há. Só bancos de areia e pedras.

 

Castigaram o guia Akhmed: cortaram-lhe a cabeça com um sabre. De noite fugiram todos os guias tártaros e tiveram que ser os próprios atamanes a procurar o caminho fluvial para a Sibéria.

No ar esvoaçavam as primeiras neves. Do norte voavam os bandos triangulares dos gansos. Os cossacos chegaram ao curso superior do Serebrianka e resolveram aí ficar até à Primavera.

 

Ao fim de algumas semanas, alguns cossacos entediaram-se com a paragem invernal. Dois deles convenceram os seus companheiros a irem para o Kama sem Ermak. Pegaram nas pesadas armas, pólvora e provisões e foram em esquis. Quando Ermak soube disto, ficou encolerizado. Puseram-se a perseguir os fugitivos.

 

Apanharam-nos num matagal de abetos. Trouxeram-nos aos atamanes. Estes ordenaram que na parte mais funda do rio fizessem buracos na superfície gelada. Enfileiraram-se os cossacos na margem. Meteram os fugitivos em sacos e atiraram-nos para a água. Os cossacos emudecidos dispersaram-se pelas isbás.

 

Os cossacos cortaram patins de esquis, puseram os barcos sobre eles e arrastaram-nos durante dez verstas até ao pequeno rio Jarovnaia. Passou o gelo, os cossacos arrearam os barcos e em água primaveril navegaram direitos ao oriente.

 

 

(continua)

 

Joaquim Reis

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D