Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

E JÁ LÁ VÃO MAIS DE QUINZE DIAS…

 

 

Elegante e fina, como já era há 50 anos; hoje, com muito mais sabedoria. Sabedoria que me faltou quando referi sessenta anos em vez dos cinquenta. E logo me tinha dito – Que horror, não me fale sobre esse tempo todo! E eu, já tarde, corrigi a boçalidade (que, entretanto, estava dita), dos sessenta para a casa dos cinquenta.

 

Isto, de as Senhoras darem ouvidos a boçais, dá nisto. Então, só me ocorre dirigir-lhe um «Sorry» se, por acaso, a dita Senhora ler estas linhas.

 

E o mais curioso é que nunca tínhamos falado directamente mas reconhecemo-nos logo que fomos apresentados formalmente.

 

Mais metro, menos centímetro, andamos pelas mesmas idades; temos respirado o mesmo ar e vivido as mesmas circunstâncias nacionais. Não estranhei minimamente estarmos em áreas políticas de grande proximidade – se é que não na mesma, mas não tive «lata» de perguntar.

 

E porque o ambiente social é próximo, foi com naturalidade que regressou a um ambiente que conheceu na infância e na juventude; eu nunca saí desse ambiente e as circunstâncias conduziram a que pudéssemos falar de coisas que nos dão prazer e, no caso dela, saudades.

 

Foi giro falarmos do Pai dela que foi um Senhor muito respeitável e do Avô que foi «só» Presidente da República.

 

Visita presidencial à Calheta.jpg

Visita presidencial à Calheta

(só identificarei o Avô após autorização da Neta)

 

Encontro que me leva a afirmar que é com este tipo de laços que se tece uma Nação. Neste caso, a nossa.

 

É claro que não lhe cito o nome mas garanto que gostei muito de falar desse tal passado.

 

Venham, então, as novas gerações que conheçam e se orgulhem deste passado.

 

Junho de 2018

Appuyer a passo p. dir..jpg

Henrique Salles da Fonseca

HISTÓRIA EM LISBOA – 2

LISBOA DO SOL NASCENTE

 

 

D. Catarina, Infanta de Portugal e irmã do nosso rei D. Afonso V, nasceu em Lisboa a 26 de Novembro de 1436. Pessoa culta, dominava o latim e o grego traduzindo para português algumas obras importantes da sua época mas entregou-se à vida monástica depois do falecimento prematuro do seu primo D. Carlos, príncipe de Navarra, por quem se tinha apaixonado e a quem se prometera em casamento. Morreu aos 27 anos em Coimbra a 17 de Junho de 1463, pouco antes que a casassem com Eduardo IV de Inglaterra.

 

Trasladada de Coimbra para Lisboa, foi-lhe construído túmulo na Igreja do então novo Hospital de Todos os Santos e depois do terramoto de 1755 foi novamente trasladada para o Convento de Beato onde ainda hoje se encontra em local que parece actualmente desempenhar a útil mas pouco ilustre missão da armazenagem de massas alimentícias.

 

Para quem se preparara para ser rainha de Navarra e Aragão e posteriormente se viu quase a ter que ser rainha de Inglaterra, reconheçamos que nos estamos a esquecer um pouco de um valor histórico nacional que poderia ser enaltecido de múltiplas formas e nunca abandonado sob prateleiras de vitualhas industriais.

 

 Infanta D. Catarina

Para quem teve honras para figurar no painel de Nuno Gonçalves, mal parece que hoje esteja esquecida entre prateleiras de esparguete

 

Tenhamos esperanças de que o IPPAR se debruce sobre a questão com a brevidade conveniente, já que tanto se esmerou para que nada se viesse a saber quanto ao ADN de D. Afonso Henriques. Antes que o Convento do Beato vá para obras... Sim, mais vale que vá para obras do que ficar como está que não é carne nem peixe no sentido de que não está recuperado mas também não é ruína. É uma coisa assim «a modos que» inacabada, com materiais modernos a segurar uma mistura de várias épocas de arquitectura, desde as medievais às renascentistas, tudo a revelar que foi local importante por várias vezes e que por outras tantas terá caído no esquecimento e abandono... Até que se passou para o esparguete e finalmente para as remunerativas festas de casamentos e baptizados.

