Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CONTOS REFRATÁRIOS

 

 

I

 

Burro Inteligente

 

 

 

Da estrada principal. onde se situava a minha casa em Caneças, olhava lá no cimo da Serra em frente e via uma casa pequenina, isolada, qual farol numa falésia.

 

Também há faróis em ilhas!

 

À noite então era mesmo um farol, com luz tremente na escuridão.

 

Lá vivia o Compadre Quim, assim conhecido no povoado em baixo, onde descia para se abastecer na velha mercearia do Senhor Zé.

 

O acesso era um só!

 

Um caminho, nem largo, nem estreito, atapetado de burgalhau batido na terra com um maço. Era às curvas para facilitar a descida e a subida.

 

O meio de transporte nas operações de descida e subida era o velho burro, Tonho de seu nome.

 

Todos os dias a operação era feita quatro vezes. De manhã, perto do almoço, e de tarde, à hora do tea, hora sagrada para o Compadre Quim.

 

O Compadre fora estivador nuns estaleiros de Liverpool. Adquiriu o vício do five o’clok tea. Muito british!

 

Só que o tea era o muito português copo de tinto na tasca do Manel.

 

O Compadre confidenciava-me que os ingleses tinham o chá das cinco horas, mas, também tinham hooligans e bebedeiras de se lhes tirar o chapéu e eram o povo tido por muito civilizado.

 

Ao que eu lhe respondia que meia dúzia de anormais não caracterizam um Povo e a sua Cultura!

 

O Compadre aquiescia com um gesto contemporizador, mas não deixava de ficar bem claro que era português e que os portugueses, apesar de não terem a cultura de alguns povos estrangeiros, segundo a opinião de muitos, não deixavam de ser pessoas cordatas e ordeiras. Um ferrenho patriota, este Compadre Quim!

 

Nas minhas várias conversas de copo de tinto na mão, fui conhecendo melhor este homem solitário e, afinal, inteligente e culto à sua maneira.

 

A cultura não se traduz em ser-se muito inteligente e dominador dos vários planos do conhecimento humano. Ser-se culto, traduz, acima de tudo, saber dominar as experiências vividas e tirar destas as lições que possamos transmitir e incutir nos que nos rodeiam.

 

A sabedoria é superiormente calma e humilde. Isso é que é ser culto!

 

O Compadre Quim, uma vez não desceu ao povoado e nós, todos o que estávamos habituados à sua presença quotidiana, estranhamente, sentimos a sua falta calma e conversadora. Falava baixo, sem alardes despropositados e sempre com um olhar directo, firme e brilhante.

 

Passou-se mais um dia sem que nos congratulasse com a sua presença. E reunindo-nos, pensámos que alguém teria de subir a Serra para saber o que se estava a passar.

 

Resolvemos passar à acção na manhã seguinte, mas, quando estávamos preparados para avançar, na hora do copo de tinto, o Tonho apareceu, como vindo do nada (ninguém se apercebeu que descera a Serra), a zurrar e a esgravatar o chão de terra do pátio da tasca do Manel, onde, de costume, ficava estacionado.

 

Dado o alarme, apercebendo-se que já o tínhamos entendido, o Tonho arrancou Serra acima pelo serpenteado de burgalhau.

 

O resto foi simples, Tonho encontrava-se à porta a esgravatar. A porta era pequena e ele, com o seu tamanho, não conseguia passar a ombreira.

 

O Compadre Quim estava caído no chão. Tinha tido um enfarte.

 

Descemo-lo, enquanto cá em baixo já estavam à espera os Bombeiros chamados pelo Ti Manel.

 

Hoje, passado o mau bocado e já recuperado, nas habituais conversas do five o’clok tinto, o Compadre Quim diz, maliciosamente, que o seu burro teve uma crise de inteligência, enquanto os nossos políticos inteligentes têm sucessivas crises de burrice…

 

 Luís Santiago

 

Sintra, Agosto de 2013

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D