Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CONTOS REFRACTÁRIOS

 

 

III

DINOSSAUROS NA FABULÂNDIA

 

 

Rei Leão, sentado numa grossa raiz de um frondoso Imbondeiro, gozando da augusta sombra da magestosa árvore, diliciava-se na navegação cibernáutica do seu Real iPad. El-Rei era um competente e avisado cibernauta.

 

Observava, no momento, a imagem de vários cardumes de várias espécies de pequenos peixes que nadavam numa certa direcção. Imagem essa colocada no Jornal on line "Accidentalia negotii", que incentivava os seus leitores a legendar as respectivas imagens e ganhava-se um prémio pela legenda mais votada.

 

Sua Magestade, cofiando a barba bem penteada, acabou por escrever a seguinte legenda:. "Arraia miúda a caminho do comício. Os tubarões já estão no palanque para botar discurso…". Esta frase não foi escrita por o Rei Leão ser um democrata convicto. Como as palavras não têm som, não se ouviu a raiva com que foram virtualmente tecladas.

 

"Alteza Real!" – Chamou o Aligator, aio de serviço.

 

"Estão ali os seus parceiros de poker!" – Informou.

 

"Está bem, figura peçonhenta! Diz-lhes que se vão instalando que eu já vou!" - Exclamou o Rei.

 

A magestática figura era arrogante com os servidores rastejantes que desprezava e pisoteava sempre que lhe dava na Real Gana.

 

A Fabulândia era uma Monarquia Absoluta. "

 

O poder corrompe, o poder absoluto corrompe absolutamente, de modo que os grandes homens são quase sempre homens maus" e Sua Alteza era o exemplo prático desta máxima do barão Lord Acton.

 

E se Sua Alteza era mau…

 

Certo dia chamou um dos seus Tigres - numas províncias da Fabulândia, eram conhecidos oficialmente por Vizires, noutras por Alcaides, na verdade esbirros ao serviço da causa do poder absoluto, - e mandou dar-lhe cinquenta conscenciosas vergastadas porque ousara dirigir-lhe um ofício que iniciava, atrevidamente, por "penso". Pensava, mas, não existia!

 

O desgraçado ficou mais morto do que vivo e garantem testemunhas oculares autorizadas que durante uns meses não pôde sentar-se…

Desde aí, Rei Leão deixara de dar importância aos Alcaides e aos Vizires.

 

Quando se apresentou perante Sua Alteza Real, o infeliz Flagelado ouviu El-Rei, que, olhando-o com desprezo, lhe disse rispidamente: "

Não estás autorizado a pensar em coisa alguma, eu penso tudo e por todos".

 

"L’État c’est moi!"

 

Mas, isto já se passara há milénios!

 

Entretanto, os jogadores de poker já estavam instalados na mesa quando a Magestade chegou. Tratava-se de um Tigre da Malásia, de uma Hiena e de uma Pantera. O Rei fazia cumprir a Lei da paridade de género, para se pôr ao lado de Terras mais desenvolvidas.

 

Só nalguns casos. Nos restantes Serviços era apenas para inglês ver. Como soi dizer-se! Aparências necessariamente mal disfarçadas!

 

A instâncias da sua Leoa, a Magnificente Rainha, que lhe dera cinco princesas, - lamentava-se amargamente de não ter tido um varão – era dominado pelas mulheres e resignava-se a dar cumprimento à tal paridade, mas, era ele que determinava e mandava publicar.

 

Sempre!

 

Quem pagava era a desgraçada da criadagem. Não tinham direitos. Só tinham deveres e amochavam.

 

Acabada a jogatana, chamou o aio Aligator e ordenou-lhe que os Elefantes chamássem a reunir, ao toque das suas trombas, os do Conselho Régio, Órgão que, como diz o nome, era destinado a dar-lhe conselhos. Mas, isto era só fachada, para manter sossegados os súbditos mais recalcitrantes ou não fora ele um Absolutista.

 

As trombas ecoaram por toda a Fabulândia - alguns mais refilões chamavam-lhe ironicamente, Selva Terceiro Mundista, - e os Conselheiros Régios começaram a chegar nos seus faustosos meios de transporte, alguns particulares, outros oficiais.

 

Nunca quis combater este sumptuoso despesismo!

 

O Conselho também era rigorosamente paritário, ou levava umas dentadas bem dolorosas das suas fêmeas, e era constituído por várias espécies não predadoras, entre patas e asas, para dar uma boa imagem da sua democraticidade enviesada. Aberta a sessão, Sua Alteza informou:

 

"Hoje,a Ordem de Trabalhos é sobre as novas nomeações para Vizires e Alcaides, em todas as províncias do meu país!"

 

Fez-se silêncio total.

 

"Alguma intervenção?" – Inquiriu Sua Magestade com ar enfastiado e de poucos amigos.

 

"Eu tenho, Vossa Graça" – Afirmou o elegante Antílope, levantando, timidamente, a pata e continuando: "Vossa Graça deixou os Tigres andar à vontade por muito tempo e agora não vai ser fácil mudar alguns!"

 

"Ora essa! E porquê? – Inquiriu Sua Alteza, já irritado.

 

"Bem! É que Vossa Gracíssima Graça deixou os Tigres lá ficarem por muitos anos e alguns deles, instalados nas benesses e nos prestígios, não querem dar lugar a outros e metamorfosearam-se em Dinossauros" – Explicou o arrojado Conselheiro.

 

"Dinossauros?" – Berrou Sua Alteza Real.

 

"Sim, Magestade!". "Aquela espécie fóssil de réptil dos períodos secundário e terciário, já lá vão cerca de cento e vinte milhões de anos, cujas dimensões atingiram 11 metros de altura e 30 metros de comprimento!". "Com este tamanho, tecnicamente, não é aconselhável mudá-los" - Explicou o Antilope Conselheiro, com ar de quem tem a firme certeza do que afirmava.

 

"Está acabada a sessão!" – Sentenciou, agastado, El-Rei.

 

Quando ficou só, cabisbaixo, foi agarrar-se ao seu Real iPad. Então não é que a sua legenda, colocada na imagem do Jornal

on line "Accidentalia negotii", que incentivava os seus leitores a etiquetar as respectivas imagens, fora premiada por ter sido a mais votada… e ganhara?

 

Moral da História: Nem os mais aparentemente democráticos aboslutismos conseguem vencer a força, o peso e as dimensões dos Dinossauros instalados.

 

 Luís Santiago

 

Sintra, Agosto de 2013

 

NOTA DO AUTOR: Algumas partes deste texto podem assemelhar-se à realidade. Trata-se, porém, de pura coincidência.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D