 

 

Convento do Beato

Convento do Beato: da serenidade monacal aos bailaricos de casamentos e baptizados...

 

Erigido por ordem de D. Isabel, mulher de D. Afonso V, no local onde se encontrava uma capela em honra de S. Bento, ali mesmo sobre a margem do Tejo, o Convento do Beato começou por se chamar de S. Bento de Xabregas e teve como primeiro Dom Prior a Frei António da Conceição, membro da Ordem dos Cónegos Seculares de S. João Evangelista. De hábito azul, chamou-lhes o povo de lóios, sinónimo da dita cor.

 

O proselitismo religioso é norma de todo o Clero mas se há os religiosos que se dedicam a servir os confessos, outros há que optam pela conquista de novas almas para o rebanho e dentre estes sobressaíram sempre estes Cónegos de S. João Evangelista praticando aquilo a que hoje poderemos chamar uma verdadeira “política de fronteira”. Por isso foi tão forte a presença dos Lóios nas terras alentejanas e daí a necessidade de disporem de um local de apoio e refúgio na retaguarda da primeira linha de combate na missão que se atribuíram. O Convento de Xabregas, implantado no então limite da antiga terra cristã, passou a servir de local de tratamento e repouso aos membros da Ordem que se apresentassem doentes e cansados das tarefas de missionação. Aproveitava-se igualmente da sua localização para servir as populações vizinhas, sempre carentes de cuidados de saúde, alimento e conforto espiritual.

 

De tanto bem-fazer, quando Frei António da Conceição morreu, logo o povo o tratou de Santo não perdendo a Ordem a oportunidade de encetar junto da Santa Sé o respectivo processo de canonização. Assim se formalizou a beatificação de Frei António.

 

Mas os residentes no Convento de Xabregas começaram a envelhecer e a morrer com toda a naturalidade até que chegou ao fim da vida o último Cónego encarregue do dito processo de canonização. Não houve quem o substituísse até à extinção das Ordens religiosas em Portugal, o Beato António não chegou a Santo e o Convento de S. Bento de Xabregas passou a ser conhecido por Convento do Beato.

 Bragança_2007-1.jpg

Henrique Salles da Fonseca

CONVERSAS MISTERIOSAS

 

 

 

Adolphine Freud, irmã do célebre psicanalista, não foi incluída no Visto de emigração que lhes permitiria viajarem para Inglaterra livrando-se do regime nazi que chegara à Áustria. Resultado, foi parar ao campo de extermínio em Theresienstadt.

Irmãs de Freud.png

 As quatro irmãs de Sigmund Freud morreram em campos de concentração.

Adolphine (Dolphi) é a primeira da esquerda

 

Aí, conheceu Ottla, irmã de Franz Kafka, que padecia de amnésia a quem contou as suas memórias pouco antes do gazeamento de ambas.

Franz e Ottla Kafka.jpg

 Franz Kafka e sua irmã Ottla

 

O mistério está então em saber como é que as histórias contadas a uma amnésica saíram cá para fora - para fora da ouvinte e para fora do campo de extermínio.

 

Mistérios…

 

Junho de 2018

008.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

HISTÓRIA EM LISBOA - 1

 

 

«Hoje são campos onde foi Tróia» [1]

 

Meava o séc. XVI quando ali, onde começava o juncal na margem do Tejo e nele confluíam as ribeiras de Alcântara e do Alvito, um rico mercador genovês decidiu assentar arraiais mandando construir um casarão a que o povo chamava palácio. Ali desfrutava da brisa nas noites quentes e geria à vista os barcos que tinha por conta, fundeados ao largo, em escala das rotas entre o norte da Europa e os confins do Mediterrâneo. Era a partir daquela enseada que mandava rumar para a Flandres, para Génova ou para o resto daquele mundo.

 

Vivendo em Portugal, entendeu que devia contribuir com os seus cabedais para o bem do reino: fez empréstimo vultoso às tropas de D. Sebastião que zarpavam para Marrocos e tudo perdeu.

 

Anos depois do desastre de Alcácer Quibir, as tropas do rei de Espanha, desembarcadas em Cascais, encontraram-se nas margens daquela enseada com as que eram fiéis ao Rei D. António, Prior do Crato. Ao fim de três dias de luta, foi ali que Portugal chorou.

