Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

«A porta de saída»

  Foi André Gide que, na sua novela “A porta estreita”, título inspirado no tema da meditação do pastor da capelinha, segundo o Evangelho de S. Lucas, 13 – “Esforçai-vos por entrar pela porta estreita” das palavras de Cristo aos seus seguidores das cidades e aldeias, a caminho de Jerusalém narra os intensos amores de Jerónimo e de Alissa, de impossível realização, devido a uma estrita e desumana obediência, sobretudo da jovem, a um ideal de espiritualidade incompatível, apesar do sofrimento, com a concretização desses amores.

Em Destaque do “Público” de Domingo, 11 de Agosto, na Secção “Emprego” lê-se, na extensa reportagem de Paulo Moura sobre os Call Centers, intitulado “Os Call Centers vão salvar a economia portuguesa?”, que uma das propostas feitas pelos supervisores aos empregados de arribação eventualmente queixosos na pressão a que são sujeitos de prestação de boas performances, apesar da vilipendiosa exploração a que são sujeitos: “Se não estás satisfeito, a porta de saída é ali”.

E é, certamente, uma porta larga, para o corrupio constante da entrada de novos empregados e da sua breve saída como desempregados, gente geralmente jovem, que outro meio de vida não encontra, na miserável crise de desemprego que se atravessa, senão uma colocação temporária nesta falcatrua gerada por um alucinado Sócrates, criador do monstro que apoia a sua rentabilidade e a riqueza dos seus patrões nos baixos salários próprios de um país subdesenvolvido, em contraposição com a exigência de boas prestações. A exploração em toda a magnitude da crueldade encartada e ditatorial, aceite impunemente por todo um país que lutou – é certo que apenas em gritaria florida e esbanjadora – contra a ditadura anterior, bem menos desumana, contudo, e com uma justiça funcionando melhor.

Leia-se:

“O edifício da Teleperformance da Expo-Oceanário, com o seu ambiente uniformizado e asséptico, jovem e poliglota, disciplinado, eficaz e dócil, garantido por regras austeras, precariedade contratual, horários intensivos e salários baixos, pode de facto ser a imagem do futuro. Do futuro em Portugal.

O segredo (do êxito) parece ser esse: um bom cocktail formado por salários baixos, competências linguísticas, boa estrutura tecnológica, boa localização geográfica. “O governo Sócrates fez um grande investimento em tecnologias de informação e redes comunicacionais. A nossa rede de fibra, por exemplo, praticamente não tem concorrentes no mundo inteiro. O Governo Sócrates deixou um bom legado nesse capítulo”, explica Ramos Pereira.

A situação parece poder resumir-se assim: um país pobre com uma boa rede de fibra. E talvez esta seja a fórmula suficiente para atrair os grandes call-centers mundiais.»

Outras magnificências se apontam justificativas da satisfação pelo êxito obtido, seguidas das provas de desrespeito e desprezo dos superiores para com os operadores que se esforçam por cumprir, ainda que blandiciosamente “instruídos para enganar os clientes”, na ameaça constante do despedimento.-

Transcrevo: «A pressão é enorme, e a instabilidade também. Há pessoas a chorar nos intervalos, que não aguentam, diz Carlos, que trabalha no call-center da PT em Coimbra.»

A porta dos call-centers ampla, para o recrutamento constante, para o despedimento arrogante e sem piedade.

Mas, de facto, ninguém pode pôr cobro a tal situação, num país habituado a esbanjar iniquidade.

A “porta estreita” de Gide, na sua intriga sobre o aperfeiçoamento interior pela renúncia a quaisquer tentações de felicidade terrena, é uma metáfora aplicada ao livre arbítrio do homem. A “porta larga” dos call-centers lembra antes a porta do Inferno de Dante com os dizeres apostos de advertência aos danados: “Lasciate ogni speranza, voi ch’entrate.”

E assim vivemos, na desesperança e na danação de todas as permissividades. Plenos de fibra, muito embora.

 

 Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D