Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Deflação?

Se dois proprietários de prédios valendo 100.000 Contos cada, combinarem a permuta das propriedades por 1 milhão de Contos cada, não há acréscimo real de patrimónios e as variações são apenas contabilísticas. Paralelamente, cada prédio que de facto vale 100.000 Contos, fica seguro pelo milhão. Quando esta prática se generaliza, todo o sistema de preços se desvirtua face à realidade. Enquanto não ocorrem factos perturbadores, tudo corre sem sobressaltos, apenas com algumas tensões inflacionistas e uma política de moeda barata. Mas com um grande terramoto e enormes desmoronamentos, os Bancos verificam que os créditos emitidos sobre garantias reais ficam muito mal parados e as Seguradoras começam a ter que responder por valores irreais. Fazer a Economia descer do artificialismo e trazê-la para a realidade é uma missão económico-financeira muito dolorosa e de consequências sócio-laborais dramáticas. Quando abanam os pilares financeiros de uma sociedade, rapidamente surgem consequências negativas no tecido produtivo. Para sobreviverem, as empresas revêem as suas perspectivas e uma prática frequente é a baixa dos preços, tentando permanecer no mercado. Eis o Japão dos nossos dias desde o terramoto de Kobe há 10 anos. Por quanto mais tempo? Até que os preços alcancem níveis que correspondam à realidade; até que as pessoas acreditem na verdade contabilística que lhes é apresentada; até que todo o sistema seja plausível. A esta descida perene dos preços chama-se deflação e ocorre como uma verdadeira catarse de euforias anteriores. E em Portugal? Por cá, andámos todos, públicos e privados, durante anos a gastar mais do que produzíamos. Isto significa que se torna necessário pedir hoje emprestado e ter que saldar a dívida amanhã: nas famílias, nas empresas, no Estado. A alternativa ao cumprimento das obrigações é a penhora do património das pessoas; o mesmo se diga das empresas cujo capital pode ter que mudar de mãos; a solução da continuidade governativa é uma das possíveis consequências a nível dos Estados. A política keynesiana portuguesa de obras públicas foi muito necessária como forma de infra estruturar o País – nem sempre com grande preocupação pelo retorno do investimento – mas provocou sérios défices públicos que não foram corrigidos por consistente política de consolidação orçamental. Pelo contrário, os défices agravaram-se à custa das despesas correntes com enorme recrutamento de pessoal para o exercício de funções de rentabilidade questionável: todos recordamos as centenas de novos Institutos então acrescidos à já volumosa máquina administrativa do Estado e cuja extinção ainda hoje tarda. A euforia do pleno emprego fez subir a parada negocial dos contratos colectivos para níveis superiores aos ganhos de produtividade; o acréscimo do consumo que desse modo surgiu foi amplamente majorado pela política de crédito pessoal que a concorrência bancária promoveu; a perene baixa das taxas de juro facilitou mais esse consumo; a rigidez da oferta produtiva interna não pôde acompanhar o crescimento do consumo e as consequências foram dramáticas a nível dos saldos comerciais sobre o exterior; o sistema financeiro teve que se refinanciar, nomeadamente no exterior; os centros de decisão nacionais foram postos em causa perante os credores externos; o endividamento das famílias atingiu níveis absurdos. E agora? Agora chegou a hora de pagar as dívidas: as famílias, sob pena de perderem a casa que habitam; as empresas, repensando investimentos; o Estado, obrigado pela tutela comunitária a seguir uma política de consolidação orçamental. Quando a procura se expande, o sector importador de bens de consumo floresce dada a rigidez da produção nacional; quando a procura se retrai, perde imediatamente mercado e apregoa que a crise se instalou. Com a enorme dependência que a Economia Portuguesa apresenta face ao Estado, basta este reduzir despesas para que os seus fornecedores entrem em recessão e sintam que a crise se instalou. Há assim um sentimento geral de retracção e, como se isso não bastasse, ainda temos muita burocracia a pagar. Se na perspectiva da racionalidade económica, essa burocracia não encontra justificação, agora – com tanta gente pronta a baixar preços – mais urgente se afirma a necessidade de acabar com tanto custo e mau estado do nosso contexto. Eis a razão pela qual o Forum para a Competitividade vai abrir um guichet da desburocratização, onde as vítimas poderão denunciar o perverso Império Burocrata Português e combater a eventualidade de uma deflação na nossa Economia. Lisboa, Junho de 2003 Henrique Salles da Fonseca Publicado em 27 de Junho de 2003 – O Independente – Economia, Opinião

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D