 

O novo Rei, Filipe, gostou do local e decidiu que quando viesse a Lisboa passaria a residir naquele palácio. Confiscou-o. Sem dinheiro e sem palácio que lhe desse crédito, do genovês nunca mais se ouviu falar.

 

E assim foi que o casarão perto do início do juncal passou a servir de morada aos reis espanhóis em Lisboa. Não vieram cá tanto como gostariam pois a consciência devia dizer-lhes qualquer coisa especial e foi mais o tempo que andaram pela Meseta do que pela foz do Tejo.

 

Frente ao palácio havia um terreiro e já quase sobre a praia o genovês mandara construir as cavalariças e aposentos da criadagem. Do outro lado do caminho que da praia subia para a encosta mandou o rei Filipe I construir um convento e respectiva Igreja para as freiras Flamengas em fuga da reforma calvinista na Flandres. Frente a este, do outro lado do caminho que levava ao longo do Tejo e já sobre a praia, foi construído outro convento, desta feita para as freiras do Monte do Calvário.

 

Morada dos reis Filipes quando por cá passaram, no palácio residiram por períodos consideráveis os Reis D. João IV, D. Afonso VI e D. Pedro II. D. João VI ainda por lá pernoitou uma ou outra vez mas Junot já não quis lá ficar pois achava que o local estava muito exposto a eventuais surtidas inglesas Tejo adentro.

 

Do palácio nem a sombra restou e «Hoje são campos onde foi Troia»

 

Desprezado, cedo entrou em degradação e já então faltaram as verbas para preservar um edifício historicamente tão rico. Foi mais barato demoli-lo e suprir alguma da calista sofreguidão pública por finanças privadas dedicando o local à especulação imobiliária.   

SOCIEDADE PROMOTORA.jpg

Sobre a praia, as cavalariças do genovês

 

Ao terreiro do palácio chamamos hoje Largo do Calvário, ao juncal que se estendia a partir daquela zona da margem do Tejo chamamos Junqueira, nas cavalariças está actualmente instalada “A Promotora”[2], a Igreja das Flamengas continua aberta ao culto, o convento do Monte Calvário é agora a Academia Superior de Polícia e no sítio onde esteve o palácio... «hoje são campos onde foi Tróia». E nós passamos por lá sem sequer tirarmos o chapéu em sinal de respeito por tanta História que por ali se escreveu. Mas como poderíamos tirá-lo se nem sequer o usamos? É claro que é mesmo só por isso que não demonstramos qualquer respeito pelos locais que atravessamos e pelas pedras que pisamos... 

CONVENTO DAS FLAMENGAS.jpg

A Igreja das Flamengas continua aberta ao culto

 

E quanto ao genovês, eu hei-de descobrir-lhe o nome pois não é com esquecimento que se paga uma dívida a quem tanto fez para servir Portugal.

 

Lisboa, 6 de Março de 2011

Henrique Salles da Fonseca.png

Henrique Salles da Fonseca

 

[1] - Padre Raphael Bluteau, 1712

[2] - Sociedade Promotora de Cultura Popular, dedica-se há cerca de um século à instrução das populações, nomeadamente ministrando o Ensino Básico e alfabetizando adultos

BAFORDO

Bafordo do Vez.jpg

 

“Bafordo” deve ser a palavra portuguesa, dentre todas as que conheço, aquela que foneticamente é mais desagradável ao meu ouvido; pelo contrário, “alguidar” soa-me lindamente.

 

E se toda a gente sabe o que é um alguidar, já serão menos os que sabem o que é um bafordo.

 

Pois bem, foi com um desses que Portugal preparou a conquista da sua própria independência.

 

Com o quê?

 

Exactamente, com um bafordo que ocorreu no vale do Vez.

 

E se o meu leitor já estava confundido, com esta particularidade geográfica, mais baralhado deve ter ficado.

 

Mas se eu lhe disser que a «bafordo» é mais comum chamar «torneio», então já o esclarecimento assoma ao horizonte. Mas não é exactamente o mesmo. O torneio era um entretenimento dos cortesãos em tempo de paz; o bafordo era à séria.

