Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Competitividade – palavra chave

No seu primeiro relatório anual ao Presidente e ao Congresso, em 1992, o Conselho americano para a Política da Competitividade definia o conceito de forma muito sintética: "Competitividade é a capacidade de produzir bens e serviços que vençam o teste dos mercados internacionais, elevando de forma sustentada o nível de vida da população". Pela simplicidade que reveste, este conceito aplica-se tanto à macro como à microeconomia; basta para tal substituir população por empregados. Claro está que os pressupostos micro e macro são diferentes e todos sabemos que a Economia do mais pequeno País tem agregados diferentes dos princípios que regem a maior empresa mundial mas a verdade é que a competitividade só se pode medir em mercados abertos, em regime democrático e sem constrangimentos à concorrência. Protecções pautais, condicionalismos ao associativismo empresarial, patronal e sindical e a prevalência de monopólios ou monopsónios são distorções da competitividade que impedem a sua correcta e saudável medição. Se queremos que um País seja economicamente competitivo, temos que criar as condições para que as empresas desse mesmo País o sejam. Não é pelo facto de a soma de muitas microeconomias não fazer uma macroeconomia que podemos maltratar as empresas e esperar ter uma saudável Economia nacional. Tudo isto são axiomas económicos mas às vezes parece que os responsáveis políticos de muitos Países os esqueceram. Nomeadamente no nosso. Eis a razão pela qual vimos desde Janeiro de 1999 medindo o impacto legislativo sobre a competitividade das empresas portuguesas com frequentes maus resultados e algumas excepções que definem a regra anterior. Para além do impacto legislativo acima referido, temos também a questão da globalização por que se optou. Ora, se há condicionalismos nacionais ( v.g. a carga fiscal sobre a energia ) que penalizam as empresas desse País, certo é que outros factores de produção terão que sofrer penalizações para que o agregado empresarial consiga sobreviver em mercado aberto. Eis, assim, a preocupação que temos tido de ir sistematicamente fazendo o benchmarking da Economia Portuguesa com as de outros Países, nomeadamente com os demais Estados Membro da UE, nossos mais directos concorrentes. Onde vamos buscar o que nos tiram em Impostos? Com que mão-de-obra contamos? Com que Lei Laboral temos que viver? Com que qualidade da Despesa Pública devemos lidar? A que Império Burocrata nos temos que submeter? Eis o tipo de questões a cuja análise nos dedicamos comparando a Europa com os EUA e com o Japão e comparando Portugal com a Europa. Com esta medição comparativa das realidades estamos claramente a sugerir que se tomem medidas de política que corrijam as nossas desvantagens nacionais – caso elas dependam da vontade humana – mas o mais que temos conseguido é trazer para a discussão pública todas as questões relativas à competitividade. Já não é mau pois não restam dúvidas de que este é hoje um tema que em Portugal anda na boca de todos os políticos públicos e privados. Muito há que fazer até que comecemos a ficar satisfeitos com o nosso próprio trabalho pois os consensos ainda não estão muito divulgados mas isto, pelo menos, já conseguimos: em Portugal, hoje, a competitividade é uma palavra-chave. Henrique Salles da Fonseca Publicado em 13 de Junho de 2003 – O Independente – Economia, Opinião

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D