Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CONTAGEM DECRESCENTE

 Os Maias 3ª parte - coleção expresso

 

Foi a proposta comemorativa dos 125 anos de publicação de “Os Maias” e dos 40 da fundação do “Expresso”: continuar com a história d’ “Os Maias” do pobre do Eça, que estrebucha na tumba, em renovada agonia, pela obscenidade da ofensa ao seu génio, criador dessa obra prima. E os escritores que aceitaram a incumbência – à maneira de escolinha primária, em que se testa a criatividade das criancinhas mandando-as continuar os enredos das historinhas lidas (o que não é um mau exercício escolar, aliás) - consideram-se gente de bem, gente da moral e da crítica dos costumes nacionais. Bem libertos de autocrítica, na arrogância de todas as permissividades, a garantir todas as capacidades.

Estamos nitidamente na época de todas as traições, a de um Acordo Ortográfico que atraiçoou a língua mãe, a da diluição de conceitos e de desrespeito por homens, animais e coisas, começando pelas florestas que vamos destruindo sem pejo. A última traição é esta – a do seguimento da acção d’ “OS MAIAS” segundo as plumas deambulatórias  dos efabuladores convidados.

É certo que a proposta do “Eça Agora” se circunscrevia a “Os Novos Maias”, em princípio, pois, recriando figuras a partir das figuras de relevo nacional, já caricaturadas na televisão, mais ou menos despudoradamente, por actores ou ícones, reproduzidas as vozes e as figuras com grande eficácia, para o riso alvar, que é geralmente o nosso, mais pronto a saborear o que é imediato à nossa compreensão, a intuir o sentido do traço irónico mais subtil.

Mas “Os Novos Maias”, afinal, estão, nas obras tratadas – salvo, em parte, as narrativas contidas no volume 6º - de Gonçalo M. Tavares - brincalhona e chocarreira e com a amplitude do seu filosofar sintético habitual - e de Clara Ferreira Alves, com a recriação de um enredo em torno de um pretenso neto de Carlos da Maia, pretexto para vazar a sua arte e vivência pessoal de viajante de vários mundos e a sua crítica pautando-se, ao modo queirosiano, pelo desdém intelectual por uma população no seu geral destituída do condimento espiritual que distingue os homens – “Os Novos Maias estão no seguimento dos “velhos”, e isso é que me parece abusivo e denunciante daquilo que Vasco Pulido Valente no Jornal “Público” de 17/8 - “A Atracção da Asneira” – chama de revelador de “abismos de ignorância e de estupidez, que não se imaginariam em qualquer outra parte do mundo civilizado”.

Assim, a narrativa de José Luís Peixoto, no volume 4º, (os três primeiros constituindo a obra “OS MAIAS”) – “Depois de tudo, antes de alguma coisa” – (após um “Prefácio” e uma “Nota Prévia” explicativos) - gira, na 1ª parte, à volta da corrida para o americano do final de “Os Maias”, americano que conseguiram apanhar, bem a tempo do jantar no Bragança - pretexto para a constatação do desleixo e do vazio nacionais habituais - do início de uns amores com uma afrancesada e adúltera Claudine; uma 2ª parte, 10 anos depois, com Ega mais nostálgico e uma Claudine a reproduzir os desesperos anteriores da condessa Gouvarinho, na humilhação dos amores findos, o velho Dâmaso, oco e adoentado; uma 3ª parte baseando-se num quiproquó sobre a notícia - o “alguma coisa” do título – a morte de Dom Carlos e de Luís Filipe, do conhecimento do republicano Ega; o regresso de Maria Eduarda, amiga de Claudina, da estupefacção aterrada de Carlos. A fuga de Carlos para Santa Olávia, como refúgio, e como imitação da fuga de Maria Eduarda para França, após o reconhecimento do incesto, segundo a diegese queirosiana

 

Segue-se, ainda no volume 4º, “Tudo o que é chama”, por José Eduardo Agualusa, até aos anos vinte, pretexto para um puxar a brasa à sua sardinha, do escritor angolano, com cenas de corrida com flamingos e seu trocadilho com flamengos, os boers da colonização sul africana, de cenas de caçada, de graçolas, de histórias de desbravamento angolano com a indispensável acusação da acção portuguesa, para edificação dos dois amigos Carlos e Ega, e uma 3ª parte com os dois irmãos Carlos e Maria Eduarda vivendo assumidamente os seus amores incestuosos, a descoberta de Rosa, com fuga e zanga, mas o seu regresso final à casa colonial da mãe e do tio, na Restinga do Lobito.

 

O 5º volume, preenchido por José Rentes de Carvalho e Mário Zambujal, em, respectivamente, “O Rio somos nós” e “O imenso pulo de Carlos da Maia”. Mistura o primeiro as figuras de Carlos e Ega - e simultaneamente Jacinto e Zé Fernandes em Tormes - com uma acção localizada numa aldeia do Alto Douro, onde Carlos recebe um Ega, rezingão e desconfiado, mas saboreando os bons pratos caseiros, em breves referências impacientes ao “Esteves” da ditadura e à PVDE da protecção ao regime. Todavia, apesar de algum vigor dos seus comentários e da sua subida para a aldeia num burro, Ega morre, incoerentemente, durante essa breve estada junto do amigo, em 1937, Carlos no ano a seguir. Maria Eduarda já morrera, contara Carlos, a filha Rosa fora informada pela mãe, do caso fatal por eles vivido.

O livro de Mário Zambujal põe a personagem Carlos a narrar as suas histórias de vida em primeira pessoa, num tom por vezes displicente e observação grosseira que não se coaduna com a personalidade discreta e nobre do “belo cavaleiro da Renascença”. Uma vida aventurosa que passa pela Índia e regressa aos braços de uma Laura que um dia lhe mostrou o retrato da mãe, no qual reconheceu a condessa de Gouvarinho, e portanto Laura como sua filha:

«Martela-me a cabeça um batuque de contas. Sempre fui bom na aritmética e obtenho o resultado: Laura nasceu nove meses após a tarde em que a Gouvarinho e eu rebolámos no tapete persa!

- Que foi? Estás pálido.

- Nada. Água. Tenho sede.

Levanto-me e corro à cozinha, bebo, bebo, molho a cara no jorro da torneira. Nada apaga o lume dentro de mim. Meu Deus! Então Laura é… minha filha? Recuso-me a acreditar mas contas são contas. Choro. Outra vez tombado, inadvertivamente, nas malhas vergonhosas do incesto? Pior agora, a Maria Eduarda era meia irmã, desta sou pai por inteiro!»

Falso alarme do assustado Carlos. A Condessa Gouvarinho era apenas mãe adoptiva, Laura era filha da cozinheira da condessa, que morrera de parto.

«O alívio deu-me para correr e pular em toda a volta do quintal», a justificação do título do conto., que prossegue com a perseguição da PVDE, já a Alemanha invadira a Polónia.

           O “Ainda o apanhamos! Ainda o apanhamos!» do remate em paralelo com o final d’ OS MAIAS refere-se ao comboio que não chegaram a apanhar, na sua fuga. Mas também não seriam presos.

 

            O sétimo volume é constituído pelo estudo de Carlos Reis “Introdução à leitura d’ “Os Maias”.

 

            O projecto valeu como difusão de uma obra imperecível e juntamente com um estudo que ajudou gerações de alunos e professores. Isso bastaria como homenagem.  O resto não é sério, nem é a sério.

 

 

 Berta Brás

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D