 

Então, era assim: quando as relações internacionais se azedavam lá pela Idade Média e os Senhores decidiam «ir às ventas» do antagonista - mas constatando que havia um grande desequilíbrio de forças putativamente beligerantes - nomeavam interlocutores que combinavam a substituição duma batalha por uma peleja em que um determinado número de cavaleiros se batia individualmente com igual número da contraparte; os juízes - todo poderosos e sem apelo - eram clérigos em igual número de ambas as facções a quem competia determinar qual a parte vencedora. E Deus era testemunha.

 

Como se pode constatar, a «coisa» era a sério. Mais: sem apelo. Até porque divinamente testemunhada por interpostas pessoas, os clérigos.

 

E foi no vale do Vez que D. Afonso Henriques convenceu o seu primo D. Qualquer Coisa[i] a substituir uma batalha por um bafordo como o descrito acima.

 

E ganhámos!

 

Ora, como pouco antes deste episódio também ganháramos o confronto travado em Ourique no regresso do fossado sobre Sevilha, o entusiasmo era grande e o nosso futuro rei fundador logo confirmou que por aqui era ele a mandar e não esse tal D. Qualquer Coisa.

 

Passados mais de 15 dias sobre estas ocorrências, eis-nos metidos em novas pelejas a que ninguém chama bafordos porque não há testemunha divina. Mas a tenacidade é equivalente e a alienação muito maior.

 

Hoje, começamos o bafordo moscovita. A diferença está em que o do Vez foi importante e este é só alienante.

 

A ver quem ganha…

 

15 de Junho de 2018

Tetrapylon - Afrodisias.JPG

Henrique Salles da Fonseca

 

[i] - Afonso VII de Leão e Castela

10 DE JUNHO

CÁ NESTA BABILÓNIA

 

Cá nesta Babilónia, donde mana

Matéria a quanto mal o mundo cria;

Cá, onde o puro Amor não tem valia,

Que a Mãe, que manda mais, tudo profana;

 

Cá, onde o mal se afina, o bem se dana,

E pode mais que a honra a tirania;

Cá, onde a errada e cega Monarquia

Cuida que um nome vão a Deus engana;

 

Cá, neste labirinto, onde a Nobreza,

O Valor e o Saber pedindo vão

Às portas da Cobiça e da Vileza;

 

Cá, neste escuro caos de confusão,

Cumprindo o curso estou da natureza.

Vê se me esquecerei de ti, Sião!

 

Macau-DEZ06.jpg

Luís Vaz de Camões, in "Sonetos"

FRANCISCO PIRES LOPES, SJ

 

P. F. Pires Lopes 001.jpg

 

Faleceu hoje o Padre Francisco Pires Lopes, jesuíta e meu amigo.

 

Sobre os dados biográficos, a Companhia que diga pois sabe muito mais do que eu.

 

Eu digo o que me parece mais importante: era um homem de bem e era meu amigo.

 

Então, aproveito para dizer mais umas coisas…

 

… se eu sou democrata, a ele o devo porque me confirmou que o ar que respiramos é igual para todos e me lembrou que todos somos iguais perante o Pai…

 

… se eu sou cristão, a ele o devo porque, dentre outros conceitos, me lembrou que o perdão é o que distingue o bem do rancor…

 

… se eu sou democrata-cristão, a ele o devo porque, entretanto, já era democrata e porque, entretanto, já era cristão.

 

Deu-se o caso de ele ter sido meu professor nos idos de 60 do séc. XX no Instituto Superior Económico e Social de Évora quando decidi fugir das greves académicas que enfestavam Lisboa em 1962-3 e, para minha sorte, foi ele que ministrou a cadeira de «Doutrina Social da Igreja».

 

E assim avencei pela vida fora…

 

Até que, já pai de família, cheguei à minha casa, vizinha da Brotéria.

 

Então, o Padre Pires Lopes recebia-me sempre que lhe pedia para conversar. E não vinha ao caso saber se estava ocupado ou livre; recebia-me e não havia hesitações. Uma ou outra vez tive que esperar um pouco porque estava a celebrar na capela privativa da residência. Mas quando chegava à sala onde sempre me recebia, vinha com o bom humor que claramente escondia os padecimentos físicos que o atormentavam. Porquê? Porque era homem de fé e sabia que a dor é terrena e a alegria é divina.

 

E do que conversávamos? Sim, um pouco do que passáramos em Évora, da situação por que íamos, entretanto, passando na vida profana, de política, «à vol d’oiseau» sobre os seus padecimentos, da minha busca dos portugueses abandonados e da edificação da «Lusitânia Armilar» e do que mais calhava. Até que, chegada hora de fechar, eu lhe pedia a bênção e nos despedíamos até uma próxima oportunidade.

 

Então, dou por mim a lembrar-me de que naquela que, afinal, foi a última vez que lhe pedi a bênção, ele me disse algo como «Que bom, voltar a ter a oportunidade de rezar em comunhão com quem sente a proximidade do espírito». E acertou! Pena foi que tivesse sido a última vez que nos encontrámos por cá. O reencontro fica para a próxima, na outra dimensão.

 

Ámen!

 

Lisboa, Junho de 2018

 

Henrique Salles da Fonseca

AUSTRÁLIA – 2

 

 

Entre les deux, mon cœur balance. Refiro-me a Melbourne e a Sidney onde não ouvi falar francês. Fique a expressão idiomática apesar do despropósito linguístico.

 

Em resumo muito resumido, direi que Melbourne está cheia de História e que Sidney pouco ou nada deve a Nova Iorque.

 

ANZAC é a sigla de Australian and New Zealand Army Corps, celebra-se a 25 de Abril e comemora a batalha de Gallipoli (Turquia), em que dezenas de milhares de soldados da Austrália, Nova Zelândia e Reino Unido perderam a vida na I Guerra Mundial. As maiores paradas militares do "ANZAC Day" ocorrem em Canberra, capital da Austrália e em Auckland, maior cidade da Nova Zelândia mas também é feriado nas Ilhas Cook, Niue, Ilhas Pitcairn e Tonga donde, pelos vistos, também havia militares a servirem de «carne para canhão» às ordens da Metrópole, a Velha Albion. Mas foi em Melbourne que eu assisti à celebração e talvez por isso tenha ficado com a ideia de que a cidade está impregnada de História. Colhe, no entanto, referir que Melbourne esteve para ser a capital da Austrália e que só o não foi por causa dos ciúmes de Sidney. Então, à boa maneira salomónica, não foi uma nem outra, entraram ao serviço a régua e o esquadro num local mais ou menos equidistante das duas e assim nasceu Canberra. Mas a Federação de Estados que constitui a Austrália actual, essa, sim, nasceu em Melbourne.

 

ANZAC-Melbourne.JPG

 

Então, se Melbourne tem cerca de 4,5 milhões de habitantes e Sidney cerca de 5 milhões (não podia ficar a trás da amiga e eterna rival), junte-se-lhes os cerca de 2,6 milhões de Perth e temos 55% da população total da Austrália, estimada em 22 milhões. Ou seja, o resto do continente tem uma baixíssima densidade populacional. Mas se referirmos as populações residentes em cidades como Brisbane (capital de Queenland, com cerca de 2,3 milhões de residentes), Cairnes (cerca de 151 mil residentes) e Darwin (com algo como 121 mil) para referir apenas as maiorsinhas que visitei, então o vastíssimo continente está despovoado e à espera de quem o desfrute.

 

E os aborígenes? Ah, essa é uma questão que fica para a próxima.

 

(continua)

 

Maio de 2017

ANZAC- Melbourne-2.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

AUSTRÁLIA -1

 

 

 

Foi do alto do meu metro e sessenta e cinco que olhei para os australianos com muitos deles e delas a ultrapassarem o metro e oitenta e com muita gente de cores doiradas pelo Sol que naquelas partes não se faz rogado. Elas, frequentemente a «fazerem parar o trânsito»; eles, atléticos.

 

Então, lembrei-me de que os ingleses nunca foram baixotes mas quando emigraram (voluntária ou compulsivamente) para a Austrália, largaram os frios e chuvas lá na Velha Albion, deixaram de se encolher e, logicamente, esticaram. Mais especificamente, os que emigraram voluntariamente, deixaram para trás a miséria imposta pelas castas do famoso «upstair – downstair», estabeleceram-se por conta própria e floresceram; os que emigraram compulsivamente, passaram a ter três refeições diárias, o que na origem nunca lhes estava garantido e medraram – se não eles propriamente, os seus descendentes por certo.

 

E como todos comiam regularmente, passaram a comer à bruta mal se viram em situações económicas mais confortáveis dos que as que tinham na «metrópole». Resultado: para além de crescerem, engordaram. E engordaram muito! Chegam felizes a velhos mas com perímetros que metem medo e que esfacelam articulações.

 

Austrália-gorduchos.jpg

 

Eis como no cruzeiro que fiz ao longo de três quartos do périplo australiano (os grandes paquetes são uma preferência dos velhotes), a profusão de barrigudos coxos (tanto eles como elas), de muletas «canadianas», andarilhos (de rodas e com travões à moda das bicicletas), de cadeiras de rodas e de carrinhos eléctricos me fez imaginar um «céu» de núvens em forma de confortáveis assentos e no esgotamento de stocks daqueles auxiliares de caminhada no resto do país. Nunca eu tinha visto tanta concentração de gente com articulações arruinadas e nunca tinha visto melhor mercado para a fisiatria.

 

Aqui fica a sugestão a quem domine essa ciência e tenha certificação válida da respectiva prática: vá fazer umas massarocas à Austrália pois o mercado afigura-se frutuoso.

 

Outro negócio apetecível deve ser o dos protectores solares pois aquelas peles, de tão claras, devem ser muito atractivas de melanomas e de outras inconveniências do género.

 

Vão, enriqueçam mas voltem porque também por cá fazem muita falta na «Santa terrinha».

 

(continua)

 

Maio de 2017

008.JPG

Henrique Salles da Fonseca

(Coastal road, Victoria)

APRENDER A PENSAR

 

 

Diz-se que é a Filosofia que nos ensina a pensar…

 

Diz-se tanta coisa que alguma há-de ser verdade mas desta, duvido.

 

Porquê?

 

Porque a Filosofia que por aí se ensina pouco mais é do que a história do que uns quantos pensaram e quase nada nos é dito sobre a estrutura do raciocínio.

 

Fala-se de Lógica e de outros temas mas pouco mais fazem do que citá-los e dizer o que Fulano e Beltrano disseram.

 

Sim, Filosofia é o estudo das questões gerais da existência humana, da essência do conhecimento, da verdade, da moral e da ética, da mente, do Universo. Mas quem ensina, nada adianta; limita-se a citar o que outros escreveram depois de terem pensado.

 

Portanto, as cadeiras de Filosofia deveriam mudar de nome para História do Pensamento.

 Aristóteles.jpg

Uma excepção a esta minha opinião: Aristóteles e os silogismos de que se fala abundantemente e com exemplos inventados no momento.

 

Então, o que tenho para dizer é que é com a Matemática mais ou menos elementar ou mais ou menos transcendente que se aprende a pensar.

 

Sim, tudo começa com a álgebra e com os conjuntos no ensino primário, com as equações e seus sistemas no secundário e com as funções no superior. A partir daqui, tudo pode ser simplificado ou complicado mas os conceitos básicos são aqueles que referi e são esses que nos ensinam a pensar.

 

E se se souber pensar, sabe-se escrever; se se sabe escrever, sabe-se comunicar; se se sabe comunicar, pode-se ser útil ao próximo. Caso contrário, é-se apenas um consumidor de oxigénio, um parasita.

 

A Matemática é o anonimato das variáveis e suas conexões através de modelos baseados na lógica. A lógica é o cerne da estrutura do raciocínio porque a definição das conexões entre as diferentes variáveis exige que se conheçam os relacionamentos, estes exigem o conhecimento da essência de cada elemento e a dissecação dessas essências só pode ser feita com base em definições exactas. Só as definições exactas facultam um raciocínio límpido, só com elementos inequívocos se pode pensar.

 

Portanto, é a Matemática que nos ensina a pensar, não a «História do Pensamento» a que há quem chame Filosofia.

 

Sugestões de pé de página: com a Matemática, aprenda a construir equações e vai ver que aprende facilmente a dividir as orações nas frases que constrói; não comece a escrever se não souber o fim da narrativa.

 

Maio de 2018

Fonte dos leões-Heráklion.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador


contador de visitas para site

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D